Páginas

pergunta:

"Até quando vamos ter que agüentar a apropriação da idéia de 'liberdade de imprensa', de 'liberdade de expressão', pelos proprietários da grande mídia mercantil – os Frias, os Marinhos, os Mesquitas, os Civitas -, que as definem como sua liberdade de dizer o que acham e de designar quem ocupa os espaços escritos, falados e vistos, para reproduzir o mesmo discurso, o pensamento único dos monopólios privados?"

Emir Sader

29.9.12

teleSUR

Primer Ministro denuncia Golpe de Estado en Curazao

El Primer Ministro de Curazao Gerrit Schotte, hizo un llamado a defender la democracia. (Foto: teleSUR)

En entrevista exlcusiva para teleSUR el primer ministro de Curazao, Gerrit Schotte, denunció la ejecución de un Golpe de Estado en la isla, a pocos días de las elecciones generales del próximo 19 de octubre.


http://www.telesurtv.net/

Polenta News: Mais uma denuncia contra Alceu

sexta-feira, 28 de setembro de 2012


Mais uma denuncia contra Alceu



A Frente Popular protocolou na tarde de hoje uma denúncia por abuso de poder econômico por parte dos candidatos Alceu Barbosa Velho (PDT) e Antonio Feldmann (PMDB) e contra o prefeito José Ivo Sartori (PMDB). Segundo nota divulgada pela coligação foi anexado ao processo uma gravação em áudio de uma reunião, na qual Alceu oferece Cargos em Comissão aos representantes dos 17 partidos da coligação Caxias para Todos, em troca de apoio político para a formação de uma ampla base eleitoral que evitasse o segundo turno, em um flagrante processo de negociação e loteamento prévio de cargos políticos e instâncias administrativas do governo municipal.

Na gravação Alceu aparece dizendo: "O negócio só é bom quando beneficia os dois". Na reunião que contava com integrantes dos partidos que compoem a base de apoio a Alceu e outros que não compuseram foi oferecido um CC8 (cargo de maior remuneração na prefeitura abaixo do prefeito e vice) para cada um dos partidos aliados.


Um CC8 é o cargo mais alto (abaixo do prefeito e vice). A remuneração dele é atualmente de R$ 8,186,72. Seriam portanto, hoje, 17 CCs de mais de 8 mil reais cada um. O que espanta é a franqueza com que isso é dito. Segundo a Frente Popular a íntegra da gravação foi entregue ao Ministério Público Eleitoral para as devidas análises. No final Alceu diz: "Obrigado e agora vamos servir uma janta aí". Parece piada com a cara do caxienses. Só seria mais ironico se fosse servido massa, aí Possamai estaria coberto de razão, foi uma "Macarronada Política Indescente".


Veja algumas coisas que são ditas na gravação:


"Eu quero reconher e elogiar o prefeito Sartori por ele ter conseguido tá terminando o governo dle com 18, 19 partidos no governo dele, isso praticamente é um milagre"


"Sem constrangimento. O PDT, possivelmente com 6, 7, 8 secretarias ficaria contemplado"

"Eu agradeço a todos que, eu convidei pessoalmente e atenderam ao convite"

"Na última eleição quando estava acontecendo a Festa da Uva nós estávamos com tudo fechado".

"Em todas as eleições, o PMDB concorreu, mas sempre perdeu. Ele ganhou quando veio com nós e quando veio com todos"

"Nós não podemos pensar em segundo tuirno. Isso é nos desgastarmos"

"O partido que estiver com essa candidatura tem uma direção tem um CC8. Ponto."

"Esse critério que eu achei maravilhosos, que daí todos são contemplados em pé de igualdade. Daí para frente vamos ver o que acontece".

"Além desse critério, do CC8, qual é o outro critério para que fique bom para todos? Porque eu sou daqueles que defende que o negócio só é bom quando é bom pros dois".

Veja o vídeo da denúncia da Frente Popular veiculado no horário eleitoral de hoje.


http://polentanews.blogspot.com.br/2012/09/mais-uma-denuncia-contra-alceu.html


Assista o vídeo: http://youtu.be/dw1DyDd5pbk

28.9.12

Frente Popular denuncia oferecimento de cargos em troca de apoio político por parte de Alceu - Caxias do Sul - Rádio Caxias

Frente Popular denuncia oferecimento de cargos em troca de apoio político por parte de Alceu

A coligação do Partido dos Trabalhadores (PT), Frente Popular, apresentou denúncia contra os candidatos da Caxias para Todos, Alceu Barbosa Velho (PDT) e Antonio Feldmann (PMDB) e contra o prefeito José Ivo Sartori (PMDB). A documentação foi protocolada na Justiça Eleitoral no final da tarde desta sexta-feira (28).

Na ação, a Frente Popular pede a cassação dos candidatos por condutas vedadas de abuso de poder político e de autoridade para o desvio da finalidade de funções dos órgãos públicos, com o intuito de beneficiar partidos políticos. Consta no processo, um áudio em anexo.

A gravação foi utilizada na propaganda eleitoral da Frente Popular na noite desta sexta (28). O programa televisivo conta com depoimentos de dois ex-integrantes da base do governo. O vereador Renato Nunes (PRB) e o presidente do PTC, Koiti Tamura.

O áudio é de uma reunião em que estavam presentes o prefeito José Ivo Sartori, o coordenador da campanha de Alceu, Edson Néspolo, e representantes de outros partidos. No áudio, Alceu Barbosa Velho (PDT) oferece Cargos em Comissão (CC) a partidários, que hoje integram a coligação Caxias para Todos.

A oferta do Cargo padrão 8, equivalente a R$ 8 mil,  é feita em troca de apoio dos partidos para fortalecer a base. A reunião teria ocorrido na casa de Alceu, meses antes de se iniciar o período de convenções.

De acordo com a advogada do setor jurídico da Frente Popular, Verusca Preste, fica clara a proposta de Alceu.

Na mesma representação constam ainda outras duas questões. Imagens utilizadas atualmente na campanha de Alceu seriam as mesmas de programas institucionais da prefeitura.

Além disso, constam informações de que um caso em que o professor de uma escola municipal parou a aula por solicitação da Secretaria da Educação (SMED) para que se realizassem gravações para programas da administração. A caracterização das atitudes pode ser enquadrada em abuso político por uso de material público.


Departamento de Jornalismo

http://www.radiocaxias.com.br/2010/www/portal/index.php?view=noticia&id_noticia=19629

Assista o vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=KPpBLYDwxlA&feature=player_embedded

Alceu Barbosa Velho

Daniel Dantas

Ministro Lewandowsky liga Daniel Dantas ao suposto "mensalão".

http://www.youtube.com/watch?v=ZUj5WfeBP7E&feature=player_embedded

Daneluz e Justina > 13

capitalismo

Olívio Dutra - PT - 13

"Porque nós temos um projeto, porque nós temos um jeito de fazer política na relação fraterna, direta com as pessoas. Nós temos um projeto em que as pessoas são o centro das nossas preocupações. Por isso, a política pra nós não é uma política imediatista, a política pra nós é a extensão da nossa vida, afirmação de nós como seres humanos." Olívio Dutra - PT - 13

27.9.12

Fwd: Dom de Iludir

"Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é..."


Caetano Veloso - Dom de Iludir





Caxias do Sul

7 famílias dominam 92% da mídia brasileira


Coletivo Sonhar e Transformar
Denise Pessôa Vereadora
www.denisepessoa13123,blogspot.com

Postal Comunicação
Números: www.enecom.org
Pesquisa e arte: Fernanda e Débora
Fica à vontade pra compartilhar isso - publicar nos teus perfis, imprimir em camiseta, adesivar em cadernos, agendas, afixar em murais, paredes, na porta da geladeira... =P
Se tu imprimir em algum material, mostra pra gente: fotografa e posta! E ao descartá-lo, destina ele pro lixo seletivo. Assim tu evita que ele vá pra lixões ou aterros, contribui pra que o papel seja reaproveitado e ajuda na renda dos/as recicladores/as! ;)

Zeca Baleiro - Mamãe no Face

Zeca Baleiro cantando "Mamãe no Face", última faixa do novo disco dele, chamado "O Disco do Ano" (2012).

Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=ZfmVlNIbqDw

Olívio Dutra - PT - 13

"Porque nós temos um projeto, porque nós temos um jeito de fazer política na relação fraterna, direta com as pessoas. Nós temos um projeto em que as pessoas são o centro das nossas preocupações. Por isso, a política pra nós não é uma política imediatista, a política pra nós é a extensão da nossa vida, afirmação de nós como seres humanos." Olívio Dutra - PT - 13

https://www.youtube.com/watch?v=1ANryEywtA0&feature=player_embedded


EBC | Política | Ministério Público pede arquivamento de investigação contra Lula

não deu certo a tentativa de Gilmar Dantas, ops... Gilmar Mendes...



Ministério Público pede arquivamento de investigação contra Lula

Débora Zampier - Agência Brasil 26.09.2012 - 21h20 | Atualizado em 27.09.2012 - 07h25

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (Luiz Inácio Lula da Silva )

Brasília – O procedimento que investigava se o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tentou interferir no andamento da Ação Penal 470 no Supremo Tribunal Federal (STF) deve ser arquivado. O pedido de baixa partiu do Ministério Público Federal no Distrito Federal (MPF-DF), responsável pelo caso desde maio.

O procedimento de investigação criminal foi aberto depois que parlamentares da oposição entraram com pedido de notícia-crime no Ministério Público pelo fato de o ministro Gilmar Mendes, do STF, ter divulgado, na imprensa, que Lula o procurou para tentar adiar o início do julgamento do caso conhecido como mensalão. Na época, Mendes alegou ter tido encontro com o ex-presidente e disse ter considerado o pedido uma intimidação.

Os parlamentares justificaram, no pedido, que o caso merecia apuração mais aprofundada do Ministério Público porque havia indícios de coação no curso do processo, tráfico de influência e corrupção ativa. Ao apurar o caso, no entanto, o MPF entendeu que as acusações não estavam respaldadas por provas.

Segundo o MPF, houve dois pedidos de informação ao ministro Gilmar Mendes, que ficaram sem resposta, restando ao órgão analisar as declarações que o magistrado deu à imprensa na época dos fatos. “Nas declarações dadas pelo ministro, o Ministério Público não detectou um pedido específico de Lula no sentido de ver adiado o julgamento do mensalão”, destacou o órgão.

O MPF ainda informa que a ausência de culpa do ex-presidente foi respaldada em depoimento do ex-ministro do STF Nelson Jobim, que emprestou seu escritório para o encontro entre Lula e Gilmar Mendes. Jobim assegurou que ouviu toda a conversa e que, “em nenhum momento, o ex-presidente solicitou ou sugeriu ao ministro Gilmar que atuasse no sentido de obter o adiamento do julgamento do mensalão”.


Edição: Lana Cristina

  • Direitos autorais: Creative Commons - CC BY 3.0
http://www.ebc.com.br/2012/09/ministerio-publico-pede-arquivamento-de-investigacao-contra-lula

26.9.12

direita e esquerda

"Gente que diz que não sabe mais se existem direita e esquerda,
na verdade está dizendo que não sabe mais se é de direita ou de esquerda."
Emir Sader

COMÍCIO DA VIRADA VILLA 13 - quinta, 27/9


Medo de Juiz

terça-feira, 25 de setembro de 2012


Medo de Juiz

Ariovaldo Ramos


Um colega de Igreja, na periferia de São Paulo, região, então, pobre, nos idos da década de 80, formou-se em Direito, na melhor escola do país, era uma proeza, não eram muitos dos nossos que o logravam. Nós, jovens cristãos protestantes e pobres, minoria entre os despossuídos celebrávamos tal vitória, que, mais que pessoal, era um salto para todos nós.


Não tardou que todos nós, ciosos de nossa fé, nos sentindo guardiães de uma nova realidade que se anunciava, a conversão dos pobres à fé protestante, começássemos a inquirir sobre o nosso papel, uma vez que fazíamos parte de um grupo novo, os pobres, que, carregados por sua fé, começavam a entrar nas melhores universidades para estudar ciência, antes, reservada para a elite econômica oriunda da religião, outrora, oficial.


A formação em direito, mais que qualquer outra, era alvo preferencial dessa aferição entre prática profissional e postura confessional, e me lembro de ter sido o que perguntou ao irmão, em questão, se ele defenderia alguém, mesmo sabendo da culpa deste.


Meu companheiro de fé deu-me uma das respostas mais marcantes que já tive o privilégio de obter, como fruto de uma inquirição. Disse-me ele que, sim, defenderia o suposto réu, mesmo sabendo de sua culpa, porque ele não estava no papel de quem tem de provar a inocência de seu cliente, mas, de quem vigia para que o Estado só puna aquele de quem, da forma mais inconteste possível, consiga comprovar a culpa. Disse-me que entrava no tribunal não pelos culpados, mas, pelos inocentes, de modo a garantir o cumprimento do Estado de Direito.


Naquele dia compreendi que o papel do juiz era garantir que a lei, e só a lei fosse aplicada, respeitados todos os rituais de um processo, onde fosse garantido, de forma ampla e irrestrita, o direito à defesa.


Compreendi que aplicar a justiça, que, no projeto cristão, deve começar com a formulação da lei, tinha, de fato, a ver, sem detrimento à nossa utopia, com a garantia de um processo, onde o direito à defesa fosse amplo e irrestrito, onde a lei fosse o mérito que a todos iguale, e a sua aplicação só se desse mediante a comprovação incontestável da infração da mesma. Em havendo qualquer dúvida o réu deveria ser poupado das injunções inerentes.


Por isso, como cidadão, estou estarrecido com o que se me parece, ao assistir o julgamento, por parte do STF, da ação penal 470, conhecida como "mensalão". A cada manifestação que assisto, dá-me a impressão de que a lição aprendida pelo amigo dos idos de 80, não vale mais. Fico com a nítida sensação de estar assistindo a um desfile da subjetividade, quando o que se espera da corte é a objetividade que dirime qualquer dúvida sobre a quebra da lei. Indícios não bastam, é preciso comprovação.


Estou estarrecido, porque, desde há muito, aprendi com o meu amigo que um tribunal se estabelece por causa dos inocentes, não dos culpados. Um tribunal se estabelece para que se reafirme a nação que se pauta pelo Estado de Direito, onde ninguém, por mais desafeto que seja à opinião pública será condenado, a menos se comprove, de fato, a sua  culpa perante a lei.


Estou com medo de vir a ter medo de pisar num tribunal, por não saber mais o que esperar, diante da possibilidade do subjetivo se impor. Tenho medo de estar a assistir ao retrocesso de uma nação. Da minha nação!


http://ariovaldoramos.blogspot.com.br/2012/09/medo-de-juiz.html

Fwd: Intelectuais pedem ao STF a defesa da legalidade

Intelectuais pedem ao STF a defesa da legalidade

247 – Em primeira mão, o 247 publica a Carta Aberta ao Povo Brasileiro, assinada por artistas, acadêmicos e intelectuais, que defende a legalidade, a presunção de inocência e condena a transformação em espetáculo midiático de um julgamento – no caso, a Ação Penal 470. Leia o texto assinado por artistas, empresários, acadêmicos, advogados, estudantes e intelectuais:

CARTA ABERTA AO POVO BRASILEIRO

Desde o dia 02 de agosto o Supremo Tribunal Federal julga a ação penal 470, também conhecida como processo do mensalão. Parte da cobertura na mídia e até mesmo reações públicas que atribuem aos ministros o papel de heróis nos causam preocupação.

Somos contra a transformação do julgamento em espetáculo, sob o risco de se exigir – e alcançar - condenações por uma falsa e forçada exemplaridade.  Repudiamos o linchamento público e defendemos a presunção da inocência.

A defesa da legalidade é primordial. Nós, abaixo assinados, confiamos que os Senhores Ministros, membros do Supremo Tribunal Federal, saberão conduzir esse julgamento até o fim sob o crivo do contraditório e à luz suprema da Constituição.


Fernando Morais, jornalista e escritor
Hildegard Angel, jornalista
Luiz Carlos Barreto, produtor cinematográfico
Olgária Matos, filósofa, professora universitária Unifesp
Abelardo Blanco, cientista politico, publicitário
Adilson Monteiro Alves, sociólogo
Adriano Pilatti, professor de direito PUC/RJ
Afonso Celso Lana Leite, professor universitário UFU
Alceu Valença, músico
Alcides Nogueira, escritor
Aldimar Assis, advogado
Altamiro Borges, jornalista
Amélia Cohn, socióloga, professora Faculdade de Medicina USP
Ana Carolina Lopes, fotógrafa
Ana Corbisier, pesquisadora
Ana Fonseca, economista, professora universitária
Ana Helena Tavares, jornalista
Ana Maria dos Santos, advogada
Ana Maria Freire, escritora
André Borges, escritor e poeta
André Klotzel, cineasta
André Medalha e Almada, designer
André Tokarski, presidente da UJS - União da Juventude Socialista
Antonio Abujamra, ator
Antonio Carlos Fon, jornalista
Antonio Celso Ferreira, historiador, professor Unesp/Assis
Antonio Gilson Brigagão, jornalista e diretor teatral
Antonio Grassi, ator
Antonio Ibañez Ruiz, educador, professor universitário UNB
Antonio Pitanga, ator
Armando Freitas Filho, poeta
Arnaldo Carrilho, servidor público aposentado
Artur Henrique, sindicalista, secretário relações internacionais da CUT para as Américas
Artur Scavone, jornalista
Aton Fon Filho, advogado
Beatriz Cintra Labaki, socióloga
Beilton Freire da Rocha, médico
Benedito Prezia , antropólogo e escritor
Bernadette Figueiredo, professora
Betinho Duarte, administrador de empresa
Bruno Barreto, cineasta
Carlos Azevedo, jornalista
Carlos Duarte, advogado
Carlos Eduardo Niemeyer - Fotógrafo
Carlos Enrique Ruiz Ferreira, professor, coordenador assuntos institucionais e internacionais da UEPB
Carlos Roberto Pittoli, advogado
Carlos Walter Porto-Gonçalves, geografo, professor universitario UFF
Carlota Boto, pedagoga e professora da FEUSP
Carolina Abreu
Ceci Juruá, economista
Cecilia Boal, psicanalista
Célio Turino, historiador, gestor cultural
Celso Frateschi, ator
Celso Horta, jornalista
Cenise Monte Vicente, psicóloga, ex-diretora do UNICEF/SP
Christina Iuppen, professora
Clara Charf, militante feminista
Claudio Adão, jogador de futebol
Claudio Kahns, cineasta
Cloves dos Santos Araújo, advogado, professor universitário UNEB
Consuelo de Castro, dramaturga
Cristiane Souza de Oliveira
Daniel Tendler, cineasta
David Farias, artista plástico, escultor e pintor
Dayse Souza, psicóloga
Débora Duboc, atriz
Derlei Catarina de Lucca, professora
Domingos Fernandes, jornalista
Drauzio Gonzaga, professor universitário UFRJ
Dulce Maia de Souza, ambientalista
Dulce Pandolfi, historiadora, pesquisadora CPDOC/FGV
Edmilson José Valentim dos Santos, engenheiro
Eduardo Ebendinger, ator
Edvaldo Antonio de Almeida, jornalista
Eide Barbosa, gestora de pessoas
Eleonora Rosset, psicanalista
Emiliano José, jornalista e escritor
Emir Sader, sociólogo, professor universitário UERJ
Eneida Cintra Labaki, historiadora
Ercílio Tranjan, publicitário
Eric Nepomuceno, jornalista e escritor
Ernesto Tzirulnik, advogado
Erotildes Medeiros, jornalista
Eugenio Staub, empresário
Fabio Dutra, estudante de direito USP
Fabio Roberto Gaspar, advogado
Felipe Lindoso, produtor cultural
Fernando Nogueira da Costa, economista, professor universitário Unicamp
Fernando Sá, cientista político
Fernando Soares Campos, servidor público
Fidel Samora B.P. Diniz, músico
Flora Gil, produtora cultural
Francis Bogossian, engenheiro, Academia Nacional de Educação e Academia Nacional de Engenharia
Gabriel Cohn, sociólogo, professor USP
Gabriel Landi Fazzio, estudante de direito USP
Gabriel Pereira Mendes Azevedo Borges, estudante de direito USP
Gabriel Priolli, jornalista
Gabriela Shizue S. de Araujo, advogada
Galeano Bertoncini, cirugião dentista
Gaudêncio Frigoto, educador, professor universitário UERJ
Gegê, vice-presidente nacional da CMP - Central de Movimentos Populares
Giane Alvares Ambrósio Alvares, advogada
Gilson Caroni, sociólogo, professor universitário Faculdades Integradas Hélio Alonso/RJ
Gisela Gorovitz, empresária e advogada
Glaucia Camargos, produtora de cinema
Gonzalo Vecina Neto,  médico sanitarista, professor da
FSP/USP
Guilherme Silva Rossi, estudante de direito USP
Heloísa Fernandes, socióloga, professora USP e ENFF
Hugo Carvana, ator e cineasta
Humberto de Carvalho Motta, estudante universitário
Ícaro C. Martins, cineasta
Idacil Amarilho, administrador
Iná Camargo, professora universitária USP
Iolanda Toshie Ide, professora universitária aposentada Unesp/Marília
Isa Grispun Ferraz, cineasta
Ivan Seixas, presidente do Condepe - Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana
Ivo Rosset, empresário
Ivone Macedo Arantes, arquiteta
Ivy Farias,  jornalista
Izabel de Sena, professora universitária, Sarah Lawrence College, NY
Izaias Almada, escritor
Jacy Afonso de Melo, secretário de organização da CUT Nacional
Jane Argollo, coordenadora de Ponto de Cultura
Jessie Jane Vieira, historiadora, professora da UFRJ
Jesus Chediak, jornalista
João Antonio de Moraes, sindicalista, coordenador geral da FUP - Federação Única dos
Petroleiros
João Antonio Felício, sindicalista, secretário de relações internacinais da CUT
João Carlos Martins, pianista e maestro
João Feres, cientista político
João Jorge Rodrigues dos Santos, advogado e presidente do Grupo Olodum
João Lopes de Melo
João Paulo Possa Terra, estudante de direito USP
João Pedro Stédile, presidente nacional do MST - Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra
João Quartim de Morais, cientista político, professor universitário Unicamp
Jorge Ferreira, empresário
Jorge Mautner, cantor e escritor
José Antonio Fernando Ferrari, antiquário
José Arrabal, professor, jornalista e escritor
José Carlos Asbeg, cineasta
José Carlos Henrique, arquiteto
José Carlos Tórtima, advogado
José Fernando Pinto da Costa, presidente do grupo educacional Uniesp
José Ibrahim, líder sindical
José Luiz Del Roio, escritor
José Marcelo, pastor batista
Josefhina Bacariça, educadora popular em Direitos Humanos
Julia Barreto, produtora cinematográfica
Julio Cesar Senra Barros, interlocutor social
Jun Nakabayashi, cientista político
Juvandia Moreira, sindicalista, presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região
Ladislau Dowbor, economista, professor universitário PUC/SP
Laio Correia Morais, estudante de direito USP
Laurindo Leal Filho, jornalista e sociólogo, professor universitário USP
Lauro Cesar Muniz, dramaturgo
Levi Bucalem Ferrari, escritor e professor de ciências políticas
Lia Ribeiro, jornalista
Lincoln Secco, historiador, professor universitário USP
Lorena Moroni Girão Barroso, servidora pública federal
Lucas Yanagizawa Paes de Almeida Nogueira Pinto, estudante de psicologia
Lucy Barreto, produtora cinematográfica
Luiz Carlos Bresser Pereira, economista, professor FGV
Luiz Edgard Cartaxo de Arruda Junior, memorialista
Luiz Fenelon P. Barbosa, economista
Luiz Fernando Lobo, artista
Luiz Gonzaga Belluzzo, economista, professor universitário Unicamp
Luiz Pinguelli Rosa, professor da UFRJ
Maia Aguilera Franklin de Matos, estudante de direito USP
Maira Machado Frota Pinheiro, estudante de direito/USP
Malu Alves Ferreira, jornalista
Manoel Cyrillo de Oliveira Netto, publicitário
Marcelo Carvalho Ferraz, arquiteto
Marcelo Santiago, cineasta
Marcílio de Freitas, professor da UFAM
Márcio Souza, escritor
Marcionila Fernandes, professora, pró-reitora de pós-graduação e pesquisa da UEPB
Marco Albertim, jornalista
Marco Antonio Marques da Silva, desembargador
Marco Aurélio Belém Purini, estudante de direito USP
Marco Aurélio de Carvalho, advogado
Marco Piva, jornalista e empresário da área de comunicações
Marcos José de Oliveira Lima Filho, doutorando em Direito da UFPB
Marcus Robson Nascimento Costa
Maria Carmelita A. C. de Gusmão, professora
Maria das Dores Nascimento, advogada
Maria do Socorro Diogenes, professora
Maria Guadalupe Garcia, socióloga
Maria Izabel Calil Stamato, psicóloga, Universidade Católica de Santos
Maria José Silveira, escritora
Maria Luiza de Carvalho, aposentada
Maria Luiza Quaresma Tonelli, professora e advogada
Maria Victoria Benevides, socióloga, professora universitária USP
Mariano de Siqueira Neto, desembargador aposentado
Marilene Correa da Silva Freitas, professora da UFAM
Marília Cintra Labaki, secretária
Marília Guimarães, escritora, Comitê Internacional de intelectuais e artistas em defesa da humanidade
Mário Cordeiro de Carvalho Junior, professor da FAF/UERJ
Marlene Alves, professora, reitora da UEPB
Marly Zavar, coreógrafa
Marta Nehring, cineasta
Marta Rubia de Rezende, economista
Martha Alencar, cineasta
Maryse Farhi, economista, professora universitária
Matheus Toledo Ribas, estudante de direito USP
Michel Chebel Labaki Jr.
Michel Haradom, empresário, presidente da FERSOL
Mirian Duailibe, empresária e educadora
Ney de Mello Almada, desembargador  aposentado
Nilson Rodrigues, produtor cultural
Noeli Tejera Lisbôa, jornalista
Oscar Niemeyer, arquiteto
Otavio Augusto Oliveira de Moraes, estudante de economia PUC/SP
Otávio Facuri Sanches de Paiva, estudante de direito USP
Pablo Gentili, educador, professor universitário UERJ, FLACSO
Paula Barreto, produtora cinematográfica
Paulo Baccarin, procurador da Câmara Municipal de São Paulo
Paulo Betti, ator
Paulo Roberto Feldmann, professor universitário, USP, presidente da Sabra Consultores
Paulo Thiago, cineasta
Pedro Gabriel Lopes, estudante de direito USP
Pedro Igor Mantoan, estudante de direito USP
Pedro Rogério Moreira, jornalista
Pedro Viana Martinez, estudante de direito USP
Raul de Carvalho, pesquisador
Regina Novaes, socióloga/RJ
Regina Orsi, historiadora
Renato Afonso Gonçalves, advogado
Renato Tapajós, cineasta
René Louis de Carvalho, professor universitário UFRJ
Ricardo Gebrim, advogado
Ricardo Kotscho, jornalista
Ricardo Miranda, cineasta
Ricardo Musse, filósofo, professor USP
Ricardo Vilas, músico
Ricardo Zarattini Filho, engenheiro
Risomar Fassanaro, poetisa e jornalista
Roberto Gervitz, cineasta
Rodrigo Frateschi, advogado
Ronaldo Cramer, professor de direito PUC/RJ
Rose Nogueira, jornalista
Rubens Leão Rego, professor Unicamp
Sandra Magalhães, produtora cultural
Sebastião Velasco e Cruz, cientista político, professor universitário Unicamp
Sérgio  Ferreira, médico
Sergio Amadeu da Silveira, sociólogo e professor da UFABC
Sergio Caldieri, jornalista
Sérgio Mamberti, ator
Sergio Mileto, empresário, presidente da Alampyme - Associação Latino Americana de Pequenos
Empresários
Sérgio Muniz, cineasta
Sérgio Nobre, sindicalista, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Sérgio Ricardo, cantor
Sérgio Vampre, advogado
Silvio Da Rin, cineasta
Tatiana Tiemi Akashi, estudante de direito USP
Teresinha Reis Pinto, biomédica e pedagoga Consultora UNESCO
Tereza Trautman, cineasta
Theotônio dos Santos, economista
Tizuka Yamasaki, cineasta
Tullo Vigevani, professor Unesp/Marília
Urariano Mota, escritor e jornalista
Vagner Freitas de Moraes, sindicalista, presidente nacional da CUT - Central Única dos
Trabalhadores
Valter Uzzo, advogado
Venicio Artur de Lima, jornalista e sociólogo
Vera Lúca Niemeyer
Vera Maria Chalmers, professora universitária Unicamp
Verônica Toste, professora universitária IESP/UERJ
Vitor Fernando Campos Leite, estudante de direito USP
Vitor Quarenta, estudante de direito Unesp/Franca
Vladimir Sacchetta, jornalista e produtor cultural
Wadih Damous, advogado/RJ
Walnice Nogueira Galvão, professora de literatura comparada USP
Walquikia Leão Rego, professora Unicamp
Zé de Abreu, ator




Organizações sociais realizam ato político-cultural em apoio à Hugo Chávez | Brasil de Fato

Organizações sociais realizam ato político-cultural em apoio à Hugo Chávez

Evento faz parte da “Campanha Brasil está com Chávez”, da qual participam movimentos sociais, sindicatos s e partidos políticos

26/09/2012


Campanha Brasil com Chávez

 

 

     

Nesta quinta-feira (27), a “Campanha Brasil está com Chávez” promove novo ato-festa em solidariedade ao povo venezuelano e em apoio à eleição de Hugo Chávez, atual presidente da Venezuela. Dessa vez, a atividade será em Brasília (DF), no Teatro dos Bancários, às 19h.

Durante o evento, organizado por movimentos sociais e entidades que participam da campanha, jovens brasileiros que estiveram recentemente na Venezuela, participando do Encontro Internacional da Juventude, irão compartilhar a experiência vivida no país vizinho por meio de depoimentos e imagens. Além disso, serão exibidos vídeos com o depoimento de personalidades brasileiras que apoiam Chávez, como o ex-presidente Lula, o jornalista e escritor Eric Nepomuceno e o jornalista e professor Denis de Morais.

Para Ismael José César, da Central Única dos Trabalhadores (CUT), a reeleição de Chávez é importante para continuidade das mudanças e dos avanços conquistados pelo povo venezuelano e latino-americano. “Uma das últimas conquistas foi a criação da Nova Lei Orgânica do Trabalho (LOT), aprovada pelo presidente Hugo Chávez, que contemplou reivindicações históricas da luta dos trabalhadores de todo o continente, como a diminuição da jornada de trabalho”, disse.

Além de dirigentes de movimentos sociais e partidos políticos, está prevista a participação do cantor Xangai.

 

A Campanha

Em 7 de outubro, acontecem eleições presidenciais na Venezuela. Para a campanha, o Brasil tem um papel político importante nessa disputa, uma vez que a direita venezuelana e brasileira buscam impedir a continuidade e aprofundamento da chamada Revolução Bolivariana. “Não há dúvidas de que nessas eleições estão em disputa dois projetos para os povos latino-americanos, o que dá à vitória de Chávez uma importância continental. Queremos a vitória do projeto que representa a diminuição da pobreza, a democracia participativa e a distribuição de renda”, afirmou Alexandre Conceição, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

É por isso que partidos políticos, organizações sindicais, movimentos sociais e entidades estudantis brasileiros criaram a “Campanha Brasil está com Chávez”, que conta com o apoio do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), Partido dos Trabalhadores (PT), Partido Comunista do Brasil (PCdoB), Central Única dos Trabalhadores (CUT), Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), Partido Socialista Brasileiro (PSB), União Nacional dos Estudantes (UNE), Levante Popular da Juventude, Via Campesina, União da Juventude Socialista (UJS), Cebrapaz, Foro de São Paulo, Consulta Popular, Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), Federação dos Estudantes de Agronomia do Brasil (Feab), Partido Pátria Libre (PPL), Federação Democrática Internacional das Mulheres (FDIM), Nescuba, TV Cidade Livre de Brasília.

A Campanha também está nas redes sociais: www.facebook.com/brasilcomchavez e www.twitter.com/brasilcomchavez.

http://www.brasildefato.com.br/node/10707

Reuniões Regionais - Centro Expandido - São Paulo

Reunião Regional com a Dep. Luiza Erundina

 

Convite Reunião Regional na                Zona Leste - 26/08/2012



CARTA ABERTA AO POVO BRASILEIRO

_______________________________________________
Cartaoberro mailing list
Cartaoberro@serverlinux.revistaoberro.com.br
http://serverlinux.revistaoberro.com.br/mailman/listinfo/cartaoberro


CARTA ABERTA AO POVO BRASILEIRO


Desde o dia 02 de agosto o Supremo Tribunal Federal julga a ação penal 470, também conhecida como processo do "mensalão". Parte da cobertura na mídia e até mesmo reações públicas que atribuem aos ministros o papel de heróis nos causam preocupação. 

Somos contra a transformação do julgamento em espetáculo, sob o risco de se exigir - e alcançar - condenações por uma falsa e forçada exemplaridade.  Repudiamos o linchamento público e defendemos a presunção da inocência.

A defesa da legalidade é primordial. Nós, abaixo assinados, confiamos que os Senhores Ministros, membros do Supremo Tribunal Federal, saberão conduzir esse julgamento até o fim sob o crivo do contraditório e à luz suprema da Constituição.

Fernando Morais, jornalista e escritor

Hildegard Angel, jornalista

Luiz Carlos Barreto, produtor cinematográfico

Olgária Matos, filósofa, professora universitária Unifesp

 

cartaabertaadesoes@gmail.com

 

Abelardo Blanco, cientista politico, publicitário

Adilson Monteiro Alves, sociólogo

Adriano Pilatti, professor de direito PUC/RJ

Afonso Celso Lana Leite, professor universitário UFU

Alceu Valença, músico

Alcides Nogueira, escritor

Aldimar Assis, advogado

Altamiro Borges, jornalista

Amélia Cohn, socióloga, professora Faculdade de Medicina USP

Ana Carolina Lopes, fotógrafa

Ana Corbisier, pesquisadora

Ana Fonseca, economista, professora universitária

Ana Helena Tavares, jornalista

Ana Maria dos Santos, advogada

Ana Maria Freire, escritora

André Borges, escritor e poeta

André Klotzel, cineasta

André Medalha e Almada, designer

André Tokarski, presidente da UJS - União da Juventude Socialista

Antonio Abujamra, ator

Antonio Carlos Fon, jornalista

Antonio Celso Ferreira, historiador, professor Unesp/Assis

Antonio Gilson Brigagão, jornalista e diretor teatral

Antonio Grassi, ator

Antonio Ibañez Ruiz, educador, professor universitário UNB

Antonio Pitanga, ator

Armando Freitas Filho, poeta

Arnaldo Carrilho, servidor público aposentado

Artur Henrique, sindicalista, secretário relações internacionais da CUT para as Américas

Artur Scavone, jornalista

Aton Fon Filho, advogado

Beatriz Cintra Labaki, socióloga

Beilton Freire da Rocha, médico

Benedito Prezia , antropólogo e escritor

Bernadette Figueiredo, professora

Betinho Duarte, administrador de empresa

Bruno Barreto, cineasta

Carlos Azevedo, jornalista

Carlos Duarte, advogado

Carlos Eduardo Niemeyer - Fotógrafo

Carlos Enrique Ruiz Ferreira, professor, coordenador assuntos institucionais e internacionais da UEPB

Carlos Roberto Pittoli, advogado

Carlos Walter Porto-Gonçalves, geografo, professor universitario UFF

Carlota Boto, pedagoga e professora da FEUSP

Carolina Abreu

Ceci Juruá, economista

Cecilia Boal, psicanalista

Célio Turino, historiador, gestor cultural

Celso Frateschi, ator

Celso Horta, jornalista

Cenise Monte Vicente, psicóloga, ex-diretora do UNICEF/SP

Christina Iuppen, professora

Clara Charf, militante feminista

Claudio Adão, jogador de futebol

Claudio Kahns, cineasta

Cloves dos Santos Araújo, advogado, professor universitário UNEB

Consuelo de Castro, dramaturga

Cristiane Souza de Oliveira

Daniel Tendler, cineasta

David Farias, artista plástico, escultor e pintor

Dayse Souza, psicóloga

Débora Duboc, atriz

Derlei Catarina de Lucca, professora

Domingos Fernandes, jornalista

Drauzio Gonzaga, professor universitário UFRJ

Dulce Maia de Souza, ambientalista

Dulce Pandolfi, historiadora, pesquisadora CPDOC/FGV

Edmilson José Valentim dos Santos, engenheiro

Eduardo Ebendinger, ator

Edvaldo Antonio de Almeida, jornalista

Eide Barbosa, gestora de pessoas

Eleonora Rosset, psicanalista

Emiliano José, jornalista e escritor

Emir Sader, sociólogo, professor universitário UERJ

Eneida Cintra Labaki, historiadora

Ercílio Tranjan, publicitário

Eric Nepomuceno, jornalista e escritor

Ernesto Tzirulnik, advogado

Erotildes Medeiros, jornalista

Eugenio Staub, empresário

Fabio Dutra, estudante de direito USP

Fabio Roberto Gaspar, advogado

Felipe Lindoso, produtor cultural

Fernando Nogueira da Costa, economista, professor universitário Unicamp

Fernando Sá, cientista político

Fernando Soares Campos, servidor público

Fidel Samora B.P. Diniz, músico

Flora Gil, produtora cultural

Francis Bogossian, engenheiro, Academia Nacional de Educação e Academia Nacional de Engenharia

Gabriel Cohn, sociólogo, professor USP

Gabriel Landi Fazzio, estudante de direito USP

Gabriel Pereira Mendes Azevedo Borges, estudante de direito USP

Gabriel Priolli, jornalista

Gabriela Shizue S. de Araujo, advogada

Galeano Bertoncini, cirugião dentista

Gaudêncio Frigoto, educador, professor universitário UERJ

Gegê, vice-presidente nacional da CMP - Central de Movimentos Populares

Giane Alvares Ambrósio Alvares, advogada

Gilson Caroni, sociólogo, professor universitário Faculdades Integradas Hélio Alonso/RJ

Gisela Gorovitz, empresária e advogada

Glaucia Camargos, produtora de cinema

Gonzalo Vecina Neto,  médico sanitarista, professor da FSP/USP

Guilherme Silva Rossi, estudante de direito USP

Heloísa Fernandes, socióloga, professora USP e ENFF

Hugo Carvana, ator e cineasta

Humberto de Carvalho Motta, estudante universitário

Ícaro C. Martins, cineasta

Idacil Amarilho, administrador

Iná Camargo, professora universitária USP

Iolanda Toshie Ide, professora universitária aposentada Unesp/Marília

Isa Grispun Ferraz, cineasta

Ivan Seixas, presidente do Condepe - Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana

Ivo Rosset, empresário

Ivone Macedo Arantes, arquiteta

Ivy Farias,  jornalista

Izabel de Sena, professora universitária, Sarah Lawrence College, NY

Izaias Almada, escritor

Jacy Afonso de Melo, secretário de organização da CUT Nacional

Jane Argollo, coordenadora de Ponto de Cultura

Jessie Jane Vieira, historiadora, professora da UFRJ

Jesus Chediak, jornalista

João Antonio de Moraes, sindicalista, coordenador geral da FUP - Federação Única dos Petroleiros

João Antonio Felício, sindicalista, secretário de relações internacinais da CUT

João Carlos Martins, pianista e maestro

João Feres, cientista político

João Jorge Rodrigues dos Santos, advogado e presidente do Grupo Olodum

João Lopes de Melo

João Paulo Possa Terra, estudante de direito USP

João Pedro Stédile, presidente nacional do MST - Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra

João Quartim de Morais, cientista político, professor universitário Unicamp

Jorge Ferreira, empresário

Jorge Mautner, cantor e escritor

José Antonio Fernando Ferrari, antiquário

José Arrabal, professor, jornalista e escritor

José Carlos Asbeg, cineasta

José Carlos Henrique, arquiteto

José Carlos Tórtima, advogado

José Fernando Pinto da Costa, presidente do grupo educacional Uniesp

José Ibrahim, líder sindical

José Luiz Del Roio, escritor

José Marcelo, pastor batista

Josefhina Bacariça, educadora popular em Direitos Humanos

Julia Barreto, produtora cinematográfica

Julio Cesar Senra Barros, interlocutor social

Jun Nakabayashi, cientista político

Juvandia Moreira, sindicalista, presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região

Ladislau Dowbor, economista, professor universitário PUC/SP

Laio Correia Morais, estudante de direito USP

Laurindo Leal Filho, jornalista e sociólogo, professor universitário USP

Lauro Cesar Muniz, dramaturgo

Levi Bucalem Ferrari, escritor e professor de ciências políticas

Lia Ribeiro, jornalista

Lincoln Secco, historiador, professor universitário USP

Lorena Moroni Girão Barroso, servidora pública federal

Lucas Yanagizawa Paes de Almeida Nogueira Pinto, estudante de psicologia

Lucy Barreto, produtora cinematográfica

Luiz Carlos Bresser Pereira, economista, professor FGV

Luiz Edgard Cartaxo de Arruda Junior, memorialista

Luiz Fenelon P. Barbosa, economista

Luiz Fernando Lobo, artista

Luiz Gonzaga Belluzzo, economista, professor universitário Unicamp

Luiz Pinguelli Rosa, professor da UFRJ

Maia Aguilera Franklin de Matos, estudante de direito USP

Maira Machado Frota Pinheiro, estudante de direito/USP

Malu Alves Ferreira, jornalista

Manoel Cyrillo de Oliveira Netto, publicitário

Marcelo Carvalho Ferraz, arquiteto

Marcelo Santiago, cineasta

Marcílio de Freitas, professor da UFAM

Márcio Souza, escritor

Marcionila Fernandes, professora, pró-reitora de pós-graduação e pesquisa da UEPB

Marco Albertim, jornalista

Marco Antonio Marques da Silva, desembargador

Marco Aurélio Belém Purini, estudante de direito USP

Marco Aurélio de Carvalho, advogado

Marco Piva, jornalista e empresário da área de comunicações

Marcos José de Oliveira Lima Filho, doutorando em Direito da UFPB

Marcus Robson Nascimento Costa

Maria Carmelita A. C. de Gusmão, professora

Maria das Dores Nascimento, advogada

Maria do Socorro Diogenes, professora

Maria Guadalupe Garcia, socióloga

Maria Izabel Calil Stamato, psicóloga, Universidade Católica de Santos

Maria José Silveira, escritora

Maria Luiza de Carvalho, aposentada

Maria Luiza Quaresma Tonelli, professora e advogada

Maria Victoria Benevides, socióloga, professora universitária USP

Mariano de Siqueira Neto, desembargador aposentado

Marilene Correa da Silva Freitas, professora da UFAM

Marília Cintra Labaki, secretária

Marília Guimarães, escritora, Comitê Internacional de intelectuais e artistas em defesa da humanidade

Mário Cordeiro de Carvalho Junior, professor da FAF/UERJ

Marlene Alves, professora, reitora da UEPB

Marly Zavar, coreógrafa

Marta Nehring, cineasta

Marta Rubia de Rezende, economista

Martha Alencar, cineasta

Maryse Farhi, economista, professora universitária

Matheus Toledo Ribas, estudante de direito USP

Michel Chebel Labaki Jr.

Michel Haradom, empresário, presidente da FERSOL

Mirian Duailibe, empresária e educadora

Ney de Mello Almada, desembargador  aposentado

Nilson Rodrigues, produtor cultural

Noeli Tejera Lisbôa, jornalista

Oscar Niemeyer, arquiteto

Otavio Augusto Oliveira de Moraes, estudante de economia PUC/SP

Otávio Facuri Sanches de Paiva, estudante de direito USP

Pablo Gentili, educador, professor universitário UERJ, FLACSO

Paula Barreto, produtora cinematográfica

Paulo Baccarin, procurador da Câmara Municipal de São Paulo

Paulo Betti, ator

Paulo Roberto Feldmann, professor universitário, USP, presidente da Sabra Consultores

Paulo Thiago, cineasta

Pedro Gabriel Lopes, estudante de direito USP

Pedro Igor Mantoan, estudante de direito USP

Pedro Rogério Moreira, jornalista

Pedro Viana Martinez, estudante de direito USP

Raul de Carvalho, pesquisador

Regina Novaes, socióloga/RJ

Regina Orsi, historiadora

Renato Afonso Gonçalves, advogado

Renato Tapajós, cineasta

René Louis de Carvalho, professor universitário UFRJ

Ricardo Gebrim, advogado

Ricardo Kotscho, jornalista

Ricardo Miranda, cineasta

Ricardo Musse, filósofo, professor USP

Ricardo Vilas, músico

Ricardo Zarattini Filho, engenheiro

Risomar Fassanaro, poetisa e jornalista

Roberto Gervitz, cineasta

Rodrigo Frateschi, advogado

Ronaldo Cramer, professor de direito PUC/RJ

Rose Nogueira, jornalista

Rubens Leão Rego, professor Unicamp

Sandra Magalhães, produtora cultural

Sebastião Velasco e Cruz, cientista político, professor universitário Unicamp

Sérgio  Ferreira, médico

Sergio Amadeu da Silveira, sociólogo e professor da UFABC

Sergio Caldieri, jornalista

Sérgio Mamberti, ator

Sergio Mileto, empresário, presidente da Alampyme - Associação Latino Americana de Pequenos Empresários

Sérgio Muniz, cineasta

Sérgio Nobre, sindicalista, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC

Sérgio Ricardo, cantor

Sérgio Vampre, advogado

Silvio Da Rin, cineasta

Tatiana Tiemi Akashi, estudante de direito USP

Teresinha Reis Pinto, biomédica e pedagoga Consultora UNESCO

Tereza Trautman, cineasta

Theotônio dos Santos, economista

Tizuka Yamasaki, cineasta

Tullo Vigevani, professor Unesp/Marília

Urariano Mota, escritor e jornalista

Vanderley Caixe - advgado.

Vagner Freitas de Moraes, sindicalista, presidente nacional da CUT - Central Única dos Trabalhadores

Valter Uzzo, advogado

Venicio Artur de Lima, jornalista e sociólogo

Vera Lúca Niemeyer

Vera Maria Chalmers, professora universitária Unicamp

Verônica Toste, professora universitária IESP/UERJ

Vitor Fernando Campos Leite, estudante de direito USP

Vitor Quarenta, estudante de direito Unesp/Franca

Vladimir Sacchetta, jornalista e produtor cultural

Wadih Damous, advogado/RJ

Walnice Nogueira Galvão, professora de literatura comparada USP

Walquikia Leão Rego, professora Unicamp

Zé de Abreu, ator

Cancion con todos

Salgo a caminar
Por la cintura cosmica del sur
Piso en la region
Mas vegetal del viento y de la luz
Siento al caminar
Toda la piel de america en mi piel
Y anda en mi sangre un rio
Que libera en mi voz su caudal.

Sol de alto peru
Rostro bolivia estaño y soledad
Un verde brasil
Besa mi chile cobre y mineral
Subo desde el sur
Hacia la entraña america y total
Pura raiz de un grito
Destinado a crecer y a estallar.

Todas las voces todas
Todas las manos todas
Toda la sangre puede
Ser cancion en el viento
Canta conmigo canta
Hermano americano
Libera tu esperanza
Con un grito en la voz