Páginas

pergunta:

"Até quando vamos ter que agüentar a apropriação da idéia de 'liberdade de imprensa', de 'liberdade de expressão', pelos proprietários da grande mídia mercantil – os Frias, os Marinhos, os Mesquitas, os Civitas -, que as definem como sua liberdade de dizer o que acham e de designar quem ocupa os espaços escritos, falados e vistos, para reproduzir o mesmo discurso, o pensamento único dos monopólios privados?"

Emir Sader

22.12.07

FELIZ NATAL e FELIZ 2008 !!!

Que em 2008 estejamos dispostos a
continuar na luta pela construção de
uma nova realidade,
com verdadeira justiça
econômica, política e social!
FELIZ NATAL !!!


VERDE NAVIDAD
Verdes periquitos
rompen a cantar
sobre el campo verde
bajo el sol feraz.
Piel de niño verde,
brota el arrozal.
Las colinas verdes
de vigía están.
Y el aire de Adviento
Lo presiente ya.
Solamente faltan
una lluvias más.


Háblame, Esperanza;
temores, callad;
que, a pesar de todo,
¡El nos nacerá!
Verde, verde, verde,
verde está mi paz.
Madura la Niña,
de tan verde edad.
¿Navidades blancas?
¡Verde Navidad

Pedro CASALDÁLIGA

(EL TIEMPO Y LA ESPERA,, Editorial Sal Terrae, Santander 1986)

Mensagem de Natal do CEBI

Sexta-feira, 21 de dezembro de 2007 - 12h03min





Lâmpada para os meus pés é a tua palavra
e luz para os meus caminhos. (Sl 119,105)


Onde nossos pés estão pisando? Nossos compromissos

Época de Advento e Natal é tempo oportuno de avaliar, meditar e refletir sobre as nossas opções e nossos compromissos. Faço um convite para que esta reflexão seja iluminada pelo Salmo 119,105. A afirmação primeira deste salmo é instigante: o pedido é que a Palavra de Deus ilumine os pés. Isso mesmo: os pés! E faz sentido: a luz que ajuda a encontrar o caminho é aquela que é dirigida aos pés, não aos olhos, ao rosto, à face.
A pergunta que se nos coloca a partir deste salmo é: Onde estão os nossos pés? Por onde caminham nossas sandálias, nossos passos? Por onde nossos pés levam os nossos corpos, as nossas mentes, a nossa presença? Qual é o chão que os nossos pés pisam e que entrelaça nossos corpos em presença e compromisso?
Será que nossos pés andam pelos caminhos enlameados, empoeirados, cascalhosos das periferias urbanas, e pelos sulcos na terra escassa e empobrecida de camponeses e camponesas que trabalham para pôr comida nas mesas de muitos? Ou será que nossos pés já se acostumaram ao pisar macio dos carpetes e tapetes, que suavizam as reivindicações por justiça, igualdade e direitos? Ou, ainda, andam gastando tempo demais em assoalhos cuidados nos templos e nas catedrais?
A luz da Palavra de Deus é invocada pelo salmista para que clareie os pés que estão a caminho. Mas a luz que é projetada nos próprios olhos ofusca e impede a visão. Luz para o caminho ajuda no discernimento de onde firmar os passos. Ajuda nas escolhas e nas decisões em relação ao lugar onde colocar os nossos pés e, com isso, o nosso corpo, os nossos tempos, os nossos comprometimentos.

Com quem caminhamos? Nossas parcerias

Advento e Natal são tempos que convidam para olhar ao nosso redor. Os caminhos por onde caminhamos não são únicos nem exclusivamente nossos. Somamos nossos passos aos de outra gente, aos que andam errantes em busca de esperança.
A caminhada de Leitura Popular da Bíblia nos desafia constantemente a juntar os fios em redes de parceria, de diálogos e de encontros. Um fio importante que queremos acalentar, evidenciar e do qual queremos cuidar, é o ecumenismo. Pela Palavra de Deus somos desafiados à prática ecumênica. O testemunho de vida, iluminado pela Palavra de Deus, deveria nos motivar para o diálogo e o encontro entre irmãs e irmãos. Este é um ecumenismo que brota e se renova em ações cotidianas.

Onde descansamos nossos corpos cansados e sedentos? A fonte onde buscamos vida

A luz que recebemos da Palavra de Deus, como graça, presente e dom, alimenta e sustenta a nossa vida em nossas opções e práticas cotidianas. O cansaço, os atropelos do corre-corre diário e o Natal de consumismo, muitas vezes, nos impedem de apreciar a beleza e a gratuidade que nos são oferecidas a cada tempo de Advento. Nossa espera não é em vão. Uma promessa nos é feita a cada Advento: uma criança nascerá! Do meio de uma manjedoura pobre e rodeada de animais, brilhará uma estrela que vai nos dar os sinais de que a esperança vence o medo, de que a luz ilumina em meio às sombras.
Que a Luz de Deus venha sobre nós, encha o nosso ser, ilumine os nossos passos, nos dê sinais de esperança e nos motive para testemunhos de paz e justiça!

São os desejos da Direção Nacional do CEBI.
Advento 2007
Elaine Gleci Neuenfeldt
Diretora

El televisor de los sueños

Argentina - Viernes 14 de diciembre de 2007
Una nota de Hugo Presman sobre nuestros sueños.

Tengo un televisor que transmite los sueños. Que trae imágenes del futuro. En colores. Con mucho verde esperanza. Ayer mi televisor enloqueció. Aparecieron imágenes de un acto en Casa de Gobierno. Con la presencia de los presidentes Lula, Evo, Duarte, Chávez, Correa, Kirchner y Cristina Fernández. Y mucha gente especialmente invitada. Era por el lanzamiento de Banco del Sur. Un sueño. Una locura. Una utopía... Claro que para verlo hay que tener esta excentricidad que es el televisor de los sueños. Que trae al presente imágenes entrevistas en las utopías juveniles. Con gente vitoreando “Patria si Colonia no”. Si, ahí mismo donde hace apenas una década se proclamaban las relaciones carnales, la idea de la colonia próspera entrando de rodillas al primer mundo. Donde se llegó a importar caca francesa. Ahí donde se aplaudía aquello de “ramal que para, ramal que cierra”. Ahí donde hoy están sentadas las Madres y Abuelas de Plaza de Mayo, se promulgaban las leyes de la impunidad y el indulto.

Entre el público alcanzo a avizorar a muchos de los que aplaudían lo contrario de lo que hoy se hace. Por la humedad de los ojos alcanzo o imagino leer una frase de Marx: “En la historia, como en la naturaleza, la podredumbre es el laboratorio de la vida”.

Está hablando Evo. En su voz y en su piel está buena parte de la historia de las venas abiertas de América Latina. Dice entre otras cosas que el Banco del Sur debería dar paso a la creación de una moneda única sudamericana. Luego pasa al atril Lula. Cuenta la historia de cómo se gestó el Banco del Sur. De cómo se afianzó la relación entre Argentina y Brasil. Dice de pronto: “No existe la posibilidad de salidas individuales.”Me parece ver en el público que Simón y José se agarran de las manos con José Gervasio y Francisco. Debe ser una interferencia del pasado en estas imágenes del futuro. Sigue Lula: “O resolvemos la asimetría en la región, con una política diferenciada para países como Bolivia, Ecuador, Paraguay y Uruguay, o la integración será solo parte de los discursos” Me acerco más al televisor. Lula dice: “Evo es lo más extraordinario de lo que nos ha sucedido en Sudamérica. Nadie refleja más que él, la cara de Bolivia”. Otra vez una interferencia. Es la imagen de Sucre que sonríe.

Ahora en el atril está Rafael Correa, el presidente de Ecuador. Un economista. Que saluda a las madres y abuelas de Plaza de Mayo y recuerda lo que significó su lucha para los latinoamericanos Que explica desde este lado del mostrador que no estamos viviendo una época de cambio, sino un cambio de época. Arturo sonríe debajo de su frondoso bigote y sus ojos de paisano pícaro se iluminan. Rodolfo y Juan José se dan las manos. Dice Rafael, después de citar un par de veces a Bolívar “Tenemos que terminar con la dependencia financiera” y explica clara y académicamente que la autonomía del Banco Central de Ecuador le impedía a los ecuatorianos fijar la política monetaria pero eso no era obstáculo para que FMI tuviera hasta hace poco sus oficinas dentro del Banco Central, ahí donde para los ecuatorianos el acceso era limitado. Sostuvo la necesidad de crear un Fondo del Sur integrado por las suma de las reservas internacionales de los países de la región tienen depositadas en las naciones del primer mundo, para que sirvan al desarrollo de la región. “Son 250.000 millones de dólares” estimó. El dinero de nuestros pueblos facilita la prosperidad de los pueblos del primer mundo. Concluye diciendo “Hasta la victoria siempre”.

Me parece que este televisor de los sueños los exagera hasta hacerlo increíbles. ¿Quién ha escrito este libreto futurista? Este sueño de los setenta sepultado por la derrota y las tragedias consiguientes. ¿Ray Bradbury, George Orwell, Jorge Luís Borges? Si en esos asientos, apenas ayer, descansaban sus posaderas Fujimori, Salinas de Gortari, Henrique Cardoso, Jorge Batlle, Sánchez de Losada). Ahora en el atril está Nicanor Duarte Frutos. El Presidente paraguayo sostiene: “El Banco del Sur abre un proceso de emancipación financiera, nos abre el camino de la liberación política”. Luego se extiende sobre conceptos de Rousseau sobre que sin igualdad toda libertad es ficticia. Ahora en el atril está Hugo Chávez. Dice que va a ser breve después de haber escuchado todos los excepcionales discursos que le antecedieron.

Nadie le cree que eso sea posible. El venezolano es un orador atrapante. Empieza recordando el nuevo aniversario de la batalla de Ayacucho. Y hace un relato literario impecable con precisión histórica. Cuenta que ahí se juntaron los latinoamericanos de las distintas regiones, se pusieron el uniforme, formaron un único ejército que era nada menos que el pueblo en armas y dieron la batalla definitiva. Cita a Bolívar, a San Martín, a Perón, y no se priva de comentar que integran una misma línea histórica. Cuenta la trágica historia de los libertadores traicionados por las respectivas oligarquías que terminaron asesinados o en el exilio. Que es eso lo que produjo que una sola nación concluyera en 20 republiquetas.

Por un momento lo veo a Jorge Abelardo Ramos aplaudiendo desde su silla. Ese moreno fascinante parece la reencarnación del discurso del “Colorado”, autor de “América Latina: un país” que luego la reelaboró con el título de Historia de la Nación Latinoamericana”. Recuerdo su frase que tantas veces he repetido: “Somos argentinos porque fracasamos en ser latinoamericanos”. Es demasiado. No se puede tener una sobredosis de sueños. El sonido trae la consigna: “Patria si, Colonia no”.

Néstor Kirchner está ahora en ese atril que sus adversarios aborrecen. Cuenta la anécdota cuando se encontró por primera vez con Lula. Viajó en un avión alquilado, con un 22% de apoyo y con la incertidumbre si Menem le iba a dar o no la posibilidad de ir al balotagge. Lo acompañaban integrantes de carrera del cuerpo diplomático que lo alertaban sobre el peligro de Brasil y el de luchar por la hegemonía en el continente. Kirchner ridiculizó las posiciones de sus acompañantes como las rémoras de un pasado. Ese donde se consumó la balcanización. Le cedió el atril a Cristina Fernández, quién elogió los procesos abiertos por cada uno de los presidentes presentes y en especial a Hugo Chávez. Y en un momento dirigiéndose a Lula le dijo (no es textual, es un sueño, pero sin lugar este es el sentido): “Los argentinos, brasileros y uruguayos tenemos una enorme deuda con el pueblo paraguayo, por haber formado parte de la Guerra de la Triple Infamia Ese pueblo que era conducido por Francisco Solano López. No es de extrañar entonces que se me critique desde la página editorial de un diario fundado por el que condujo los ejércitos de la Triple Infamia”.

Arturo Jauretche se ha levantado y aplaude como un loco. Juan José Hernández Arregui le da la mano a Rodolfo Puigros. ¡Vale la pena tener este televisor de los sueños! Otra que Internet. Este invento permite observar como la predica de los que imaginaron este sueño se encarna en el futuro o tal vez en el presente. Jorge Abelardo Ramos después de abrazar calurosamente a Chávez, hace lo mismo con Jorge Eneas Spilimbergo. San Martín, Bolívar y Artigas lloran y gritan “Seamos libres y lo demás no importa nada” Chávez los corrige y le dice: “Seamos libres e iguales y lo demás no importa nada”.

Miguel de Güemes, Manuela Saenz, Juana Azurduy, Simón Rodríguez, Felipe Varela, Augusto Cesar Sandino, Emiliano Zapata, forman filas para saludar a los presidentes. Hay muchos protagonistas más que no entran en este sueño. Son los que con sus sueños y sus luchas pavimentaron el camino. Bolívar se dirige a un rincón y mientras contiene el llanto dice quedamente: “Ha tardado, pero posiblemente ya no sea correcto decir aquello de “He arado en el mar” Perón se acerca, le toca el hombro y le dice: “El siglo XXI, Simón, nos encontrará unidos”.
Diviso entre los concurrentes a mi amiga Silvia Bleichmar que se nos adelantó hace unos meses, como dicen los mejicanos. Me hace gestos desde la distancia y creo entender que me dice: “Recordá lo que siempre conversábamos y luego lo puse en el título de un libro: “No me hubiera gustado morir en los noventa” Es cierto. Aunque esto sea sólo un sueño.

Ahí está Helder Cámara, el obispo brasileño que me dice: “Cuando uno sueña solo, es sólo un sueño, cuando soñamos juntos, comienza a construirse otra realidad”. ¿Como? Que no es un sueño. Que mucho de lo que aquí cuento está pasando. Prefiero apagar el televisor. Tengo miedo que como muchas otras veces la realidad obstruya o evapore la posibilidad que los sueños dejen de serlo. Que el discurso sea sólo un catálogo de buenas intenciones. Pero tal vez en esta oportunidad la victoria esté de nuestro lado. Que necesitemos en el futuro acunar otros sueños, porque aquellos que acompañaron buena parte de nuestras vidas ya se hayan transformado en realidades.
"Erradicar a pobreza pode nos dar uma paz real."
Muhammad Yunnus - Nobel da Paz de 2006
.
.
"Muhammad Yunnus constatou que os pobres não precisam de esmola
e sim de justiça, eqüidade e oportunidade para se libertarem.
Neste contexto, o crédito é um direito humano fundamental."
Marcelo Barros - Monge beneditino, teólogo e escritor

20.12.07

Os brancos são mais iguais

19/12/2007

O lema fundamental da dominação capitalista e imperialista continua sendo “Civilização ou barbárie”. Civilização para os dominantes e barbárie para todos os outros. Civilização para os brancos, ocidentais, protestantes ou católicos, europeus ocidentais ou estadunidenses. Mas é a cor da pele a bandeira da sua superioridade.
.
Não por acaso, Hollywood, a maior fábrica de racismo do mundo, promove a criminalização das outras “raças”, sejam índios dos EUA, os africanos, árabes, japoneses, chineses, coreanos, mexicanos ou qualquer outra variante dos não-brancos. O único filme produzido nos EUA contra a potência que promoveu a maior “limpeza étnica” da história da humanidade, a Alemanha, foi realizado por um não-estadunidense, Charles Chaplin, com “O grande ditador”. O clima contra ele ficou tão insuportável que precisou sair às pressas dos EUA, antes mesmo do lançamento do filme.
.
Hollywood narrou a história do massacre das populações indígenas nos EUA como uma saga da “civilização” resgatando palmo a palmo o território dominado por “peles vermelhas” “traiçoeiros”. Indômitos cowboys, chamados de “mocinhos”, enfrentando os “bandidos” das populações originárias.
.
Recorrentemente, renascem as teorias e as afirmações racistas sobre a suposta inferioridade intelectual dos negros. Bem antes das declarações do prêmio Nobel sobre o tema, surgiu a “teoria dos sinos”, que repetia a mesma ladainha de sempre. Os negros teriam características que os tornam excelentes para as atividades atléticas. Chega-se ao requinte de elaborar mapas da origem dos africanos, pois certas regiões estariam mais adaptadas para a produção de atletas para corridas de longas distâncias, pela resistência, enquanto, outras, produzem os de curta distância, pela rapidez. Este reconhecimento do desempenho atlético é uma espécie de “compensação” à inferioridade intelectual que se lhes quer impor. Um autor que vive recomendando as melhores leituras para todo o mundo, não hesitou em perguntar onde estaria o Shakespeare africano. Um modo de dizer que só está disposto a rever sua tese sobre a inferioridade intelectual e cultural dos africanos quando estes forem capazes de apresentar conquistas intelectuais similares às européias.
.
A colonização e a escravidão, que parecem fenômenos passageiros, que não deixaram marcas na trajetória nem dos que se enriqueceram, nem dos que se empobreceram com elas, nunca aparecem nos seus preciosos “cálculos”. Colonização e escravidão foram formas de recrutar uma raça inferior para trabalhar para a raça superior, em nome do “progresso” e do “desenvolvimento”. Colonização e escravidão transformam-se em categorias atemporais, que beneficiaram a “humanidade”, a “civilização”, apropriada pelos brancos ocidentais cristãos.
.
Esses raciocínios pseudo-científicos procuram desqualificar as outras etnias e combater algumas conquistas políticas, como é o caso especialmente das cotas. Afinal, de que adianta promover os negros, já que sua inferioridade é genética!
.
Quando esta concepção ganhou a Califórnia, o resultado foi arrasador para os negros, pois os brancos e os de origem asiática se repartiram entre si as vagas das universidades e os negros foram praticamente excluídos. É uma manobra intelectual para justificar a imposição da hegemonia das idéias dominantes na sociedade mercantilizada dos EUA: os pobres – entre eles os negros - não são produzidos pela estrutura econômica e social capitalista, eles são os “perdedores” de um jogo onde tiveram as mesmas oportunidades que os outros, mas foram vencidos no concurso meritocrático da excelência, da produtividade, do custo-benefício.
.
Todos são iguais, mas os brancos são os mais iguais, os mais “civilizados”, os mais inteligentes – e mais ricos, mais poderosos, mais beligerantes, os mais agressivos, os mais discriminadores, os mais exploradores.
.
Postado por Emir Sader às 07:11

Jejuo também por democracia real

19/12/2007 16:25:01 Por Dom Luiz Flávio Cappio - de Sobradinho, BA
Acusam-me de inimigo da democracia por estar em jejum e oração combatendo um projeto do governo federal autoritário, falacioso e retrógrado, que é o da transposição de águas do rio São Francisco.
Meu gesto não é imposição voluntarista de um indivíduo. Fosse isso, não teria os apoios numerosos, diversificados e crescentes que tem tido de representantes de amplos setores da sociedade, inclusive do próprio PT.
Vivêssemos uma democracia republicana, real e substantiva, não teria que fazer o que estou fazendo.
Um dos mais graves males da “democracia” no Brasil é achar que o mandato dado pelas urnas confere um poder ilimitado, aval para um total descompromisso com o discurso de campanha, senha para o vale-tudo, para mais poder e muito mais riquezas. Tráficos de influências, desvios do erário, porcentagens em obras públicas e mensalões são práticas tradicionais na política brasileira, infelizmente, pelo visto, ainda longe de acabar. A sociedade está enojada e precisa se levantar.
Há políticos – e, infelizmente, não são poucos – que, por onde passaram na vida pública, deixaram um rastro de desmandos, corrupção, enriquecimento ilícito etc. Como ainda funcionam o clientelismo eleitoral, a mitificação de personagens, as falsas promessas de campanha, o “toma-lá-dá-cá” e mais deseducação que educação política do povo, esses políticos conseguem se reeleger e galgar posições de alto poder em governos, quaisquer que sejam as siglas e as alianças.
Na campanha do candidato Lula, o tema crucial da transposição era evitado o máximo possível. Mas as campanhas eleitorais, à base do marketing e das verbas de “caixa dois” das empresas, são tidas e havidas como grandes manifestações do vigor de nossa democracia, que, com urnas eletrônicas, dá exemplo até aos EUA...
O projeto de transposição não é democrático, porque não democratiza o acesso à água para as pessoas que passam sede na região semi-árida, distante ou perto do rio São Francisco.
O governo mente quando diz que vai levar água para 12 milhões de sedentos. É um projeto que pretende usar dinheiro público para favorecer empreiteiras, privatizar e concentrar nas mãos dos poucos de sempre as águas do Nordeste, dos grandes açudes, somadas às do rio São Francisco.
A transposição não tem nada a ver com a seca. Tanto que os canais do eixo norte, por onde correriam 71% dos volumes transpostos, passariam longe dos sertões menos chuvosos e das áreas de mais elevado risco hídrico.
E 87% dessas águas seriam para atividades econômicas altamente consumidoras de água, como a fruticultura irrigada, a criação de camarão e a siderurgia, voltadas para a exportação e com seríssimos impactos ambientais e sociais.
Esses números são dos EIAs-Rima (Estudos de Impacto Ambiental/Relatório de Impacto sobre o Meio Ambiente), públicos por lei, já que, na internet, o governo só colocou peças publicitárias.
O projeto de transposição é ilegal e vem sendo conduzido de forma arbitrária e autoritária: os estudos de impacto são incompletos, o processo de licenciamento ambiental foi viciado, áreas indígenas são afetadas e o Congresso Nacional não foi consultado como prevê a Constituição.
Há 14 ações que comprovam ilegalidades e irregularidades ainda não julgadas pelo Supremo Tribunal Federal. Mas o governo colocou o Exército para as obras iniciais, abusando do papel das Forças Armadas, militarizando a região.
A decisão do TRF (Tribunal Regional Federal) da 1ª Região, de Brasília, em 10/12 deste ano, obrigando a suspensão das obras, é mais uma evidência disso.
O mais revoltante, porque chega a ser cruel, é que o governo insiste em chantagear a opinião pública, em especial a dos Estados pretensos beneficiários, com promessas de água farta e fácil, escondendo quem são os verdadeiros destinatários, os detalhes do funcionamento, os custos e os mecanismos de cobrança pelos quais os pequenos usos subsidiariam os grandes, como já acontece com a energia elétrica.
Os destinos da transposição os EIAs/Rima esclarecem: 70% para irrigação, 26% para uso industrial, 4% para população difusa.
Temos um projeto muito maior. Queremos água para 44 milhões de pessoas no semi-árido. Para nove Estados, não apenas quatro. Para 1.356 municípios, não apenas 397. Tudo pela metade do preço previsto no PAC para a transposição.
O Atlas Nordeste da Agência Nacional de Águas (ANA) e as iniciativas da Articulação do Semi-Árido (ASA) são muito mais abrangentes, têm prioridade no abastecimento humano e utilizam as águas abundantes e suficientes do semi-árido.
Fui chamado de fundamentalista e inimigo da democracia porque provoquei que o povo se levantasse e, disso, os “democratas” que me acusam têm medo.
Por que não se assume a verdade sobre o projeto e se discute qual a melhor obra, qual o caminho do verdadeiro desenvolvimento do semi-árido? É nisso que consiste a nossa luta e a verdadeira democracia.
Dom Luiz Flávio Cappio, é bispo diocesano da cidade de Barra (BA) e
autor do livro Rio São Francisco, uma Caminhada entre Vida e Morte.

17.12.07

Brasil - Manifesto

14.12.07 - BRASIL
Leonardo Boff *

Não ao atual projeto de transposição do rio São Francisco.
Pela vida de D. Luiz Cappio, pela vida do rio São Francisco.

Nós abaixo assinados viemos a público repudiar o atual projeto do governo federal da transposição do Rio São Francisco. Esse projeto é faraônico, não é democrático, porque não democratiza o acesso à água para as pessoas que passam sede na região semi-árida, distante ou perto do rio São Francisco.

O governo alega que vai levar água para 12 milhões de sedentos. O projeto, na verdade, pretende usar dinheiro público para favorecer empreiteiras, o agronegócio, privatizar e concentrar nas mãos dos poucos de sempre as águas do Nordeste, dos grandes açudes, somadas às do rio São Francisco.

A transposição tem muito pouco a ver com a seca. Tanto que os canais do eixo norte, por onde correriam 71% dos volumes transpostos, passariam longe dos sertões menos chuvosos e das áreas de mais elevado risco hídrico. E 87% dessas águas seriam para atividades econômicas altamente consumidoras de água, como a fruticultura irrigada, a criação de camarão e a siderurgia, voltadas para a exportação e com seríssimos impactos ambientais e sociais. Todas estas implicações não foram transparentemente discutidas com as populações envolvidas como os ribeirinhos, os pescadores, os indígenas, os quilombolas e a comunidade científica.

O atual projeto não toma em conta alternativas mais baratas, mais viáveis e mais eficazes para um número maior de pessoas. O projeto oficial custaria mais de 6 bilhões de reais, atenderia apenas a quatro Estados (Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará) beneficiando 12 milhões de pessoas de 391 municípios. Um projeto alternativo elaborado pela Agência Nacional das Águas (ANA) e o Atlas do Nordeste custaria pouco mais de 3 bilhões de reais, atingindo nove estados (Bahia, Sergipe, Piauí, Alagoas, Pernambuco, Rio do Norte, Paraíba, Ceará e Norte de Minas), beneficiando 34 milhões de pessoas de 1356 municípios. Cabe ainda lembrar a Articulação do Semi-Árido (ASA) que se propõe construir um milhão de cisternas, tenho já construído 220 mil que atenderia as áreas mais áridas e isoladas da região.

O projeto de transposição vem sendo conduzido de forma arbitrária e autoritária: os estudos de impacto são incompletos, o processo de licenciamento ambiental foi viciado, áreas indígenas e quilombolas são afetadas e o Congresso Nacional não foi consultado como prevê a Constituição.

Há 14 ações que comprovam ilegalidades e irregularidades ainda não julgadas pelo Supremo Tribunal Federal. Mas o governo colocou o Exército para as obras iniciais, abusando do papel das Forças Armadas, militarizando a região. A decisão do TRF (Tribunal Regional Federal) da 1ª Região, de Brasília, de dez de dezembro deste ano, obrigando a suspensão das obras, comprova o caráter problemático do projeto governamental.

São tais fatos que sustentam o jejum e as orações do bispo de Barra (BA), dom Luiz Cappio, pessoa humilde, aberta ao diálogo e amigo dos pobres que há mais de 30 anos convive com os problemas do Vale do São Francisco. Ele está oferecendo sua vida para que o povo e o rio tenham mais vida. Apoiamos seu gesto profético, digno dos discípulos de Jesus.

A alternativa do Presidente Lula é falsa: entre os pobres e o bispo fico do lado dos pobres. A verdadeira alternativa é: entre os pobres e o hidronegócio nós ficamos do lado dos pobres.

* Teólogo e professor emérito de ética da UERJ
................................................................................................................

Cerca de 400 personalidades e organizações assinam documento em solidariedade a Dom Cappio
Manifesto foi escrito por Leonardo Boff e tem adesões nacionais e internacionais
Um manifesto encabeçado pelo teólogo Leonardo Boff em solidariedade ao bispo dom Luiz Cappio - que encontra-se em greve de fome desde o dia 27 de novembro em Sobradinho, na Bahia, em protesto contra o projeto de transposição do rio São Francisco - já conta com cerca de 400 adesões de outras personalidades e representantes de organizações nacionais e internacionais.
Algumas pessoas e organizações que aderiram:
Leonardo Boff
Eduardo Galeano
Pedro Casaldàliga, bispo emérito da Prelazia de São Félix do Araguaia, MT
Letícia Sabatella
Dira Paes
José Celso Martinez Corrêa
Wagner Moura
Chico Diaz
Bete Mendes
Otto
Marcos Winter
Osmar Prado
Domingos de Oliveira
Zeca Baleiro
Ricardo Resende
João Pedro Stédile
Frei Betto
Silvia Buarque
Sílvio Tendler
Beth Carvalho
Fernando Morais, jornalista
Raúl Zibechi (Uruguay)
Ana Esther Ceceña, Observatorio Latinoamericano de Geopolítica
Atilio A. Boron, CLACSO
Anibal Quijano, Peru
Heloísa fernandes, socióloga, professora da Universidade de São Paulo e da Escola Nacional Florestan Fernandes
Maria Victoria Benevides
Beto Almeida, jornalista
Roberto Malvezzi, Comissão Pastoral da Terra
Maria Luisa Mendonça, Rede Social de Justiça e Direitos Humanos
Víctor Ego Ducrot, periodista, escritor y docente unvisersitario. Director de la Agencia Periodística del MERCOSUR (APM) de la Universidad Nacional de La Plata (Argentina)
MST
Movimento de Mulheres Camponesas - MMC Brasil
Via Campesina
CONLUTAS
INTERSINDICAL
Central dos Movimentos Populares
Movimento Nacional de Luta pela Moradia
Consulta Popular
Assembléia Popular
ESPLAR- Centro de Pesquisa e Assessoria
Frenter Cearense por uma Nova Cultura de Água e contra a Transposição das Águas do rio são Francisco
Paulo Maldos, Conselho Indigenista Missionário
Paulo Pedrini, Pastoral Operária
Diana Mores, Centro Nordestino de Medicina Popular
Paulo Gabriel Lopez, vigario da catedral de São Félix do Araguaia, MT
Cristina Castello, Poeta y periodista, Paris
Claudia Korol. Coordinadora del Equipo de Educación Popular "Pañuelos en Rebeldía". Argentina
Carlos D. PÉREZ, Coordinador de REDH, Red Solidaria por los Derechos Humanos
ABONG - Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais
Geraldo Majela Pessoa Tardelli, advogado, integrante da Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de São Paulo
Ivana Jinkings
Frei Gilvander Moreira – CPT, Belo Horizonte/MG
Frei Cláudio van Balen – Igreja do Carmo, Belo Horizonte/MG
César Benjamin
FIAN Brasil - Rede de Informação e Ação pelo Direito a se Alimentar
Central de Venezuela
COORDINADORA ANDINA DE ORGANIZACIONES INDIGENAS
Consejo Indìgena Popular de Oaxaca
Laerte Braga, jornalista, MG
Marcos Arruda, PACS
Kenarik Boujikian Felippe, juiza de direito em São Paulo
Cesar Sanson - Centro de Pesquisa e Apoio aos Trabalhadores (CEPAT) - Curitiba
Sindicato dos Professores de Nova Friburgo e Região – RJ
Edmilson Schinelo - Teólogo, Secretário Executivo do CEBI
CEBI - Centro de Estudos Bíblicos
DCE UFRJ
ONG CEARÁ EM FOCO: ANTENAS E RAÍZES
Cáritas Brasileira Regional NE3
Ivo Poletto

Mais informações:
www.umavidapelavida.com.br
Favor enviar adesões para: apoio.dom.cappio@gmail.com
com cópia para: rede@social.org.br

Informações para a imprensa:
Rede Social de Justiça e Direitos Humanos
Tel (11) 3271-1237 / (11) 8468-0910 (Evanize Sydow)

NÃO À TRANSPOSIÇÃO - CONVIVER COM O SEMI-ÁRIDO É A SOLUÇÃO!

A todas as pessoas de Boa Vontade do nosso Brasil e do mundo inteiro,

Quem lhes escreve sente palpitar, neste momento, anseios e perplexidades de milhões de pessoas na bacia do São Francisco, no Brasil e no mundo,

que não aceitam a transposição do rio porque baseada em visões extremamente predatórias, desrespeitosas do rio o do seu povo e autoritárias e ditatoriais,

que não suportam mais a propaganda enganosa e cínica dos "12 milhões de sedentos" que seriam beneficiados,

que assumem a vida do rio e do povo ameaçados, como está ameaçada a vida do bispo frei Luiz Cappio.

Ele está apresentando ao mundo sua opção, pessoal e cristã: entrega sua vida – no jejum e na oração - por uma causa maior, que é a causa de todos nós.

Nós convidamos você, amigo e amiga, pessoalmente ou como membro de qualquer organização, para expressar isso a nossos governantes, enviando uma carta de apoio ao bispo frei Luiz Cappio na luta em defesa do Rio São Francisco.

Atenciosamente,

Articulação Popular Pela Revitalização do Rio São Francisco
Por favor enviem um fax, assim como um email para os seguintes endereços (as duas formas porque é mais impactante) com a carta em anexo:

É importante mandar uma copia oculta (cco:) para apoio.dom.cappio@gmail.com Este endereço usamos somente para poder verificar quantos emails foram enviados para as autoridades. Não se preocupem se os emails para o governo vão voltar devido a caixas postais cheias etc., nos vamos imprimir os emails armazenados na caixa de email apoio.dom.cappio@gmail.com e nossos amigos em Brasília vão entregar os emails impressos ao Planalto.

abaixo seguem os endereços e números de fax dos destinatários da carta:

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

Fax: (0055) 61 3411 1865

MINISTRO DE INTEGRAÇÃO GEDDEL VIEIRA LIMA
Fax: (0055) 61 3321 3122

MINISTRA DO MEIO AMBIENTE MARINA SILVA
Fax: (0055) 61 3317-1755

Supremo Tribunal Federal:

GABINETE MINISTRA ELLEN GRACIE (Presidente)
Fax: (0055) 61 32174249

GABINETE MINISTRO GILMAR MENDES (Vice-Presidente)
Fax: (0055) 61 32174189

GABINETE MINISTRO CELSO DE MELLO
Fax: (0055) 61 32174099

GABINETE MINISTRO MARCO AURÉLIO
Fax: (0055) 61 32174309

GABINETE MINISTRO CEZAR PELUSO
Fax: (0055) 61 32174219

GABINETE MINISTRO CARLOS BRITTO
Fax: (0055) 61 32174339

GABINETE MINISTRO JOAQUIM BARBOSA
Fax: (0055) 61 32174159

GABINETE MINISTRO EROS GRAU
Fax: (0055) 61 32174399

GABINETE MINISTRO RICARDO LEWANDOWSKI
Fax: (0055) 61 32174279

GABINETE MINISTRA CÁRMEN LÚCIA
Fax: (0055) 61 32174355 / 32174369

GABINETE MINISTRO MENEZES DIREITO
Fax: (0055) 61 32174129
Segue a carta:

Exmo. Senhor Presidente da República - Luiz Inácio Lula da Silva
Exmo. Senhor Ministro da Integração Nacional - Geddel Vieira Filho

Saudações cordiais,

Acompanhamos com interesse os planos do Governo Brasileiro para o Rio São Francisco, tanto no que concerne ao Projeto de Transposição quanto ao Programa de Revitalização.

Respeitosamente, dirigimo-nos a V. Ex.a para compartilhar preocupações sobre os previsíveis impactos sociais e ambientais do Projeto de Transposição.

Sabemos a importância histórica, cultural, social, econômica e ambiental do "rio da integração nacional". Temos também conhecimento dos problemas deste Rio, tais como o desmatamento, o assoreamento, a poluição por esgotos e agrotóxicos, as barragens e o avanço indiscriminado do agronegócio sobre o Cerrado e Caatinga. O estado atual de baixa vazão da barragem Sobradinho de 14% da sua capacidade é prova desta degradação.

O estado de degradação do São Francisco torna temerário qualquer acréscimo de novo uso aos atuais, múltiplos e, em muitos aspectos, já conflitantes.

Desde 27 de novembro de 2007, Dom Luiz Cappio, bispo da Diocese de Barra (Bahia), retomou seu jejum e suas orações em protesto contra a forma autoritária com que o governo federal impõe a obra de transposição do rio São Francisco sem um debate democrático sobre a viabilidade desta obra.

Em carta enviada ao presidente, Dom Luiz lembra que Lula não cumpriu o acordo assumido em outubro de 2005. Na ocasião, Dom Luiz suspendeu um jejum de onze dias, após o presidente ter se comprometido a suspender o processo da transposição e iniciar um amplo diálogo sobre o projeto com a sociedade.

A obra da transposição do Rio São Francisco não tem capacidade de levar água para 12 milhões de nordestinos, como a propaganda quer iludir. Ao contrário, ela é desenhada para beneficiar a produção de frutas nobres, etanol, aço e criação de camarão destinados principalmente para o mercado internacional, enriquecendo ainda mais poucas grandes empresas.

A região semi-árida tem grande diversidade de situações e potencialidades hídricas para o consumo humano e o desenvolvimento sustentável. Para atender à população do semi-árido, há alternativas melhores e mais baratas, por exemplo: as 530 obras sugeridas pela Agência Nacional de Águas (ANA) e que abasteceriam os 1,3 mil municípios da região a um custo de R$ 3,6 bilhões (quase metade dos R$ 6,6 bilhões da transposição). Para o meio rural tem as alternativas de Convivência com o clima desenvolvidas no âmbito da Articulação do Semi-Árido (ASA).

Diante deste quadro, o Projeto de Transposição exige questionamentos e cuidados. Ainda mais, porque se trata de um projeto com varias ilegalidades que estão sendo questionadas judicialmente e que ainda esperam posição do Supremo Tribunal Federal (STF).

Por isso, as pessoas, entidades e organizações abaixo-assinadas pedem que sejam suspensas as obras da transposição, que vem sendo realizadas pelo Exército Brasileiro.

Exigimos que seja ouvido o grito dos povos do São Francisco presente no jejum de Dom Luiz Cappio.

Atenciosamente,

________________________________
(nome / assinatura)

Economia Solidária e Meio-Ambiente: algumas aproximações

14.12.07 - BRASIL

Edgard Patrício *

A aproximação entre economia solidária e meio-ambiente vai além do que simplesmente a utilização de termos e conceitos comuns pelos que militam nos dois movimentos. É fato que tanto os princípios da economia solidária como aqueles que orientam uma ação ambientalista buscam concretizar um acesso igualitário à qualidade de vida. Mas, para sermos justos com o domínio capitalista sobre esse mundo, podemos afirmar que o que aproxima economia solidária e meio-ambiente é exatamente o que distancia os seres humanos dessa qualidade de vida - os padrões capitalistas de produção. A superação desses padrões é o que anima a luta lado a lado de trabalhadoras e trabalhadores da economia solidária e ambientalistas.

Não é novidade que a lógica dos padrões capitalistas de produção aponta para a busca incessante da acumulação. No cerne desse princípio, o ‘ser’ enquanto forma valorada do ‘ter’. Por conseguinte, a arrogante sobreposição do ‘um’ sobre o ‘todos’, no raciocínio enviesado de que a diferenciação ocorre pelo ‘eu tenho o que você não tem’, ou ‘eu tenho mais do que você tem’, mesmo que isso signifique - abominável lógica! - a própria anulação física do outro. Ao enveredar pela lógica da acumulação, os padrões capitalistas exacerbam os limites do consumo. E essa exacerbação pode se dar tanto pela exploração incontrolada dos recursos naturais como pela exploração desenfreada do mais natural dos recursos - a própria força de trabalho humana.

Contra a exploração desenfreada dos recursos naturais é que nasce o movimento ambientalista.
Contra a exploração incontrolada da força de trabalho humana é que nasce a economia solidária.

Na base dos princípios do movimento ambientalista está a compreensão do direito difuso - a qualquer pessoa deve ser garantido o direito a um meio-ambiente saudável. O difuso se impregna de uma percepção coletiva do acesso à vida. Aí a equação se fecha. Por um lado, perante os padrões de consumo considerados aceitáveis pelo modo de produção capitalista dito ‘desenvolvido’ - e como é tênue a fronteira, nesse sistema, entre o que é aceitável e o que não o é -, e se esses padrões fossem estendidos a todas as pessoas que habitam o nosso planeta, não haveria como garantir o direito a um meio-ambiente saudável a todos, simplesmente porque a totalidade de recursos naturais desse mundo não suportaria esse incremento. Por outro lado, já se sabe que a totalidade de alimentos produzida hoje pelo mundo seria suficiente para alimentar todos seus habitantes dentro de padrões dignos de vida.

Os empreendimentos solidários trabalham com a compreensão de que o ‘outro’ é uma extensão do ‘eu’. E qual processo coletivo representa o encontro dos seres humanos em busca dessa utopia? A realização pelo trabalho. Nesse momento, o padrão de consumo é reorientado. Sai a acumulação, entra a complementaridade. Essa compreensão ressignifica a própria relação entre produtores e consumidores. De um embate permanente entre esses dois lados, a economia solidária tende a simplesmente abstrair a contenda, porque pautada pelo atendimento a uma demanda concreta de consumo, regulada pelo direito que um e outro têm de consumir. Daí que os padrões de produção dessa outra economia se realizam nas trocas solidárias, tendo por base moedas sociais, na reutilização e reciclagem de materiais, invocando o uso discriminado dos recursos naturais, e na produção quase sempre voltada para o atendimento de uma demanda legitimada pelo direito do coletivo.

Todas e todos que se preocupam com a qualidade de vida dos que habitam esse planeta - nossa velha e boa Pacha Mama -, trabalham por um desenvolvimento sustentável. O movimento ambientalista defende que esse desenvolvimento seja ecologicamente equilibrado, socialmente justo e economicamente viável. Talvez já fosse hora de rever essa definição. No mínimo, ficaria mais simpático que o desenvolvimento fosse ecologicamente equilibrado, socialmente justo e... economicamente solidário.

*Jornalista que escreve aos domingos, há dez anos, a coluna Ecologia, no jornal O Povo, e participa, através da ONG Catavento Comunicação e Educação, da Rede Cearense de Socioeconomia Solidária. Colaborador de Adital

Ecologia das armas

2007-12-16 - Central da Periferia
. Estevão Ciavatta
. Quando se fala em segurança pública no Brasil, a gente logo pensa numa favela, traficantes armados, confrontos com a polícia, balas perdidas... É aqui que o bicho pega! Mas não é só no Brasil, não. A periferia é a última fronteira de guerras e disputas de territórios que sempre fizeram parte da história da humanidade.
.
Segundo o escritor e urbanista Mike Davis, “se lermos os relatórios do Ministério da Defesa Americano e do Pentágono, o tema mais consistente é o problema de que parte do mundo não está sob controle efetivo, o que há 40 anos era identificado como as florestas da China e do Vietnam. Bem, as novas selvas são as favelas nas cidades terceiro mundo, como na Faixa de Gaza, na Somália e no Haiti”.
.
O texto “Ecologia das Armas” foi escrito ainda no primeiro semestre desse ano quando fui convidado pelo AfroReggae a ir conhecer as iniciativas de segurança pública bem sucedidas da Colômbia, o que gerou o filme “O Veneno e o Antídoto: uma visão da violência na Colômbia”. O tema segurança pública se desdobrou no Central da Periferia em uma parceria da TV Globo, Pindorama, Unicef e Viva Rio para trazer dois adolescentes haitianos, que aprenderam português com as tropas brasileiras, para conhecer no Brasil uma outra bem sucedida aproximação entre as forças do Estado e a periferia: o GPAE do Morro do Cavalão, em Niterói. Assim como no último domingo, no próximo, no Central da Periferia, o assunto será segurança pública. O texto também será publicado em duas partes.
.
Assim como marcas, armas e palavras, andando pelo Brasil a gente encontra muitas árvores que não são brasileiras. Nos quintais vemos uma mangueira carregada, uma jaqueira centenária, um limoeiro pro suco ou pra salada, uma bananeira, sem falar do sempre presente coqueiro. Todos estrangeiros, muito bem recebidos e adaptados ao clima do Brasil. No entanto, vê-se que a Mata Atlântica foi quase toda derrubada, resultado de mais de 500 anos de uso intensivo e desordenado de nossas terras. Restos frágeis desse ecossistema tão rico, vistos aqui e ali entre vastos pastos de capim colonião, se misturam a todas aquelas árvores já tão brasileiras, formando focos de resistência da vegetação natural. Numa vista d’olhos, o ambiente é muito bonito. É emocionante ver o dendê, o africano, tão bem misturado, por exemplo, à vegetação das terras ao sul de Salvador, Bahia. Mas cadê o jequitibá, o jatobá e a copaíba? Quem sabe delas? Quase ninguém sabe.
.
Enquanto isso a pobreza se espalha pelas aglomerações urbanas das nossas capitais e cidades interioranas. Milhares de famílias que viviam do uso da terra buscam uma vida melhor nas cidades, cada um com seu motivo particular, seja a vontade de “ser alguém” na vida, a falta de trabalho e de oportunidades no campo, o desejo dos jovens por novas experiências, ou mesmo a fuga das zonas de fome do país. Você foi a Ouro Preto recentemente? Ou a Teresópolis? Ou a Camaçari? Ou mora numa capital de estado? Então você sabe o que é uma favela.
.
Por todo o Brasil, vê-se que o crescimento econômico, infelizmente, não se distribui pelo crescimento populacional das cidades. Em contraposição ao asfalto, às concessionárias de automóveis, aos restaurantes, hotéis e avenidas, as favelas crescem indiscriminadamente nas periferias. O estilo de vida vai se modernizando e uma condição se impõe: a luta no dia-a-dia para ter dinheiro no bolso para pagar a escola, a comida, a diversão, o remédio...
.
Mas e a copaíba com isso?
.
Bem, a copaíba é uma árvore que ocorre em quase todo o Brasil, do Rio de Janeiro à Amazônia, e produz um óleo que é um santo remédio utilizado como diurético, laxativo, antitetânico, anti-reumático, anti-séptico do aparelho urinário e, principalmente, antiinflamatório e cicatrizante. Para se ter uma idéia de sua eficácia, o óleo de copaíba em 1677 já constava da farmacopéia britânica e, em 1820, da americana.
.
No entanto, em 2007, no Brasil, quase ninguém conhece ou viu uma por perto. É verdade que na Amazônia esta árvore ainda é bastante utilizada e também se encontra seu óleo em alguns mercados das capitais nordestinas, mas mais de cem milhões de brasileiros que vivem nas regiões onde outrora vivia a Copaíba, não tem a menor idéia que ela exista. É de se espantar, já que a copaíba tem valor econômico e poderia estar complementando a receita de muitas famílias brasileiras. Ou, se não rendendo dinheiro, ao menos fazendo economizar em remédios nada baratos das indústrias farmacêuticas.
.
A conquista portuguesa da Terra de Vera Cruz, através das armas de fogo, se legitimou nos cartórios que surgiam em cada nova vila da administração colonial. O direito à propriedade das terras e ao seu usufruto abriu as portas para que o machado e a moto-serra devastassem as florestas nos séculos seguintes. Mas até os anos 1970 ainda se podia encontrar fortes vestígios de uma cultura da terra, aonde a pobreza e o atraso econômico haviam produzido o milagre da preservação ambiental e cultural no pouco que restava de nossas verdes matas. A partir de então, nos últimos 30/40 anos, só vimos a força do capital econômico construir um novo código de valores onde a universalização dos bens de consumo abriu as portas da esperança a toda uma legião de brasileiros que estavam esquecidos no tempo e no espaço.
.
Até 1960, o Brasil tinha uma população predominantemente rural. No recenseamento de 1970 já se constatou o predomínio da população urbana, com 56% do total nacional. Atualmente, 75% da população brasileira vive nas cidades. No estado do Rio de Janeiro, por exemplo, a população urbana é de mais de 90% do total. E numa sociedade onde a idéia de progresso está associada à uma imagem de vida urbana, a maioria de nós brasileiros podemos sonhar e, quem sabe, conseguir ter um padrão de vida próximo ao chamado “primeiro mundo”, afinal todos temos as informações do que é possível e de até onde o avanço tecnológico chegou. Mas esse mesmo cenário exige uma dedicação e sorte sobre humanas de quem deseja chegar lá. A questão é que, diferentemente do que pensa a maioria dos brasileiros, inclusive a grande maioria das classes C, D e E, não basta só querer ou se esforçar para sair da pobreza. Hoje, no Brasil, se criou uma impermeabilidade social: o de cima sobe e o de baixo desce. Ser professor primário, por exemplo, que já foi uma opção para se chegar à classe média, hoje é um caminho para as favelas. A realidade é cruel e quem viver verá.
.
Balas perdidas voam pelas cidades. E não só nas grandes metrópoles. O interior do Brasil é assolado pela violência urbana. Recente pesquisa mostrou que a cidade mais violenta do Brasil não é nenhuma capital de estado, mas um destino turístico muito conhecido no Brasil: Foz do Iguaçu. No Rio, a outrora pequena Macaé ostenta o título de campeã regional. Mas espera aí! Essa cidade do norte fluminense vem recebendo investimentos desde que se descobriu petróleo por ali! Ela viu sua economia crescer e se há hoje uma certeza nacional é a de que temos que crescer nosso PIB (mais que a Argentina, se possível), que temos que gerar novos empregos para acabar com a violência e a desocupação dos jovens. Ou não? A sabedoria convencional diz que sim mas cabe a pergunta: por quê a violência e a pobreza aumentam proporcionalmente à geração de riqueza? “Ecologia das Armas” continua na semana que vem. Até lá.
.
Estevão Ciavatta é diretor geral do Central da Periferia

4.12.07

Frase de Manu Chao...

"La resignación es un suicidio permanente."

As oligarquias contra a democracia

É uma lei de ferro da história: as oligarquias dominantes lutam sempre desesperadamente para não perder o poder que controlam, a ferro e fogo, há séculos. Quando o povo e as forças populares ameaçam esse poder, elas apelam para a violência. Primeiro apelavam diretamente à intervenção militar dos EUA, depois, às FFAA, formadas e coordenadas com os EUA. Agora seguem suas estratégias de violência e obstáculo aos processos de democratização no continente, onde quer que ele se dê, sob a forma que seja.
.
Essas ações violentas são parte da história do nosso continente. As mais recentes foram os golpes militares, que derrubaram governos eleitos legitimamente pelo povo, para substituí-los por ditaduras militares, demonstrando a tese enunciada acima: no Brasil, na Argentina, no Chile, no Uruguai, na Bolívia, a violência introduziu regimes de terror em todo o cone sul.
.
São partidos políticos, personagens da política tradicional, grandes empresas privadas, corporações empresariais, que apoiaram e tiveram gigantescos benefícios durante as ditaduras militares, que hoje encarnam a direita latino-americana, disfarçados de democratas, opondo-se aos novos avanços populares. São os mesmos que apoiaram as ditaduras, as intervenções norte-americanas, a violência contra o povo, que agora resistem à vontade democrática da maioria.
.
Eles estão perdendo em praticamente todas as eleições, quando o monopólio oligárquico da mídia não consegue convencer o povo de que seus interesses representam o país. Perdem na Argentina, no Brasil, no Equador, na Bolívia, na Venezuela. E aí apelam de novo para a violência e as tentativas de ruptura da democracia, quando esta não lhes serve mais, porque o povo passa a reconstruir democracias com alma social.
.
Órgãos de imprensa que promoveram os golpes militares, apoiaram as ditaduras e se beneficiaram com elas – na Argentina, no Brasil, na Bolívia -, que apoiaram tentativas de golpe – na Venezuela -, que pregaram os processos de privatização que dilapidaram os Estados latino-americanos – agora vestem roupas “democráticas” e pretendem brecar os processos de transformação em curso. Querem contrapor a violência e as ameaças aos movimentos populares que colocam em prática processos de nacionalização, de integração regional, de políticas sociais favoraveis às grandes maiorias da nossa população, sempre desconhecidas pelas oligarquias tradicionais, os direitos dos povos indígenas e negros, das mulheres, dos jovens, crianças e idosos, do meio ambiente, de democratização dos meios de comunicação.
.
A Bolívia, situada no coração do continente, concentra hoje as principais ações da direita oligárquica contra os processos de democratização que se desenvolvem na América Latina. As oligarquias brancas, que privatizaram os patrimônios fundamentais do Estado e do povo boliviano, que apoiaram regimes ditatoriais e participaram deles, que tentaram impedir, por séculos, que as grandes maiorias indígenas acedessem ao poder, que desenvolvem campanhas racistas sistemáticas de discriminação, tentam agora impedir que a vontade majoritária do povo boliviano realize, pela primeira vez na história desse país, as políticas de um governo dirigido por um líder indígena.
.
Apesar da campanha eleitoral racista – em que 92% das notícias foram contrárias a Evo Morales e com caráter racista, conforme atestou a comissão internacional de acompanhamento da cobertura de imprensa -, o povo boliviano – de que 64% se reconhece como indígena – elegeu, em dezembro de 2005, a Evo Morales, no primeiro turno, com a maior votação que um presidente boliviano já obteve.
.
A reação das oligarquias locais não se fez esperar, assim que o governo passou a cumprir sua plataforma de campanha, nacionalizando os recursos naturais, convocando a Assembléia Constituinte, desenvolvendo políticas de distribuição de renda, começando o processo de reforma agrária, avançando na integração latino-americana, reconhecendo os direitos dos povos indígenas. Embora derrotada na grande maioria dos estados, a direita boliviana, apoiada na estrutura de seus partidos tradicionais, conseguiu eleger 6 governadores, mesmo onde Evo Morales havia triunfado e, baseado neles, tenta promover a divisão do país. Ou ameaça com ela, para tentar manter o poder regional sobre a terra, os recursos naturais, os impostos sobre as exportações e o poder para continuar submetendo aos povos indígenas.
.
Com minoria na Assembleia Constituinte, a direita tenta desestabilizar o pais, mediante mobilizações violentas, com metralhadoras, pistolas, bombas molotov, querendo bloquear o direito soberano e majoritário do povo boliviano de decidir o carater multi-étnico, multi-nacional, da nova Constituição. Usam os mesmos métodos violentos de sempre, se valem da atuação da embaixada dos EUA e de governos europeus, que alentam a oposição, preocupados em defender as empresas transnacionais que sempre exploraram a Bolivia, em conluio com essas forças que agora se rebelam contra a vontade popular.
.
Perder o poder sobre a terra, sobre os recursos naturais, que passam às mãos do povo boliviano, democrático representado pelo governo de Evo Morales, além do reconhecimento dos direitos de autonomia dos povos indígenas – torna-se insuportável para uma oligarquia que acostumou-se à apropriação privada do país para realizar seus interesses particulares.
.
O povo boliviano se pronunciará sobre o projeto de nova Constituição, aprovado pela maioria dos delegados e dotará ao país, pela primeira vez na sua história, de uma estrutura política e jurídica democrática e pluralista. Conta com o apoio popular na Bolívia e com a solidariedade dos povos e governos democráticos da América Latina.
.
Postado por Emir Sader, 26/11/2007 às 08:48

Frase de Lenin...

“É preciso sonhar, mas com a condição de crer em nosso sonho,
de observar com atenção a vida real, de confrontar a observação com nosso sonho, de realizar escrupulosamente nossas fantasias, sonhos, acredite neles."

Venezuela e Hugo Chávez: de novo a imprensa comeu bola

Internacional 03/12/2007 Copyleft

ANÁLISE DA NOTÍCIA

A avidez por manchetes e comentários apressados fez de novo nossa imprensa conservadora comer bola sobre a Venezuela. Todo mundo cantou a vitória do sim, e deu não. Mais uma vez, as teses presentes em análises na Carta Maior se confirmaram.

Flávio Aguiar - Carta Maior

De novo nossa imprensa comeu bola sobre a Venezuela. Em 2002 foi aquela vergonha dos nossos semanários e comentaristas saírem soltando foguetes na sexta-feira cantando em prosa e verso a queda de Hugo Chávez, enquanto no domingo à noite nele reentrava vitoriosamente no Palácio Miraflores reconduzido pelo povo e por militares legalistas que rejeitaram o tradicional papel sujo que as classes dirigentes sempre atribuíram às Forças Armadas na América Latina.
.
Desta vez foi o contrário. Embalados por bocas de urna duvidosas, comentaristas no domingo à noite e os jornais conservadores na segunda pela manhã anunciavam a vitória do “sim” no plebiscito venezuelano. As violas, violinos, guitarras, cellos e trombetas já se afinavam à torto e à direita. Seria uma vitória “apertada” numa “Venezuela dividida” e que permaneceria dividida enquanto Hugo Chávez permanecer no poder. Também se lançaria mão dos conhecidos acordes das “instituições em perigo”, do “enterro da democracia”, e por aí afora e adentro.
.
Pois o “não” ganhou. De repente, passou a importar pouco que as diferenças nas duas partes do plebiscito ficaram em torno de 1%, 1,5%. As manchetes do conservantismo proclamaram em uníssono: “A Venezuela”, assim em bloco, “A Venezuela disse não à reforma de Chávez”.
.
De quebra, ainda no domingo, falava-se da pesquisa sobre terceiro mandato no Brasil como se a rejeição a essa proposta fosse uma “derrota” para Lula. Enfim, é ainda a busca pelos derrotados em outubro do ano passado por impor alguma “derrota”, seja ela qual for, à vitória de Lula que tiveram de engolir.
.
Voltando à Venezuela. A vitória apertada do não e as reações subseqüentes confirmaram duas teses que estiveram presentes nas análises aqui da Carta Maior.
.
A primeiro é a de que o projeto de Chávez passava por dificuldades, que perdera apoios importantes e que as radicalizações do discurso do presidente venezuelano no plano externo visava provocar uma coesão que lhe faltava. Chávez embrulhou importantes e democráticas reformas no plano social com uma abertura para uma continuidade ilimitada no poder, o que provocou dois resultados complicados:
.
1) Perdeu apoio entre a intelectualidade e em setores do campo estudantil. Pode ser que setores universitários tenham se sentido ameaçados em suas prerrogativas pelas propostas igualitaristas que vinham no bojo do plebiscito. Mas houve uma perda de “impulso ideológico” que abriu espaço para posições contrárias às reformas. O plebiscito, tão complexo em sua totalidade, tendeu a se transformar na resposta a uma única questão, se Chávez poderia continuar indefinidamente na presidência, até que a morte os separasse (não são tolices as alegações de que ele possa ser assassinado), ou não. Isso “emparedou” o plebiscito e, se de um lado, mostrava a força do carisma do presidente, de outro expunha uma das fragilidades do movimento bolivariano, que é a dependência com exclusividade do comandante e do comando de Hugo Chávez. É verdade que, confirmando tese de Max Weber recentemente lembrada por José Luís Fiori em entrevista à Folha de S. Paulo, na América Latina tradicionalmente políticas inclusivas sempre foram bandeira de políticos carismáticos, de estilo acaudilhado e acaudilhantes, nunca dos nossos políticos liberais, que em geral representam aqueles que não se liberam jamais da visão de seus foros de privilégio e de benesses estatais chamadas de “investimento”. Vejam-se os exemplos históricos de Vargas, Perón e Cárdenas
.
2) A segunda tese presente em análises na Carta Maior foi comprovada, pelo menos de momento, pela reação do presidente Hugo Chávez ao resultado negativo no plebiscito. Ao contrário da direita venezuelana, que não aceitaria a vitória do “sim”, e da direita internacional, inclusive na imprensa, que já preparava a tese da fraude eleitoral, Chávez aceitou de pronto o resultado, ainda que declarasse que o projeto continua de pé. Sua declaração sobre a manutenção do projeto não contraria prática democrática nenhuma. Por exemplo, o projeto de independência ou de maior autonomia do Québec em relação ao restante do Canadá já foi plebiscitado duas vezes nos últimos 28 anos, sem que se levante um único comentarista irado dizendo que isso afronta a democracia. Na América Latina quem volta e meia não respeitou resultado eleitoral ou plebiscitário foi a direita, ou dando golpes depois ou mesmo antes, como nas recentes eleições mexicanas, seguindo o exemplo inaugurado pela “eleição” de Bush filho com a trucagem na Flórida. O comportamento de Chávez comprovou nosso comentário de que na Venezuela sim dividida entre uma massa popular permanentemente excluída da vida republicana e dos direitos da cidadania e uma minoria de privilegiados que patrocinavam um sistema político fechado e inextrincavelmente corrupto, Chávez é um ponto de equilíbrio, e não o contrário.
.
As manchetes conservadoras se perguntam com estardalhaço qual será agora o futuro de Hugo Chávez e de seu governo. É bom nos perguntarmos qual será o futuro da direita venezuelana, impulsionada por esta inesperada e até incômoda vitória no plebiscito de domingo passado. (Incômoda porque lhe traz a obrigação da democracia, o que é um peso para ela). Retomará sua inspiração golpista que pode lançar o país numa guerra civil?

Cancion con todos

Salgo a caminar
Por la cintura cosmica del sur
Piso en la region
Mas vegetal del viento y de la luz
Siento al caminar
Toda la piel de america en mi piel
Y anda en mi sangre un rio
Que libera en mi voz su caudal.

Sol de alto peru
Rostro bolivia estaño y soledad
Un verde brasil
Besa mi chile cobre y mineral
Subo desde el sur
Hacia la entraña america y total
Pura raiz de un grito
Destinado a crecer y a estallar.

Todas las voces todas
Todas las manos todas
Toda la sangre puede
Ser cancion en el viento
Canta conmigo canta
Hermano americano
Libera tu esperanza
Con un grito en la voz