Páginas

pergunta:

"Até quando vamos ter que agüentar a apropriação da idéia de 'liberdade de imprensa', de 'liberdade de expressão', pelos proprietários da grande mídia mercantil – os Frias, os Marinhos, os Mesquitas, os Civitas -, que as definem como sua liberdade de dizer o que acham e de designar quem ocupa os espaços escritos, falados e vistos, para reproduzir o mesmo discurso, o pensamento único dos monopólios privados?"

Emir Sader

31.12.12

hoje, às 23h: Diogo Nogueira convida | TV Brasil

http://www.tvbrasil.ebc.com.br/

Diogo Nogueira convida

Sambista recebe cantores e instrumentistas em espetáculo gravado em Brasília

Diogo Nogueira comanda o show da virada na TV Brasil








Para começar o ano novo em grande estilo, a TV Brasil exibe na segunda-feira (31), às 23h, o especial Diogo Nogueira convida. Símbolo da nova geração de sambistas, Diogo Nogueira é anfitrião do espetáculo, gravado em 12 de dezembro na capital Federal, na comemoração do quinto ano da emissora pública, gerida pela Empresa Brasil de Comunicação (EBC).

No show, o cantor  interpreta sambas do seu repertório e recebe artistas consagrados da música popular brasileira, como Sandra de Sá, Zeca Baleiro, Paula Lima e Hamilton de Holanda.

Diogo Nogueira é também o apresentador do Samba na Gamboa, programa da TV Brasil já na quarta temporada. O programa mantém-se fiel à proposta de unir artistas consagrados e revelações em noites de muito samba e diversão.  O Samba na Gamboa vai ao ar toda terça-feira, às 22h.

http://tvbrasil.ebc.com.br/especiais-tv-brasil/episodio/diogo-nogueira-convida

30.12.12

Caxias do Sul: Água sobe três vezes mais do que a inflação

29/12/2012 | N° 11569

SEU BOLSO

Sartori reajusta água em 19,6%

Caxias do Sul – Um dia após reduzir em cinco centavos o preço da passagem de ônibus proposto pela Secretaria de Trânsito e pelo Conselho de Transportes, fixando-a em R$ 2,85, o prefeito José Ivo Sartori (PMDB) voltou a surpreender. Desta vez, porém, a decisão é polêmica.

Sartori publica neste fim de semana, no Pioneiro, o edital que reajusta a tarifa da água em 19,6% a partir de fevereiro. O consumidor perceberá o aumento no boleto com vencimento em março.

O reajuste é bem superior ao aplicado, por exemplo, ao ônibus, táxi e táxi-lotação e ao IPTU, todos na faixa de 6%, a inflação de 2012.

– Precisamos compensar a frustração financeira causada pelo cancelamento da taxa do Fundo Municipal da Água – justifica o secretário de Gestão e Finanças, Carlos Búrigo.

Em janeiro de 2012, o município começou a cobrar uma taxa para investimentos futuros, como a compra de áreas para construir represas. A previsão era arrecadar algo em torno de R$ 12 milhões por ano.

Porém, em abril o município foi obrigado pela Justiça a deixar de cobrá-la, o que só ocorreu, de fato, em novembro. Sem a taxa de investimentos futuros, a conta de água do caxiense sofreu redução média de 8% em novembro e dezembro, percentual mantido até que o reajuste vigore, em fevereiro.

– O reajuste de 19,6% inclui, além da inflação, um percentual suficiente para garantir a arrecadação desses R$ 12 milhões previstos no orçamento 2013 – acrescenta Edio Elói Frizzo, futuro diretor do Samae.

Frizzo pondera que investimentos relevantes para a cidade, como a construção do Sistema Marrecas, também justificam o aumento de quase 20%:

– Para colocar o Marrecas em funcionamento, precisaremos contratar cerca de 60 pessoas.

Além da operação, há dívidas da nova represa a serem pagas pelo Samae em 2013, como R$ 35 milhões do empréstimo tomado junto ao governo federal.

O orçamento da companhia para o próximo ano é de R$ 171 milhões.

http://www.clicrbs.com.br/pioneiro/rs/impressa/11,3995548,499,21094,impressa.html

29.12.12

Marciano Durán » DESECHANDO LO DESECHABLE

DESECHANDO LO DESECHABLE


Marciano Durán

2006 Enero



"Seguro que el destino se ha confabulado para complicarme la vida.

No consigo acomodar el cuerpo a los nuevos tiempos.

O por decirlo mejor: no consigo acomodar el cuerpo al “use y tire” ni al “compre y compre” ni al “desechable”.

Ya sé, tendría que ir a terapia o pedirle a algún siquiatra que me medicara.

Lo que me pasa es que no consigo andar por el mundo tirando cosas y cambiándolas por el modelo siguiente sólo porque a alguien se le ocurre agregarle una función o achicarlo un poco.

No hace tanto con mi mujer lavábamos los pañales de los gurises.

Los colgábamos en la cuerda junto a los chiripás; los planchábamos, los doblábamos y los preparábamos para que los volvieran a ensuciar.

Y ellos… nuestros nenes… apenas crecieron y tuvieron sus propios hijos se encargaron de tirar todo por la borda (incluyendo los pañales).

¡Se entregaron inescrupulosamente a los desechables!

Sí, ya sé… a nuestra generación siempre le costó tirar.

¡Ni los desechos nos resultaron muy desechables!

Y así anduvimos por las calles uruguayas guardando los mocos en el bolsillo y las grasas en los repasadores. Y nuestras hermanas y novias se las arreglaban como podían con algodones para enfrentar mes a mes su fertilidad.

¡Nooo! Yo no digo que eso era mejor.

Lo que digo es que en algún momento me distraje, me caí del mundo y ahora no sé por dónde se entra.

Lo más probable es que lo de ahora esté bien, eso no lo discuto.

Lo que pasa es que no consigo cambiar el equipo de música una vez por año, el celular cada tres meses o el monitor de la computadora todas las navidades.

¡Guardo los vasos desechables! ¡Lavo los guantes de látex que eran para usar una sola vez! ¡Apilo como un viejo ridículo las bandejitas de espuma plast de los pollos! ¡Los cubiertos de plástico conviven con los de alpaca en el cajón de los cubiertos!

Es que vengo de un tiempo en que las cosas se compraban para toda la vida.

¡Es más! ¡Se compraban para la vida de los que venían después!

La gente heredaba relojes de pared, juegos de copas, fiambreras de tejido y hasta palanganas y escupideras de loza.

Y resulta que en nuestro no tan largo matrimonio, hemos tenido más cocinas que las que había en todo el barrio en mi infancia y hemos cambiado de heladera tres veces.

¡Nos están jodiendo!

¡¡Yo los descubrí… lo hacen adrede!!

Todo se rompe, se gasta, se oxida, se quiebra o se consume al poco tiempo para que tengamos que cambiarlo.

Nada se repara.

¿Dónde están los zapateros arreglando las medias suelas de las Nike?

¿Alguien ha visto a algún colchonero escardando sommier casa por casa?

¿Quién arregla los cuchillos eléctricos? ¿El afilador o el electricista?

¿Habrá teflón para los hojalateros o asientos de aviones para los talabarteros?

Todo se tira, todo se deshecha y mientras tanto producimos más y más basura.

El otro día leí que se produjo más basura en los últimos 40 años que en toda la historia de la humanidad.

El que tenga menos de 40 años no va a creer esto: ¡¡Cuando yo era niño por mi casa no pasaba el basurero!!

¡¡Lo juro!! ¡Y tengo menos de 50 años!

Todos los desechos eran orgánicos e iban a parar al gallinero, a los patos o a los conejos (y no estoy hablando del siglo XVII)

No existía el plástico ni el nylon.

La goma sólo la veíamos en las ruedas de los autos y las que no estaban rodando las quemábamos en San Juan.

Los pocos desechos que no se comían los animales, servían de abono o se quemaban.

De por ahí vengo yo.

Y no es que haya sido mejor.

Es que no es fácil para un pobre tipo al que educaron en el “guarde y guarde que alguna vez puede servir para algo” pasarse al “compre y tire que ya se viene el modelo nuevo”.

Mi cabeza no resiste tanto.

Ahora mis parientes y los hijos de mis amigos no sólo cambian de celular una vez por semana, sino que además cambian el número, la dirección electrónica y hasta la dirección real.

Y a mí me prepararon para vivir con el mismo número, la misma mujer, la misma casa y el mismo nombre (y vaya sí era un nombre como para cambiarlo)

Me educaron para guardar todo.

¡Toooodo!

Lo que servía y lo que no.

Porque algún día las cosas podían volver a servir.

Le dábamos crédito a todo.

Sí… ya sé, tuvimos un gran problema: nunca nos explicaron qué cosas nos podían servir y qué cosas no.

Y en el afán de guardar (porque éramos de hacer caso) guardamos hasta el ombligo de nuestro primer hijo, el diente del segundo, las carpetas de jardinera… y no sé cómo no guardamos la primera caquita.

¡¿Cómo quieren que entienda a esa gente que se desprende de su celular a los pocos meses de comprarlo?!

¿Será que cuando las cosas se consiguen fácilmente no se valoran y se vuelven desechables con la misma facilidad con que se consiguieron?

En casa teníamos un mueble con cuatro cajones.

El primer cajón era para los manteles y los repasadores, el segundo para los cubiertos y el tercero y el cuarto para todo lo que no fuera mantel ni cubierto.

Y guardábamos.

¡¡Cómo guardábamos!!

¡¡Tooooodo lo guardábamos!!

¡Guardábamos las chapitas de los refrescos!

¡¿Cómo para qué?!

Hacíamos limpia calzados para poner delante de la puerta para quitarnos el barro. Dobladas y enganchadas a una piola se convertían en cortinas para los bares.

Al terminar las clases le sacábamos el corcho, las martillábamos y las clavábamos en una tablita para hacer los instrumentos para la fiesta de fin de año de la escuela.

¡Tooodo guardábamos!

Las cosas que usábamos: mantillas de faroles, ruleros, ondulines y agujas de primus.

Y las cosas que nunca usaríamos.

Botones que perdían a sus camisas y carreteles que se quedaban sin hilo se iban amontonando en el tercer y en el cuarto cajón.

Partes de lapiceras que algún día podíamos volver a precisar.

Cañitos de plástico sin la tinta, cañitos de tinta sin el plástico, capuchones sin la lapicera, lapiceras sin el capuchón.

Encendedores sin gas o encendedores que perdían el resorte. Resortes que perdían a su encendedor. Cuando el mundo se exprimía el cerebro para inventar encendedores que se tiraran al terminar su ciclo, los uruguayos inventábamos la recarga de los encendedores descartables.

Y las Gillette -hasta partidas a la mitad- se convertían en sacapuntas por todo el ciclo escolar. Y nuestros cajones guardaban las llavecitas de las latas de paté o del corned beef, por las dudas que alguna lata viniera sin su llave.

¡Y las pilas!

Las pilas de las primeras Spica pasaban del congelador al techo de la casa.

Porque no sabíamos bien si había que darles calor o frío para que vivieran un poco más.

No nos resignábamos a que se terminara su vida útil, no podíamos creer que algo viviera menos que un jazmín.

Las cosas no eran desechables… eran guardables.

¡¡Los diarios!! Servían para todo: para hacer plantillas para las botas de goma, para poner en el piso los días de lluvia y por sobre todas las cosas para envolver. ¡Las veces que nos enterábamos de algún resultado leyendo el diario pegado al cuadril!

Y guardábamos el papel plateado de los chocolates y de los cigarros para hacer guías de pinitos de navidad y las páginas del almanaque del Banco de Seguros para hacer cuadros, y los cuentagotas de los remedios por si algún remedio no traía el cuentagotas y los fósforos usados porque podíamos prender una hornalla de la Volcán desde la otra que estaba prendida y las cajas de zapatos que se convirtieron en los primeros álbumes de fotos.

Y las cajas de cigarros Richmond se volvían cinturones y posamates, y los frasquitos de las inyecciones con tapitas de goma se amontonaban vaya a saber con qué intención, y los mazos de cartas se reutilizaban aunque faltara alguna, con la inscripción a mano en una sota de espada que decía “éste es un 4 de bastos”.

Los cajones guardaban pedazos izquierdos de palillos de ropa y el ganchito de metal.

Al tiempo albergaban sólo pedazos derechos que esperaban a su otra mitad para convertirse otra vez en un palillo.

Yo sé lo que nos pasaba: nos costaba mucho declarar la muerte de nuestros objetos.

Así como hoy las nuevas generaciones deciden “matarlos” apenas aparentan dejar de servir, aquellos tiempos eran de no declarar muerto a nada… ni a Walt Disney.

Y cuando nos vendieron helados en copitas cuya tapa se convertía en base y nos dijeron “Tómese el helado y después tire la copita”, nosotros dijimos que sí, pero… ¡minga que la íbamos a tirar! Las pusimos a vivir en el estante de los vasos y de las copas.

Las latas de arvejas y de duraznos se volvieron macetas y hasta teléfonos.

Las primeras botellas de plástico -las de suero y las de Agua Jane- se transformaron en adornos de dudosa belleza.

Las hueveras se convirtieron en depósitos de acuarelas, las tapas de bollones en ceniceros, las primeras latas de cerveza en portalápices y los corchos esperaron encontrarse con una botella.

Y me muerdo para no hacer un paralelo entre los valores que se desechan y los que preservábamos.

No lo voy a hacer.

Me muero por decir que hoy no sólo los electrodomésticos son desechables; que también el matrimonio y hasta la amistad es descartable.

Pero no cometeré la imprudencia de comparar objetos con personas.

Me muerdo para no hablar de la identidad que se va perdiendo, de la memoria colectiva que se va tirando, del pasado efímero.

No lo voy a hacer.

No voy a mezclar los temas, no voy a decir que a lo perenne lo han vuelto caduco y a lo caduco lo hicieron perenne.

No voy a decir que a los ancianos se les declara la muerte apenas empiezan a fallar en sus funciones, que los cónyuges se cambian por modelos más nuevos, que a las personas que les falta alguna función se les discrimina o que valoran más a los lindos, con brillo y glamour.

Esto sólo es una crónica que habla de pañales y de celulares.

De lo contrario, si mezcláramos las cosas, tendría que plantearme seriamente entregar a la bruja como parte de pago de una señora con menos kilómetros y alguna función nueva.

Pero yo soy lento para transitar este mundo de la reposición y corro el riesgo que la bruja me gane de mano … y sea yo el entregado.

Y yo…no me entrego."

Marciano Durán

2006 Enero

Fonte: http://www.marcianoduran.com.uy/?p=176

Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=GC3If_C1c50

Jon Sobrino

28.12.12

Stedile: Mídia e judiciário agora reprimem no campo « Viomundo – O que você não vê na mídia

Stedile: Mídia e judiciário agora reprimem no campo

publicado em 18 de dezembro de 2012 às 12:45

"AGORA QUEM DOMINA O CAMPO É O CAPITAL MODERNO, ESTRANGEIRO, AS CORPORAÇÕES, OS BANCOS. AS FORMAS DE REPRESSÃO MUDARAM. AGORA ELES REPRIMEM PELA IMPRENSA E PELO PODER JUDICIÁRIO."

do Jornal dos Economistas, via Sec Geral do MST

João Pedro Stedile é fundador e um dos principais integrantes da direção nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Formou-se em Economia pela PuC-RS e tem pós-graduação pela universidade Nacional Autônoma do México (uNAM). Na década de 1970, militou ativamente na Comissão Pastoral da Terra até a fundação do MST, em 1979, em plena ditadura militar. Na entrevista, Stedile critica o agronegócio, explica o modelo agrário que o MST propõe para o país e denuncia a criminalização do movimento dos sem terra pela mídia.

P: Os defensores do agronegócio brasileiro exaltam a produtividade do setor e o impacto positivo na balança comercial e nos preços internos de alimentos. Como você avalia o modelo agrário predominante no Brasil e que consequência ele acarreta para a sociedade brasileira?

R: O agronegócio é o modelo de produção agrícola dominado pela atual fase do capitalismo internacional.

Ou seja, é a forma do capital financeiro e das empresas transnacionais dominarem nossos recursos naturais, a terra, a água, as sementes, e imporem a produção apenas das mercadorias agrícolas que interessam ao mercado mundial.

Hoje, 85% da produção agrícola brasileira é dominada por 20 mil fazendeiros e 50 empresas. E 80% de todas as terras e recursos naturais se dedicam a produzir apenas soja, milho, cana e gado bovino. Na prática, é a plantation moderna, é a recolonização de nossa economia agrária pelos interesses estrangeiros.

Dá lucro para alguns, mas é uma afronta aos interesses nacionais e é um desperdício para a sociedade, que perde a utilização de todo nosso potencial econômico agrícola que poderia ser utilizado para resolver nossos problemas sociais. Por isso, a sociedade brasileira continua cada vez mais desigual e injusta.

P: Alguns economistas e outros pensadores dizem que o momento da reforma agrária no país era nos anos 1960 e, portanto, já teria passado. Por que o Brasil deve fazer um reforma agrária? Que benefícios essa reforma traria para a sociedade brasileira como um todo?

R: A reforma agrária proposta na década de 60 era a reforma agrária clássica, o que significa distribuir terras para formar uma base social de campesinato vinculado e subordinado ao capitalismo industrial. Como a atual fase do capitalismo não é mais industrial, perdeu-se a necessidade do capital e de sua classe de fazerem a reforma agrária, como aconteceu na maioria dos países do hemisfério norte.

Na prática, naquela época, houve uma aliança da burguesia industrial com o campesinato contra a oligarquia rural, para desenvolver o mercado interno industrial. Essa era a proposta do Celso Furtado aqui no Brasil na década de 60. Fomos derrotados. E aquele tipo de reforma agrária perdeu o sentido não porque os camponeses não precisam mais de terra, mas porque a classe dominante agora tem outros interesses e o centro de acumulação de capital está no capital financeiro e nas corporações internacionais, que acumulam e ganham dinheiro controlando o mercado mundial e especulando com o oligopólio dos preços das mercadorias agrícolas.

P: Que modelo agrário o MST propõe para o Brasil? O grande negócio pode conviver com a pequena propriedade ou deve desaparecer?

R: Nós, do MST e da Via Campesina Mundial, defendemos outro modelo de produção agrícola, que em alguns lugares é chamado de via campesina, agricultura familiar, e nós do MST chamamos de reforma agrária popular. Isso significa que você precisa reorganizar não só a propriedade da terra, democratizando-a, mas também reorganizar a produção agrícola, priorizando a produção de alimentos, e não apenas de commodities.

Priorizando a produção de alimentos sadios e, portanto, adotando uma matriz tecnológica baseada na agroecologia, sem uso de agrotóxicos e respeitando o equilíbrio com o meio ambiente. Democratizando a instalação de pequenas e médias agroindústrias na forma de cooperativas, e democratizando também a educação no meio rural, além de defender os hábitos alimentares adequados ao bioma e ao meio ambiente em que as populações vivem.

P: É correta a percepção de que a discussão da reforma agrária saiu da pauta nacional? Como você avalia o apoio da opinião pública à reforma agrária?

R: Claro que saiu da pauta nacional. Porque a burguesia subordinada aos interesses do capital estrangeiro e financeiro, que controla os meios de comunicação social do país, não tem interesse em divulgar a luta dos camponeses. A luta por um novo modelo. Porque agora a luta pela reforma agrária não é apenas uma luta contra a oligarquia rural.

É uma luta de classe contra o capital estrangeiro, suas empresas internacionais e contra o capital financeiro. Então eles escondem essa luta para não evidenciá-la ou potencializá-la. Não existe opinião pública como posição de classe, o que existe no Brasil, como diz meu amigo Fernando Morais, é a opinião "publicada". E a opinião publicada neste momento é a posição hegemônica das classes dominantes brasileiras.

P: Nos governos Lula e Dilma, houve avanços na concessão de benefícios e melhorias para os pequenos agricultores engajados com o MST e outras organizações que lutam pela reforma agrária? Essas benesses contribuíram para o arrefecimento da militância pela causa?

R: Os governos Lula e Dilma são governos de composição de classe. Não são governos de esquerda ou populares, como eles mesmos reconhecem. Ou seja, são governos que expressam uma frente política de classes. E que se sustentam majoritariamente com amplo apoio da população, porque dentro deles estão representadas todas as classes.

Diante dessa natureza, as políticas públicas se concentram sempre em dar concessões a esses ou aqueles interesses de classe. Sem, no entanto, representar derrotas para as classes. Então, o governo aplicou políticas públicas que favorecem o agronegócio, o etanol e as corporações internacionais, mas também tem políticas públicas que interessam ao campesinato pobre, aos agricultores familiares etc. Eu destacaria que as principais políticas públicas que interessaram nesse momento aos pequenos agricultores foram o fortalecimento da Conab e, para as compras de alimentos, a determinação de que 30% da merenda escolar seja de origem da agricultura familiar.

P: Na prática, e tendo em vista as correlações políticas concretas, o que o governo federal poderia fazer hoje em prol da causa do MST?

R: O MST não foi beneficiado por nenhuma política do governo Lula e Dilma, porque a nossa demanda de uma reforma agrária popular exige mudanças estruturais, que esse tipo de governo de composição não tem condições políticas de realizar. Precisamos ter claro que nossas bandeiras somente se realizarão quando houver uma nova correlação de forças na sociedade, determinada pela reascensão do movimento de massas e, sobretudo, por uma nova postura da classe trabalhadora urbana como um todo.

A reforma agrária e as mudanças que defendemos para a agricultura brasileira dependem de um projeto popular de país, que somente uma grande aliança da classe trabalhadora urbana pode viabilizar. Portanto, a reforma agrária popular hoje depende fundamentalmente de toda classe trabalhadora e não apenas das lutas específicas do MST. Por isso que, por mais que lutemos, como MST, ainda é insuficiente. Porque agora dependemos da força de toda classe para enfrentar a enorme força do capital estrangeiro e dos fazendeiros a ele vinculados.

P: A violência no campo aumentou ou diminuiu nos últimos anos? A pistolagem dos latifundiários continua a agir livremente ou é reprimida pelas polícias?

R: A violência física de torturas e assassinatos diminuiu. Isso é decorrência não de um movimento de maior democratização da sociedade. É que mudou a classe dominante no campo. Quem praticava a violência física para impor sua vontade política era o latifúndio atrasado.

Agora quem domina o campo é o capital moderno, estrangeiro, as corporações, os bancos. Portanto, agora as formas de repressão mudaram. Agora eles reprimem pela imprensa e pelo poder judiciário, criminalizando toda luta social, fazendo campanha permanente de que os lutadores sociais são atrasados etc.

P: Do ponto de vista ecológico, por que a pequena propriedade é melhor do que o latifúndio?

R: O agronegócio é destruidor do meio ambiente. Ele só consegue produzir na base da monocultura e a monocultura é a destruição da biodiversidade da natureza, e isso é o que provoca desequilíbrio do meio ambiente e alterações climáticas. Pois eles querem apenas soja, milho, pasto. E todas as demais formas de vida são destruídas. Usam de forma intensiva os venenos, que matam.

Matam os seres vivos e matam as pessoas. A única forma de produzir alimentos de forma saudável é pela agroecologia, que usa novas técnicas e muita mão de obra. E isso o agronegócio não tem e não quer. Por isso, no futuro, toda a agricultura moderna será feita com base em agroecologia e com pequenos agricultores. Podem anotar.

P: A mídia atribui ao MST práticas de ação violentas. Como você responde a essas acusações?

R: Foi o que respondi antes. A mídia hoje é o tribunal inquisitório moderno. Eles julgam e condenam, sem direito a defesa, todos os que lutam na sociedade brasileira. Por isso, qualquer luta social será estigmatizada por eles como violenta, terrorista etc. É o papel deles. Mas, no futuro, algum dia a sociedade brasileira terá uma imprensa controlada por mecanismos democráticos, e não apenas como fonte de lucro e manipulação ideológica.

No caso da mídia brasileira, ela é hoje também o principal partido ideológico da direita e da classe dominante. Uma pena que os partidos de esquerda não se deram conta, ainda, de que esse é o principal inimigo ideológico de classe. Vejam as dificuldades que temos de seguir construindo meios de comunicação populares. Infelizmente, a esquerda e suas organizações não dão o peso necessário e seguem iludidas assinando os jornais, revistas e assistindo à televisão deles.

P: Como você avalia as experiências da reforma agrária na América Latina? Que países apresentam os melhores modelos agrários e quais são os piores?

R: Toda a América Latina, com exceção de Cuba, está enfrentando o mesmo problema que estamos enfrentando no Brasil. A luta política, econômica e ideológica contra o agronegócio. E lutando para tentar construir um modelo alternativo. Mesmo onde temos governos mais de esquerda, eles ainda não conseguiram derrotar o poder do capital no campo, para poder construir um novo modelo de agricultura.

Estamos em plena luta de classes no campo, em todo continente. A nossa sorte é que a natureza e a saúde pública estão do nosso lado. Pois o modelo do capital altera o clima, destrói a natureza, a biodiversidade e gera câncer e outras enfermidades com seus alimentos contaminados. E isso vai provocar um nível de consciência maior da sociedade urbana, em defesa de um novo modelo de agricultura.

P: Quais são as perspectivas do MST para os próximos anos?

R: Estamos em plena preparação de nosso congresso nacional que se realizará em 2013. Estamos fazendo um amplo balanço em nossas bases. Mas, como disse antes, as perspectivas do MST não dependem mais dele, mas de como se comportará a classe trabalhadora brasileira. E por isso precisamos que num próximo período histórico haja uma mobilização do movimento de massa, um novo ciclo de debates da necessidade de um projeto nacional, mas agora defendido pelas classes populares, para podermos juntos enfrentar os inimigos comuns, que hoje são o capital financeiro, as corporações transnacionais e os grandes grupos capitalistas brasileiros a eles subordinados. E tenho certeza de que, em algum momento do futuro da nossa história, criaremos essas condições de enfrentamento e de vitória do povo brasileiro.


http://www.viomundo.com.br/falatorio/stedile-midia-e-judiciario-agora-reprimem-no-campo.html

Tarso Genro: Judiciário é o caminho da direita para “escapar” da política « Viomundo – O que você não vê na mídia

Tarso Genro: Judiciário é o caminho da direita para "escapar" da política

publicado em 26 de dezembro de 2012 às 10:43

Política| 23/12/2012 | Copyleft

Alfred Döblin faz lembrar nosso glorioso PT e outros tantos anos novos

O fim da miséria, que já está no horizonte, é impulso para exigências mais complexas e isso exige um partido capaz de reestruturar a democracia brasileira, com mais democracia, mais participação e transparência e mais combate às desigualdades. Se o nome "refundação" ainda fere, por equívoco, ouvidos mais sensíveis, falemos em renovação de fundo e de forma. Não para fugir das nossas raízes, mas para ancorá-las no presente das novas classes trabalhadoras, das novas classes médias, das novas formas de produzir e distribuir riqueza. O artigo é de Tarso Genro.

Tarso Genro (*), na Carta Maior

Na introdução ao seu "Berlim Alexanderplatz" (1929) o grande escritor Alfred Döblin, da mesma estatura intelectual — artística e moral — de Thomas Mann, disse que escrevia um livro sobre o personagem Franz Biberkopf, que representava os que habitam uma pele humana e com os quais acontece "querer mais da vida do que pão e manteiga".

Lembro esta passagem lapidar da introdução de Döblin, porque sendo parte do grupo de dirigentes históricos minoritários no PT — desde a época que ocorreram os fatos que originaram a Ação Penal 470 — e tendo assumido a presidência do Partido num momento difícil da sua existência afirmei, em diversas oportunidades, que nenhum partido era uma comunidade de anjos. O que era afirmar o óbvio num momento em que dizer o óbvio parecia uma agressividade contra o meu próprio Partido.

Passados vários anos daquele fato e quase terminado o julgamento daquela Ação Penal, é bom retomar o fio da história presente para refletir, no período que se convenciona planejar o "ano novo", sobre o futuro da esquerda e do PT. Pensar também sobre o futuro do nosso país, que nos últimos dez anos vem sofrendo grandes transformações econômico-sociais.

Brasil novo sujeito político no cenário mundial; Brasil tirando da miséria 40 milhões de pessoas; Brasil com os sindicalistas, os "sem-terra", "sem teto", "sem emprego", sentados na grande mesa da concertação e da democracia; Brasil do Prouni, do Fundeb, da reestruturação das funções públicas do Estado; Brasil do baixo desemprego, inflação baixa e juros baixos; Brasil da nova Política de Defesa; Brasil da classe média ampliada e de melhores salários no setor público e privado; Brasil da Polícia Federal que age — em regra — segundo a Lei e a Constituição.

Brasil em que todas as instituições do Estado cometem seus erros e acertos dentro das regras do jogo constitucional.

É ingenuidade perguntar qual o Brasil que transita no debate político: este, descrito acima, ou o Brasil da Ação Penal 470? Ou melhor, porque o Brasil que se debate é predominantemente o da Ação Penal 470 e não o Brasil legado, até agora, pelo centro progressista e pela esquerda, sob a hegemonia do Partido dos Trabalhadores? Quem compôs esta agenda e por que ela é agenda hegemônica? As respostas a estas perguntas serão a base da compreensão dos partidos sobre o que ocorrerá bem além de 2018.

Aponto dois motivos básicos, que são fortes para manter a Ação Penal 470 — e a manterão por muito tempo — como o centro de todas as estratégias políticas da direita, em geral, e da oposição midiática, em particular. O primeiro motivo é que, através da judicialização do processo político, poder-se-á criar a ilusão que é possível escrever um novo Brasil — mais decente e mais democrático — por fora da política, logo, principalmente através de decisões do Poder Judiciário, que é pouco influenciável pelos movimentos sociais populares e muito influenciável pela "opinião pública" da mídia conservadora.

O segundo motivo, ligado ao primeiro, é que este "deslocamento" da luta política para o âmbito do Judiciário poderá funcionar como uma alternativa à hegemonia do PT e da esquerda no âmbito eleitoral, já que a oposição conservadora, que sucateou o Brasil quando esteve no poder (representada pelo demo-tucanato) não ofereceu, até agora, nenhuma esperança de poder nos próximos anos. Assim, o Poder Judiciário, erigido — como está sendo proposto — à condição de grande menestrel da moral pública e da ética política, poderá transformar-se no centro político da vida política nacional, esvaziando a luta ideológica, programática e política, entre os partidos, nos movimentos e no Parlamento.

É construída, desta forma, a substituição dos Partidos, do Parlamento e dos movimentos sociais, pelo Poder Judiciário, através deste processo de "judicialização da política". Sobre esta judicialização, o voto popular não pode exercer nenhuma influência direta ou visível, pois sobre o Poder Judiciário os jogos de influência são absolutamente restritos, totalmente elitizados e manipuláveis por poucos grupos sociais, o que, aliás, é normal em todas as democracias do mundo, como sempre analisava e reconhecia o mestre Norberto Bobbio.

Assim, a Ação Penal 470 continuará sendo — se o Parlamento e os Partidos não reagirem com reformas sérias que deem mais dignidade ao fazer político democrático — o centro do debate pautado pela mídia e pela direita anti-Lula. A oposição partidária não conseguiu — ao longo destes oito anos — configurar um projeto alternativo convincente em torno da hegemonia do capital financeiro, pois os interesses empresariais que lhes davam sustentação plena — tanto locais como internacionais — não estão mais unificados pela pauta neoliberal.

O surto de crescimento e desenvolvimento das forças produtivas no país, durante os governos Lula, e a crise aguda do modelo neoliberal na Europa, que prosseguiram com o governo da Presidenta Dilma, abalaram esta unidade.

A unidade foi possível até a situação de crise que levou o país ao Plano Real, cujo resultado no desenvolvimento econômico, foi marcar regras mais claras para que os agentes econômicos pudessem planejar o futuro em torno de uma moeda estável, também retirando do Estado as condições de manipular o seu planejamento financeiro, utilizando a inflação. Como o PT e a esquerda foram protagonistas essenciais do período pós-real, no qual ocorreram formidáveis mudanças sociais e econômicas, é natural que tanto o Partido como os seus dirigentes sejam alvos de uma forte tentativa de neutralização dos seus méritos, através da exacerbação de seus defeitos ou limitações.

Mas estes, como se sabe, não são somente originários de condutas individuais estimuladas pelo sistema político atual e pela história pouco republicana do Estado brasileiro, mas também fazem parte, em maior ou menor grau, das "regras do jogo" de qualquer democracia. Refiro-me, aqui, às condutas que são formas não transparentes de promoção de políticas de estado, não aos delitos que sejam cometidos em qualquer época. Estes, os delitos, são normalmente de conta de Poder Judiciário, mas é costumeiramente depois do seu julgamento que passam a integrar, com maior ou menor intensidade, os debates eleitorais e as críticas que os partidos assacam, uns contra os outros, para ressaltar a sua própria autenticidade.

Os partidos democráticos e republicanos, independentemente da sua ideologia específica, devem compartilhar da luta para reduzir ao máximo estes aspectos perversos de qualquer democracia, sem criar a ilusão cínica que um processo judicial — seja ele qual for e contra quem for — terá a capacidade de iniciar uma "era de fim da impunidade". Criar a ilusão de que iniciaremos, com qualquer processo judicial, uma era de "fim da impunidade", é criar condições políticas para que, se a oposição atual chegar ao poder, por exemplo, ela não seja punida pelos seus erros e delitos, porque a Ação Penal 470, afinal, já fez "a limpeza necessária no país", o que é uma supina fraude informativa.

Vou mencionar dois fatos midiáticos típicos, que simbolizam todo um período de luta política no país, que certamente serão arrolados aos milhares em teses acadêmicas futuramente apresentadas a bancas especializadas, o que ocorrerá certamente nos próximos dez anos. O primeiro, apoia-se numa entrevista concedida pelo meu especial amigo, ministro Ayres Britto — diga-se de passagem, ministro honrado e qualificado intelectualmente — que diz (Zero Hora 23.12.12 pg. 8): "O que estamos aqui julgando é um modo espúrio, delituoso, de fazer política. A política é mais importante atividade humana no plano coletivo."

A afirmativa constante nas declarações do ministro Britto, que sintetiza muito bem a posição do Supremo na Ação Penal 470, elege um ponto de partida perigoso para orientar julgamentos numa Corte Suprema que é sim, também, uma Corte política.

É uma Corte, porém, que não tem poderes para julgar "o modo de fazer política", logo a própria política — que é feita de diferentes modos em distintos contextos históricos — e que é uma "atividade humana coletiva", como bem diz o ministro Ayres Britto. Os poderes que são dados ao Supremo pela Constituição, em processos criminais, são para julgar comportamentos devidamente individualizados pelo Ministério Público, como determina a Constituição.

Aceitar que o Supremo possa julgar a "política" é promover a possibilidade de incriminações em abstrato de toda uma comunidade partidária ou de governos, como é comum em regimes de força. A Suprema Corte é uma corte política, porque seus julgamentos têm, muitas vezes, largos efeitos políticos sobre vastos períodos históricos e porque, na análise e na aplicação das normas, sempre pendem coordenadas políticas e convicções ideológicas.

O Supremo não é uma Corte política porque seja o julgador da esfera da política, pois esse tipo de julgamento, no Estado Democrático de Direito, é prerrogativa do povo, em eleições periódicas. E do Parlamento em procedimentos regulados. A conveniência política, por exemplo, em liberar uma emenda parlamentar (destinada a promover um investimento público numa região do país) visando uma votação da Câmara Federal, é uma política encravada na formação da nossa República. É hábito (negativo) do nosso sistema político, mas não constitui qualquer delito, se a liberação for feita dentro das regras vigentes. Fisiologismo parlamentar não é da órbita do Supremo: isso é política, em sentido negativo, é má política; mas é política, usada por todos os governantes para governar dentro da democracia.

Isso só pode ser desmontado por uma reforma política, não por decisões judiciais.

O Ministro afirmou, portanto, que "estamos julgando um modo de fazer política", o que implica em dizer que os fatos eventualmente delituosos passam pelo juízo preliminar sobre o "modo de fazer política". Isso é um rotundo equívoco. Quem julga o "modo de fazer política" é o parlamento e o povo: o parlamento em procedimentos regrados pela Constituição e pelo Regimento Interno das Casas Legislativas e o povo em eleições periódicas. Ou seja, posicionar-se o Juiz, no caso concreto, sobre a "política que está sendo feita" — já tida pelo Magistrado como "espúria" e "delituosa" — é restringir a ampla defesa.

A partir daquela convicção, o exame do comportamento individualizado dos réus passa a ser secundário, pois eles são agentes "de um modo espúrio e delituoso" de proceder: criminosos previamente identificados.

Assim, o indivíduo, como réu, subsome-se na criminalização da política presumidamente feita pelo governo e não tem saída nem defesa. O julgamento passa a ser principalmente o julgamento de um "modo de fazer política", que tanto envolve os réus — integrantes do coletivo político considerado como espúrio e delituoso — como também todos os que estiveram ligados, direta ou indiretamente, às políticas de governo. Todos são culpados: inculpação em abstrato, que foi obrigada a buscar algum tipo de sentido na interpretação ampliada do "domínio funcional dos fatos", para tentar justificar racionalmente as condenações.

O adequado às funções de uma Corte Superior em julgamentos desta natureza é apanhar os fatos e atos (individualizados na denúncia do Ministério Público) e contrastá-los com as normas que regulam as funções dos agentes públicos. Este contraste é que possibilita a criminalização, ou não, das condutas políticas dos indivíduos, através do sistema de direito. Este é o sistema que dá ordem, materialidade e previsibilidade ao sistema político e que pode promover tanto julgamentos políticos nas esferas pertinentes, como consolidar juízos públicos sobre partidos e indivíduos, com influência nos processos eleitorais.

A partir deste percurso, da quantidade das pessoas envolvidas nos delitos, da gravidade das violações legais e dos efeitos destas, sobre as funções públicas do estado, é que uma política de governo, no seu conjunto, pode ser taxada como "espúria" e "delituosa" e daí julgada pela soberania popular.

O que se constata, em contradição com os fundamentos da sentença da Ação Penal 470, é que o "modo de fazer política" do governo Lula (que na verdade não estava formalmente em julgamento na ação referida) levou o Brasil a um formidável progresso social e econômico, a um avanço democrático extraordinário, a um prestígio internacional inédito, que coloca o cidadão comum na velha disjuntiva: é melhor ter um governo que tenha um modo "espúrio" e "delituoso" de fazer política, que nos consiga tudo isso, ou um governo inepto, mas sério, no qual nós continuamos na marginalidade histórica e social?

Como a disjuntiva promovida pela decisão do STF é falsa, o cidadão comum — que é o principal objeto da manipulação midiática em torno do julgamento — responde por instinto de classe e pelo princípio da aparência imediata ("de onde vêm estes ataques?"): "prefiro o Lula e agora a Dilma, pois alguém está certamente me enganando nesta história toda". E assim começam as pessoas a prestar atenção em quem serão os beneficiados pela eliminação da memória popular dos governos do Presidente Lula e do seu suposto modo de fazer política.

A razão histórica de caráter udenista do Supremo, julgando uma política "espúria" e não os réus, torna-se uma contribuição para uma razão cínica imediata, erguida sob premissas falsas ("prefiro" — pensa o povo — "quem rouba, mas faz"), mas a seguir se refaz como autoconsciência do protagonismo democrático do povo: "vamos reeleger a nossa Dilma, porque ela é uma boa continuadora do nosso Lula".

Uma oposição sem rumo e sem propostas recebeu de presente um processo de judicialização da política, feito dentro da ordem jurídica e política atual, compartilhado pelo esquerdismo travestido de UDN pós-moderna. Não tinha como aproveitar, pois estava envolvida demais com o fetichismo neoliberal, com suas divisões internas, com a sua ausência de compreensão do país e do seu povo.

O segundo fato, ao qual quero referir, merece menos reflexão, mas não é menos significativo. Num dia desses, às 7h34 da manhã, na Globo News, a simpática Cristiana Lobo anunciava o seguinte, literalmente: "A CPI do Cachoeira não termina, enquanto isso o bicheiro ganha liberdade". Atenção, a "culpa" do suposto delinquente ter saído da prisão não é decorrente de uma decisão do Poder Judiciário, que já estava condenando dirigentes petistas a pesadas penas, num processo altamente politizado. A culpa, sugere a notícia, foi da CPI, que é dirigida por um petista, que ainda não terminara certamente o seu trabalho "espúrio".

A culpa é, pois, da política e dos políticos, parece badalar o oposicionismo sem rumo.

Em todo este contexto, a Ação Penal 470, que poderia ser um grande marco de afirmação do Poder judiciário e de ressignificação da política em nosso país, tornou-se predominantemente uma arena de desgastes tentados contra Lula, a esquerda e o PT, como partido que lidera este formidável processo de mudanças no país: a judicialização da política despolitizou a oposição e empobreceu, ainda mais, nosso sistema político já falido.

É certo, porém, que esta ação penal não é apenas fracasso, o que poderá ser testado com os próximos processos que já estão em curso, que certamente não terão o mesmo interesse midiático que esta ação despertou. Mas ela incidiu largamente sobre o futuro do país e reorganizou a pauta dos partidos e da mídia: hoje a questão já é "o que faremos em 2018?" O "esquema" visivelmente não deu certo: Dilma, Lula e o PT, vão ganhar as eleições em 2014 pelo que já legaram ao país. Com isso, não estou dizendo que o Poder Judiciário entrou em algum esquema previamente concebido, mas que foi devidamente instrumentalizado e "aceitou" esta instrumentalização ora falida.

Trata-se, agora, nós da esquerda e do PT, de nos prepararmos para as próximas eleições de 2014 com Dilma, mas inaugurando uma nova estratégia. Descortinando — já a partir das próximas eleições presidenciais — os traços largos e os largos braços de um programa destinado a reestruturar a democracia brasileira, para mais democracia com participação cidadã, mais transparência com as novas tecnologias infodigitais, mais combate às desigualdades sociais e regionais. Sobretudo partindo da compreensão que todos "querem mais da vida do que pão e manteiga", como dizia Döblin do seu personagem.

O fim da miséria, que já está no horizonte, é impulso para exigências mais complexas por parte de todo o povo e isso exige, também, um partido dirigente que supere os velhos métodos de direção tradicionais, que normalmente são apenas reativos às conjunturas às vezes difíceis, que atravessam os seus líderes: um partido que trate o cotidiano como tal, mas pense no processo e na História. Pensar em 14 pensando em 18. Neste ano de 2018, independentemente da qualidade dos nossos governos, o sentimento de renovação já estará em pauta no Brasil, face às próprias transformações que engendramos nos quatro governos seguidos, que provavelmente já teremos protagonizado no país.

Pensar assim é tarefa do Partido, não é tarefa de governo. A menos que abdiquemos da nossa função de sujeito político e passemos a ser um escritório de explicações sobre o passado. Se o nome "refundação" ainda fere, por equívoco, ouvidos mais sensíveis, falemos em renovação de fundo e de forma. Não para fugir das nossas raízes, mas para ancorá-las no presente das novas classes trabalhadoras, das novas classes médias, das novas formas de produzir, prestar serviços e distribuir riqueza, dos novos mundos da economia criativa, das novas formas de produção da inteligência, dos novos estatutos de relacionamento global, das novas demandas que não são necessariamente de classe, mas ingredientes básicos de uma sociedade justa e, sobretudo, mais e mais feliz.

O nome disso é "novo socialismo" ou "nova social-democracia": isso quem decide não é o partido.



(*) Governador do Estado do Rio Grande do Sul

http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/tarso-genro-judiciario-e-o-caminho-da-direita-para-escapar-da-politica.html

26.12.12

Feliz Natal!

Natal 2012
 
                        Edília Santa Catarina Menin

Ha mais 2.000 anos
Numa gruta fria
Nascia o Salvador do mundo
Filho de José e Maria.
 
Jesus o Filho de Deus Pai
Foi obrigado a nascer na estrebaria
Porque para os pobres
Não tinha lugar na hospedaria.

O filho de carpinteiro
Mostrou ao mundo seu valor
Nem um rei foi igual a Ele
Ao revelar tanta humildade e amor.

Quantas pessoas hoje em dia
Morrem por não ter o que comer
Enquanto alguns com tanto dinheiro
Já não sabem o que fazer.

O Natal se transformou em comércio
Os valores estão sendo esquecidos
Celebrá-lo com a família reunida
Pra muitos já perdeu o sentido.

O Natal é um momento forte
Pra rever nossa missão
E reforçar nosso compromisso
Pra continuar com a Escola de Formação.

Quero dizer a você com carinho
Neste momento especial
Com as bençãos de Deus Menino
Te desejo Feliz Natal!

24.12.12

Navidad-2012-Año-Nuevo-2013

NATAL - NADAL - NAVIDAD 2012
de Pedro Casaldáliga (Pere Casáldaliga)

(clica na imagem para ampliar)

EL NACIMIENTO

EL NACIMIENTO

(NAVIDAD NUESTRA | Félix Luna - Ariel Ramírez)

Noche anunciada, noche de amor,
Dios ha nacido, pétalo y flor,
todo es silencio y serenidad,
paz a los hombres, es Navidad.

En el pesebre mi Redentor
es mensajero de paz y amor,
cuando sonríe se hace la luz
y en sus bracitos crece una cruz.

Ángeles canten sobre el portal,
Dios ha nacido, es Navidad.

Esta es la noche que prometió
Dios a los hombres y ya llegó,
es Nochebuena, no hay que dormir,
Dios ha nacido, Dios está aquí.
Vídeo:
https://www.youtube.com/watch?v=rXt6HJu9KA0


20.12.12

Polenta News: Presente de Natal de caxiense é aumento da passagem de ônibus

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Presente de Natal de caxiense é aumento da passagem de ônibus

Nada atinge mais o trabalhador do que o aumento da passagem de ônibus. Em Caxias isso é pior, pois aqui, quem trabalha em uma média ou grande empresa tem transporte próprio da empresa, os outros tem até vale transporte. Mas o trabalhador informal, o autônomo, aquele que ainda não está incluído na legislação de proteção ao trabalhador é o que mais sofre. Sofre, também, todos os que tem filhos na escola, que mesmo com a meia passagem, tem uma parte de seu orçamento ocupado pelo custo de transporte.

Já faz anos que a reunião do Conselho Municipal de Trânsito e Transporte, que quase sempre reune-se uma vez por ano apenas, acontece no final do ano, nas vésperas do Natal. Nesse ano não será diferente. A reunião do conselho estaria agendada para às 10 horas do dia 21 de dezembro, sexta feira, (1 hora depois do "fim do mundo" pelo calendário Maia).

Segundo a Secretaria Municipal de Trânsito os cálculos para no novo reajuste apontariam um aumento de 8,15% no valor da passagem. Com isso ela passaria dos atuais R$ 2,70 para R$ 2,92 (com o arrendodamento ela ficaria em R$ 2,90). Porém ninguém nunca consegue conferir esses "cálculos". Os conselheiros receberão a planilha no momento da reunião e terão alguns minutos para ler dezenas de páginas que são incompreensíveis a todos os presentes.

Durante todo o período do governo Sartori a passagem de ônibus foi reajusta em 68,75% (excluíndo o próximo reajuste). A inflação nesse mesmo período foi de 43,88%, ou seja, os reajustes concedidos ao transporte público superaram, em muito, os índices inflacionários. Sem falar que nesse período houve a renovação do contrato de prestação de serviço para a Visate.

Porém pode ser que a reunião do Conselho de Transportes possa ser puro jogo de cena. Por desconhecimento do processo de reajuste ou por fazer pouco caso mesmo, o colunista Marcio Serafim, na coluna Mirante de hoje, afirmou que o prefeito Sartori já teria se decidido pelo valor de R$ 2,85 que seria apenas o repasse da inflação (5,56%). Se acontecer do conselho aprovar um índice maior e o prefeito optar por um menor fica claro que já havia uma combinação para fazer um agrado falso. 

Mobilização contra o aumento

Uma mobilização, que começou pela internet há algumas horas, busca questionar esse novo aumento. O movimento tem uma página no Facebook (acesse aqui). Em 12 horas já havia 260 curtirs na página.

Além do aumento ainda há a perda de direito. A prefeitura questionou a constitucionalidade, e ganhou, da gratuitade para pessoas entre 60 e 65 anos. Ela foi mantida por decreta do prefeito, para evitar desgaste durante a eleição. Deveria ter sido feito um cadastro dos usuários nessa faixa etária, o que não foi feito.

Também tramita pela Câmara de Vereadores um projeto de emenda à Lei Orgânica (LO) do município que retira, da LO, o direito a meia passagem estudantil. Há muito tempo a Visate briga contra as gratuidades, e tem um bancada muito grande na próxima legislatura para aprovar as mudanças.

Os gargalos do transporte público de Caxias

O transporte público caxiense é caro e ineficiente. Isso os empresários de Caxias do Sul já sabem faz tempo. Tanto que para garantir que seus trabalhadores cheguem com comodidade e, principalmente, no horário, contratam serviços privados de transporte. A frota, privada, de ônibus é maior do que a frota da Visate. Isso contribuí para  que o valor da passagem seja mais caro.

Outro problema são os corredores de ônibus, que em horários de pico, ficam lotados diminuíndo a velocidade e causando demoras e atrasos. Isso só se resolve com ações como a proibição de conversões a direita em todas a quadras e a implantação da troncalização.

Somado a isso, a ampliação do serviço de táxi lotação que estava parada há meses terá a licitação cancelada. O processo de licitação foi tão mal feito pela prefeitura que gerou dezenas de pedidos de revisão que inviabilizaram, em definitivo, o processo todo. Os táxis lotação são elementos importantes para o transporte público, pois, além de prestarem um serviço diferenciado, cumprem itinerários que não são realizados pela Visate.

Enquanto não atacarmos esses gargalos não será o BRT, nem outra invenção de ocasião, que melhorará o transporte público de nossa cidade.

http://polentanews.blogspot.com.br/2012/12/presente-de-natal-de-caxiense-e-aumento.html

Polenta News: Polentinhas: Corlatti de diz decepcionado

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Polentinhas: Corlatti de diz decepcionado

“Decepção é o preço que se paga por não ser interesseiro,afinal esta é a forma de fazer política no Brasil." A frase acima foi escrita por Milton Corlatti, candidato a prefeito pelo DEM, ontem em seu perfil no Facebook. Ela é uma resposta ao ingresso do DEM na base aliado do governo Alceu.

Segundo Corlatti ele não participou das discussões, se é que houve, sobre o ingresso do partido na base aliada. Nas eleições de outubro Corlatti fez 3% dos votos e também desferiu fortes críticas ao governo Sartori. O presidente do DEM, Odir Ferronatto, foi exonerado do seu cargo na Festa da Uva, durante a campanha e a coligação de Alceu entrou com uma representação contra Corlatti que depois foi julgada como litigancia de má fé (veja aqui).

Parece, porém, que tudo isso ficou para trás. O DEM elegeu um vereador, Neri, o carteiro. Parece que a sede de poder fácil já contagiou o novo vereador, e fez com que a direção de seu partido relevasse o passado recente.


http://polentanews.blogspot.com.br/2012/12/polentinhas-corlatti-de-diz-decepcionado.html

Polenta News: Pombas aparecem mortas na praça. Um retrato da falta de gestão do município

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012


Pombas aparecem mortas na praça. Um retrato da falta de gestão do município

Mais de 50 pombas apareceram mortas na manhã de hoje na Praça Dante Alighieri. A suspeita é que elas teriam sido envenenadas por um farelo, de cor amarelo, que estava espalhado pela praça. Uma equipe da Secretaria de Meio Ambiente recolheu as pombas e amostras do farelo para análise.

O secretário do meio ambiente, Nestor Pistorello, afirmou que será feita uma análise dos pombos e da ração com urgência, para apurar o que aconteceu. "Primeiro vamos verificar a origem, depois veremos como proceder. É um crime ambiental, um dano a uma ave que não se admite".

Tudo muito protocolar.

Porém o problema é muito maior. O que aconteceu na praça Dante representa o total descontrole, na área ambiental, do poder público municipal. São duas a hipóteses: ou alguém misturou veneno a comida (já que há uma cidadã que alimenta os pombos todos os dias e eles já estariam acostumados), ou a ação de detetização, para eliminar os ratos da praça, e que como efeito colateral matou os pombos.

Em ambos os casos agentes venenosos estariam expostos e poderiam atingir a população e até outros animais que frequentam a praça. E não é só o caso das pombas. Tem ainda a poda desenfreada e sem critério das árvores pelas ruas da cidade. O corte, também sem aparente critério, de árvores. As inúmeras vezes que o Tega amanhece, das mais variadas cores, por conta do despejo de dejetos industriais (isso sem falar nos outros arroios que não vemos pois estão canalizados).
 
É necessária uma resposta urgente e contundente dos órgãos ambientais para que situações como essas não se repitam.

http://polentanews.blogspot.com.br/2012/12/pombas-aparecem-mortas-na-praca-um.html

18.12.12

Jurista afirma que cassação de mandatos pelo STF é inconstitucional | Jornal Correio do Brasil

Jurista afirma que cassação de mandatos pelo STF é inconstitucional


25/11/2012 14:28
Por Redação, com ABr - de Brasília


Jurista Dalmo Dallari explicou que a última palavra é do Parlamento

A fase de fixação de penas dos réus condenados durante o julgamento da Ação Penal 470, o processo do mensalão, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), está levando a uma discussão polêmica nos corredores da Câmara Federal sobre o futuro do mandato dos deputados considerados culpados.

A polêmica surgiu porque em julho, ao protocolar as alegações finais do processo no STF, o procurador-geral da república, Roberto Gurgel, disse que é “relevante a aplicação da pena de perda de cargo, função pública ou mandato eletivo” como um dos efeitos da decisão da Suprema Corte.

Para o jurista e professor da Universidade de São Paulo Dalmo Dallari, uma determinação do Supremo nesse sentido seria inconstitucional. “Se o Supremo fizesse isso, criaria um embaraço jurídico extremo”, avaliou. Dallari explicou à Agência Brasil que, nesse caso, o Supremo pode apenas comunicar ao Parlamento que entende que a condenação é caso de cassação de mandato. “A Constituição assegura que a última palavra é do Parlamento, qualquer decisão contrária a isso caberia recurso à Corte Interamericana de Direitos Humanos”, disse.

O Inciso VI do Artigo 55 da Constituição Federal, que fala da perda de mandato de deputado ou senador, disse que fica sem o mandado o parlamentar “que sofrer condenação criminal em sentença transitada em julgado”. Porém, o Parágrafo 2º do mesmo artigo diz que “a perda do mandato será decidida pela Câmara dos Deputados ou pelo Senado, por voto secreto e maioria absoluta, mediante provocação da respectiva Mesa ou de partido político representado no Congresso Nacional, assegurada ampla defesa”.

Três deputados federais, João Paulo Cunha (PT-SP), Pedro Henry (PP-MT) e Valdemar Costa Neto ( PR-SP), foram condenados pelo STF, mas ainda aguardam a definição das penas. Na Câmara, a polêmica também envolve o ex-presidente do PT, José Genoíno (SP). Como suplente, o petista deve assumir em janeiro a vaga do deputado Carlinhos Almeida ( PT-SP), que foi eleito prefeito de São José dos Campos. Genoíno já teve a pena fixada em sete anos e 11 meses de prisão por corrupção ativa e formação de quadrilha. Segundo a assessoria da Secretaria-Geral da Mesa da Câmara dos Deputados, até hoje a Casa não teve nenhum caso de perda de mandato por motivo de sentença transitada em julgado.

Depois que o Supremo concluir o julgamento e comunicar a decisão à Câmara, o processo que pode levar à cassação desses deputados deve ser longo. Primeiro, o presidente da Casa, deputado Marco Maia ( PT-RS), pode pedir que o corregedor se pronuncie sobre o assunto. A corregedoria, então, ouve a defesa dos deputados condenados e leva o caso para análise dos sete membros da Mesa Diretora da Câmara, que decidem se oferecem representação para perda de mandato à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Se na CCJ os deputados decidirem pela abertura de processo de cassação, a palavra final é do plenário. “Nada impede também que, depois de terminado o julgamento, qualquer partido político entre com pedido de cassação de mandato junto à Mesa Diretora”, explicou o chefe da assessoria jurídica da Secretaria-Geral da Mesa da Câmara, Fábio Ramos.

Questionado sobre uma possível cassação dos colegas condenados, o presidente da Câmara, Marco Maia, já disse que não existe a possibilidade de o STF interferir nesse assunto. Maia tem dito também que quer esperar a conclusão do julgamento “até para ver se haverá equilíbrio entre as penas”, mas em todas as vezes que falou do assunto adiantou que vai cumprir integralmente a Constituição.

- A lei é muito clara, eles [os ministros do Supremo] mandam para cá e quem vai decidir se cassa ou não é o conjunto de deputados. O PT vai defender esses deputados aqui, não há dúvida em relação à defesa do mandato desses companheiros – garantiu o líder do PT na Câmara, deputado Jilmar Tatto (SP).

A incerteza sobre o futuro dos deputados condenados incomoda o PSOL. “Para nós, é um constrangimento muito grande ver deputados condenados exercendo o mandato”, disse o líder do partido na Câmara, deputado Ivan Valente (SP). Mesmo reconhecendo que não há disposição entre a maioria dos líderes partidários para votar a proposta de emenda constitucional que acaba com o voto secreto em casos de cassação de mandato, Valente diz que a prioridade do partido é acelerar essa discussão no plenário. “Sem o voto aberto, vamos continuar tendo casos desse tipo”, disse.

O líder do PP na Câmara, Arthur Lira (AL) disse à Agência Brasil que o partido ainda não conversou sobre a situação do deputado Pedro Henry. Ele destacou o fato de o colega não ter renunciado e ter sido eleito para mais dois mandatos depois das denúncias. “De qualquer forma, esse é um assunto que extrapola os partidos e cabe à Mesa Diretora da Casa, mas nem a pena foi definida pelo Supremo. Vamos esperar.", acrescentou.

http://correiodobrasil.com.br/jurista-afirma-que-cassacao-de-mandatos-pelo-stf-e-inconstitucional/550200/

Cancion con todos

Salgo a caminar
Por la cintura cosmica del sur
Piso en la region
Mas vegetal del viento y de la luz
Siento al caminar
Toda la piel de america en mi piel
Y anda en mi sangre un rio
Que libera en mi voz su caudal.

Sol de alto peru
Rostro bolivia estaño y soledad
Un verde brasil
Besa mi chile cobre y mineral
Subo desde el sur
Hacia la entraña america y total
Pura raiz de un grito
Destinado a crecer y a estallar.

Todas las voces todas
Todas las manos todas
Toda la sangre puede
Ser cancion en el viento
Canta conmigo canta
Hermano americano
Libera tu esperanza
Con un grito en la voz