Páginas

pergunta:

"Até quando vamos ter que agüentar a apropriação da idéia de 'liberdade de imprensa', de 'liberdade de expressão', pelos proprietários da grande mídia mercantil – os Frias, os Marinhos, os Mesquitas, os Civitas -, que as definem como sua liberdade de dizer o que acham e de designar quem ocupa os espaços escritos, falados e vistos, para reproduzir o mesmo discurso, o pensamento único dos monopólios privados?"

Emir Sader

30.10.15

Mãe de Bolsonaro: "Ele era humilde, não era de falar besteira"

Mãe de Bolsonaro: "Ele era humilde, não era de falar besteira"

"Criei com muito amor. Não queria que fosse uma criança estúpida, bruta, falasse besteira. Dava comidinha na hora certa [...]". Após Bolsonaro afirmar que mulheres devem receber salário menor por possibilidade de engravidar, reportagem foi saber o que pensa a mãe do deputado sobre suas declarações e como ele foi criado. Apesar das polêmicas, mãe diz compreender 'o jeito' do filho

olinda bolsonaro mãe jair
Dona Olinda, mãe de Jair Bolsonaro, diz que na infância filho era "manso e humilde" (Montagem: Pragmatismo Político)

O deputado federal Jair Bolsonaro (PP/RJ), recentemente, afirmou que as mulheres deveriam receber salário menor porque engravidam e prejudicam o empresariado, com a licença-maternidade. A revistaCrescer, escrita para mães e gestantes, resolveu procurar a mãe do deputado para uma entrevista.

"Era digno, não era de falar besteira", disse Dona Olinda Bonturi, de 89 anos, à revista. Durante a conversa, a mãe de Bolsonaro revela como o educou: "com amor, muito amor". "Não maltratei nunca um filho, nunca fiquei brava nem disse: 'Vai apanhar'. Apanhar, não. A gente conversa com a criança", contou a senhora.

"Não queria que fosse uma criança estúpida, bruta, falasse besteira", disse Dona Olinda.

Quando criança, sua mãe relatou, emocionada, que ele "era humilde, manso, (…) reservado, quieto, compreensivo, um filho mesmo maravilhoso".

A mãe reconhece o posicionamento impulsivo do filho e que ele mudou em relação à infância, mas garante que Bolsonaro não é má pessoa. "É o jeito dele", diz.

Bolsonaro é o terceiro de seis filhos: três homens e três mulheres. O parlamentar fez carreira no Exército. Hoje, é capitão da reserva. Está no terceiro casamento, deu cinco netos à dona Olinda.

Polêmicas

Bolsonaro coleciona uma série de declarações polêmicas. O deputado já chegou a afirmar que prefere que o seu filho morra em um acidente do que "apareça com um bigodudo". Em outro episódio embaraçoso, o parlamentar disse que a deputada Maria do Rosário não merecia ser estuprada por ser feia.

No ano passado, Bolsonaro xingou uma repórter que o entrevistava, ao vivo. Manuela Borges foi chamada de idiota e analfabeta, além de ouvir a frase "você está censurada" da boca do parlamentar. Manuela processou o deputado.

Leia aqui a entrevista completa da mãe de Bolsonaro na Revista Crescer

com Jornal GGN

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook


http://www.pragmatismopolitico.com.br/2015/03/mae-de-bolsonaro-ele-era-humilde-nao-era-de-falar-besteira.html 

Los Curas en opción por los pobres convocó a "no votar por el liberalismo" y destacó al Kirchenrismo

Política  | Elecciones 2013

Los Curas en opción por los pobres convocó a "no votar por el liberalismo" y destacó al Kirchenrismo

El grupo de Curas en la opción por los pobres pidió que para las elecciones "escuche propuestas y no sloganes pegadizos y agradables, pero vacíos de contenido". "Los cristianos no podemos votar proyectos basados en el liberalismo económico", expresaron.  

Viernes 11 de Octubre de 2013 | 12:22

Galería de Imágenes

En la web oficial del grupo de los curas en opción por los pobres (Click aquífigura el documento oficial de cara a las elecciones del 27 de octubre. En este sentido, en el texto, los sacerdotes destacaron los avances sociales durante los gobiernos kirchneristas. Asignación Universal por Hijo, crecimiento de la producción y el empleo o los planes Conectar Igualdad o Pro.Cre.Ar, fueron algunos de los puntos reconocidos. 

No obstante, agregaron las asignaturas pendientes en la coyuntura actual y, al respecto, señalaron a la inflación y a la mejora en la distribución de la renta y de la movilidad social. 

 "En política se eligen `proyectos´, es decir, propuestas del país que queremos, y los medios para lograrlo. Como grupo de curas, no imaginamos ni queremos un proyecto que no pretenda ser cada vez más inclusivo, en el que los pobres sean no solamente destinatarios de buenas políticas sino verdaderos protagonistas", indicaron, en uno de los párrafos. 

En igual camino argumentativo, los sacerdotes de la iglesia católica nucleados en este movimiento explicaron que en un "proyecto se tiene en cuenta de dónde se viene, en dónde se está y hacia dónde se quiere ir". 

"Invitamos a todas y todos a recordar las consecuencias funestas del neoliberalismo de los 90, continuación de lo empezado en la dictadura cívico-militar, y alertamos ante los intentos visibles o encubiertos que pretenden que volvamos a esa `noche oscura´. No hace falta demasiada memoria para recordar cómo ese proyecto hundió el país y provocó hambre, desocupación, injusticia, desigualdades y muerte", observaron. 

Finalmente, y entre muchos otros tramos de la nota publicada, el grupo de Curas en opción por los pobres aseveró que "como creyentes cristianos no pueden olvidar la Doctrina Social de la Iglesia a la hora de decidir un voto". "Y -añadieron- en estos valores podemos coincidir también con muchos no cristianos o no creyentes de nuestra patria. No podemos pensar en votar proyectos basados en la autodenominada ortodoxia económica del libre mercado. El proyecto económico liberal se opone a la mirada cristiana, ya que la libre competencia y la acumulación de lucro se convierten en absolutos en pos de los cuales", consignaron. (Redacción de Babel)



A continuación se reproduce textual el comunicado de los Curas en opción por los pobres: 

Mensaje a la sociedad argentina con motivo de las próximas elecciones legislativas del 27 de octubre
En nuestro pasado encuentro nacional de curas, en agosto, hicimos llegar a la sociedad un mensaje con motivo de los 30 años de democracia. Celebrando una nueva jornada electoral el próximo 27 de octubre, quisiéramos invitar –en ese mismo marco- a nuestras hermanas y hermanos argentinos a reflexionar juntos:
 
En política se eligen "proyectos", es decir, propuestas del país que queremos, y los medios para lograrlo. Como grupo de curas, no imaginamos ni queremos un proyecto que no pretenda ser cada vez más inclusivo, en el que los pobres sean no solamente destinatarios de buenas políticas sino verdaderos protagonistas.
 
En un "proyecto" se tiene en cuenta de dónde venimos, dónde estamos y hacia dónde queremos ir. Invitamos a todas y todos a recordar las consecuencias funestas del neoliberalismo de los 90, continuación de lo empezado en la dictadura cívico-militar, y alertamos ante los intentos visibles o encubiertos que pretenden que volvamos a esa "noche oscura". No hace falta demasiada memoria para recordar cómo ese proyecto hundió el país y provocó hambre, desocupación, injusticia, desigualdades y muerte.
 
Reconocemos muchos logros en nuestro momento presente, como la recuperación de la producción y el empleo, el mejoramiento de los principales indicadores sociales; la discusión del salario en paritarias; la Asignación Universal por Hijo y madres embarazadas; el plan Conectar Igualdad y el plan ProCreAr; una más justa movilidad jubilatoria, y la recuperación de la jubilación solidaria; el lugar dado a la Educación y la importancia que las escuelas primarias y secundarias tienen a lo largo y ancho del país: en 10 años se sextuplicó el presupuesto educativo y se crearon nueve universidades públicas y el Ministerio de Ciencia, Tecnología e Innovación Productiva; la mayor presencia del Estado en inversiones para beneficio público y control de la actividad privada o en la re-estatización de algunos servicios, ya que las empresas deben servir a un proyecto de país y no a los arbitrios del capital.
 
Sabemos que falta mucho todavía. Observamos limitaciones en lo referido a la desvalorización del poder adquisitivo del salario afectado por la inflación y la necesidad de una más justa distribución de la renta y la movilidad social ascendente que siga disminuyendo los niveles de pobreza; la incidencia negativa del empleo no registrado, aun cuando se ha reducido significativamente desde fines de 2003; el acceso a la vivienda y la tierra como derechos constitucionales por encima de las imposiciones del mercado.
 
Como creyentes cristianos que somos no podemos olvidar la Doctrina Social de la Iglesia a la hora de decidir un voto.  Y en estos valores podemos coincidir también con muchos no cristianos o no creyentes de nuestra patria. No podemos pensar en votar proyectos basados en la autodenominada ortodoxia económica del libre mercado. El proyecto económico liberal se opone a la mirada cristiana, ya que la libre competencia y la acumulación de lucro se convierten en absolutos en pos de los cuales "se sacrifica todo, acentuando la desigualdad y la marginación de las grandes mayorías" (Puebla 194).  Un proyecto inclusivo no consiste en dar migajas a los pobres, porque "no se trata sólo de dar lo superfluo a quien está necesitado, sino de ayudar a pueblos enteros -que están excluidos o marginados- a que entren en el círculo del desarrollo económico y humano; esto será posible no sólo utilizando lo superfluo que nuestro mundo produce en abundancia, sino cambiando sobre todo los estilos de vida, los modelos de producción y de consumo, las estructuras consolidadas de poder que rigen hoy la sociedad" (Centesimus Annus 58). El papa Francisco ha señalado también que "la adoración del antiguo becerro de oro ha encontrado una versión nueva y despiadada en el fetichismo del dinero y en la dictadura de la economía sin un rostro y un objetivo verdaderamente humano" (Discurso a los embajadores de Kirguistán, Antigua y Barbuda, Luxemburgo y Botswana, 16/5/2013).
 
Los cristianos no podemos votar proyectos basados en el liberalismo económico que acentúen el individualismo y la primacía de la ganancia personal. Hemos de fijar la mirada en proyectos colectivos e inclusivos, con fuerte presencia del Estado como garante de lo público y regulador de la igualdad de oportunidades desde la justicia social y el bien común, ya que la propiedad privada no es un dogma intocable, debe tener un sano límite impuesto por la necesidad de todos. Dice el Concilio Vaticano II que "Dios ha destinado la tierra y cuanto ella contiene para el uso de todo el género humano. Por consiguiente, los bienes creados deben llegar a todos de una manera equitativa, dirigida por la justicia y acompañada por la caridad" (Gaudium et Spes 69). La propiedad privada es un derecho  secundario, el único derecho natural primario es el destino universal de los bienes. Para Jesús de Nazaret la acumulación de ganancia no puede ser un fin en sí mismo, los bienes deben circular, y la economía no puede estar desconectada de la sociedad: "¡Necio! Esta misma noche te reclamarán el alma; ¿y para quien será lo que has acumulado?" (Lc 12,20)

Sabemos que en una campaña electoral muchos candidatos y candidatas intentan convencer al público que resolverán todos los problemas (apoyados por asesores de imagen venidos del ámbito del marketing publicitario que venden tanto electrodomésticos como personas), pero son en realidad globos inflados sin sustancia o sin proyecto visible y público. Invitamos a nuestros hermanos y hermanas a escuchar propuestas y no slogans pegadizos y agradables a los oídos pero vacíos de contenido como cuando se habla livianamente de la "inseguridad" o de "la plata de los jubilados". Recordando que estas elecciones definen cargos legislativos y no ejecutivos, alentamos a los candidatos a expresar a la sociedad sus ideales, sus proyectos y el modelo de país que defienden. Debemos exigir como ciudadanos que los candidatos propuestos digan clara y explícitamente qué van a hacer, cómo lo van a hacer, y con qué recursos, y que –escuchando atentamente- sepamos elegir la propuesta que según nuestro criterio, mejor defienda a los pobres. Si bien es cierto que la corrupción y la deshonestidad pueden opacar las buenas ideas e incluso frustrarlas y se debe trabajar para erradicarlas, tampoco podemos caer en la tentación -inducida por muchos- de desestimar el decisivo valor de la política como herramienta necesaria para construir futuro. Si se imponen conceptos con cierto fundamento en la realidad pero superficiales) tales como "los políticos son todos corruptos", estaremos abonando el terreno para las ideas autoritarias, economicistas, antipopulares y antidemocráticas.
 
Deseamos fervientemente una jornada electoral desarrollada como fiesta democrática, en armonía y en paz, sin menospreciar la enorme alegría de vivir en libertad para expresar nuestras ideas y convicciones políticas a través del voto. 

Juíza da Zelotes diz que desconhece pedido da PF para ouvir filho Lula

 29/out/2015, 19h26min

Juíza da Zelotes diz que desconhece pedido da PF para ouvir filho Lula



Da Agência Brasil

A juíza Célia Regina Ody Bernardes, da 10ª Vara Federal do Distrito Federal, responsável pela investigação da Operação Zelotes, informou nesta quinta-feira (29) que desconhece pedido da Polícia Federal (PF) para tomar depoimento do filho do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Luiz Cláudio Lula da Silva. A PF intimou Luiz Claudio na noite da última terça-feira (27), data na qual o ex-presidente Lula comemorou 70 anos.

A PF decidiu tomar o depoimento após a deflagração da quarta fase da Operação Zelotes, que fez busca e apreensão na sede das empresas LFT Marketing Esportivo e da Touchdown Promoção de Eventos Esportivos Ltda, cujo sócio é Luiz Claudio.

A juíza Célia Regina deferiu um pedido de busca no escritório do filho do ex-presidente, feito pela PF na segunda-feira (26), por entender ser "muito suspeito" que a LFT Marketing Esportivo tenha recebido R$ 1,5 milhão da empresa de consultoria Marcondes Mautoni, que têm contratos com a Administração Pública e é investigada na Operação Zelotes.

Em nota, a juíza esclareceu que não há processos relacionados à Zelotes, pelo fato de os investigados não terem sido denunciados pelo Ministério Público Federal (MPF). "Sou a única juíza com atribuição para os procedimentos judicializados da Operação Zelotes. Digo procedimentos, e não processos, pois ainda não foi oferecida nenhuma denúncia por parte do MPF. Somente haverá processo penal propriamente dito se vier a ser recebida eventual denúncia oferecida pelo MPF", disse a juíza.

As primeiras fases da Zelotes investigaram a manipulação de julgamentos do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), ligado ao Ministério da Fazenda. A PF estima que foram desviados mais de R$ 19 bilhões. No entanto, durante o desenrolar das investigações, a polícia e o Ministério Público Federal (MPF) encontraram indícios sobre a suposta negociação na edição de três medidas provisórias (MPs) que beneficiaram empresas do setor automobilístico.

http://www.sul21.com.br/jornal/juiza-da-zelotes-diz-que-desconhece-pedido-da-pf-para-ouvir-filho-lula/


29.10.15

A criminalização do pensamento crítico

A criminalização do pensamento crítico

Luis Felipe Miguel escola sem partidoPor Luis Felipe Miguel.

 

Entre as múltiplas ameaças de retrocesso que surgem do Congresso Nacional hoje, uma das mais graves é a voltada à educação. O espantalho da "doutrinação" dos alunos por professores esquerdistas é um pretexto para a criminalização do pensamento crítico em sala de aula, frustrando o objetivo pedagógico de produzir cidadãos e cidadãs capazes de reflexão autônoma, respeitosos das diferenças, acostumados ao debate e à dissensão, conscientes de seu papel, individual e coletivo, na reprodução e na transformação do mundo social. Em seu lugar, voltamos à ultrapassada compreensão de uma educação limitada à transmissão de "conteúdos" factuais, dos quais o professor é um mero repetidor e o aluno, receptáculo passivo. O slogan vazio da "escola sem partido" busca passar a ideia de que o ensino acrítico é "neutro", quando, na verdade, ao naturalizar o mundo existente e inibir a discussão sobre suas contradições internas, é um mecanismo poderoso de reprodução do status quo.

São diversos projetos em tramitação no Congresso, que partem do veredito comum de que haveria um esforço de doutrinamento em curso, seja pelo PT, seja pela esquerda de modo geral, que faria com que as escolas tivessem se tornado centros de difusão do socialismo e/ou do feminismo. É uma reação ao arejamento – na verdade, ainda muito insuficiente – das práticas pedagógicas; uma reação que não vem de hoje, mas que se intensificou com a ofensiva diretista dos últimos anos. Alguns talvez se lembrem que, nos anos finais da ditadura militar, pré-escolas alternativas eram acusadas de adotar cartilhas marxistas. É o mesmo tipo de paranoia, mas agora vendo o pretenso doutrinamento como política de Estado, que está por trás das fantasias do movimento Escola Sem Partido, do repúdio a Paulo Freire nas manifestações públicas da direita ou da reação histérica à recente prova do ENEM.

Cada vez que a escola se desloca, por pouco que seja, de seu papel tradicional de aparelho ideológico reprodutor da ordem social, erguem-se as bandeiras de "doutrinamento". A manobra argumentativa é evidente. A reprodução transita como "não ideológica" porque a ordem social vigente é naturalizada. É como se ela não fosse o fruto de processos históricos, de conflitos sociais com ganhadores e perdedores, mas um dado da realidade que existe por si só. A "neutralidade" do discurso que não questiona o porquê do mundo social ser como é, nem indica que essa ordenação não é uma necessidade, é falsa: ele é um elemento ativo de perpetuação, uma maneira de bloquear as potencialidades de mudança presentes do mundo em que vivemos.

Na atual ofensiva da direita brasileira, há dois alvos simultâneos. Permanece o ódio ao marxismo e, de modo mais geral, a qualquer forma de questionamento à desigualdade de classe. É sustentado por uma leitura delirante da teoria de Gramsci, difundida pelo astrólogo Olavo de Carvalho, em que a ideia de uma luta pela produção de sentido no mundo social é transformada num plano diabólico de lavagem cerebral em massa.

Mas há uma grande ênfase também na denúncia contra qualquer tentativa de desnaturalizar os papéis estereotipados atribuídos a mulheres e homens. É a "ideologia de gênero", termo que foi cunhado pelos setores conservadores da Igreja Católica, mas adotado também por denominações protestantes, e colocada em curso em vários países do mundo, entre eles o Brasil, como forma de organizar a oposição aos avanços – mais lentos do que gostaríamos, mas inquestionáveis – na direção de maior igualdade entre os sexos e maior respeito a gays e lésbicas. Ao afirmar que "ideológica" é a luta contra a discriminação de gênero, fica implícito que a desigualdade e a intolerância seriam naturais.

O rótulo "ideologia de gênero" foi rapidamente incorporado à linguagem destes grupos. Sintético, ele permite que se descarte, sem discussão, tudo aquilo que já se sabe sobre a produção social do feminino e do masculino. Quando militantes conservadores reagem à frase de Simone de Beauvoir incluída na prova do ENEM escrevendo coisas como "eu nasci mulher sim, nasci com vagina", como se viu nas redes sociais, revelam, mais do que apenas uma ignorância brutal e constrangedora, uma impermeabilidade deliberada a qualquer discussão sobre o tema.

Ao lado da ameaça que a emancipação feminina e a conquista dos direitos degays e lésbicas de fato representa aos privilégios de homens e de heterossexuais, e ao lado também do fundamentalismo religioso de alguns, há no destaque dado à "ideologia de gênero" uma demonstração de oportunismo político. Como afirmei em outro lugar, hoje a homofobia é o ópio do povo. Deslocando o eixo do conflito para as questões "morais" (que, na verdade, são questões de direitos individuais), a direita se põe em sintonia com uma parcela do eleitorado que, sobretudo a partir das políticas compensatórias do governo Lula, se movimentava na direção de seus adversários. Também por isso, para as forças da esquerda a luta pela igualdade de gênero e contra a homofobia não pode ser considerada uma pauta secundária.

Entre os projetos em tramitação no Congresso, vários têm o fantasma da "ideologia de gênero" como alvo. O PL 7180/2014 e o PL 7181/2014, ambos de autoria de Erivelton Santana (PSC/BA), determinam a mesma coisa: que "os valores de ordem familiar [têm] precedência sobre a educação escolar nos aspectos relacionados à educação moral, sexual e religiosa, vedada a transversalidade ou técnicas subliminares no ensino desses temas". O primeiro projeto visa instituir esta regra na Lei de Diretrizes e Bases da Educação e o outro, redundantemente, quer torná-la obrigatória nos parâmetros curriculares (que já devem obedecer à LDBE).

A intocabilidade da família, como sujeito coletivo com direitos próprios, irredutíveis aos de seus integrantes, é o que fundamenta tal proposta. Muitas vezes, mesmo os grupos mais progressistas têm receio de discutir o statusatribuído à unidade familiar, preferindo deslocar a luta para a necessidade de pluralizar o entendimento do que é família. Claro que que é importante dar a todos que o queiram a possibilidade de buscar formar famílias, no formato que desejem, mas ainda precisamos dessacralizar a "família". A família é também um lugar de opressão e de violência. A defesa de uma concepção plural de família não pode colocar em segundo plano a ideia de que, em primeiro lugar, estão os direitos individuais dos seus integrantes. E entre estes direitos está o de ter acesso a uma pluralidade de visões de mundo, a fim de ampliar a possibilidade de produção autônoma de suas próprias ideias.

As propostas do deputado baiano impedem a educação sexual e o combate ao preconceito e à intolerância nas escolas, sob o argumento de preservar a soberania da família na formação "moral" dos mais novos. Com isso, retiram da escola a possibilidade de contribuir para disseminar os valores de igualdade e de respeito à diferença, que são cruciais para uma sociedade democrática. E retiram dos jovens o direito de ter acesso a informações que são necessárias para que eles possam refletir sobre sua própria posição nesse mundo e avançar de maneira segura para a vida adulta.

Ainda mais bisonho, o PL 1859/2015, de autoria de Izalci Lucas (PSDB/DF), Givaldo Carimbão (PROS/AL) e outros, propõe que a LDBE inclua dispositivo que proíba as escolas de apresentar conteúdo "que tendam a aplicar a ideologia de gênero, o termo 'gênero' ou 'orientação sexual'". A política linguística destes deputados incorpora ao vocabulário legislativo o termo "ideologia de gênero", inventado recentemente pela direita fundamentalista, e veta do vocabulário escolar os termos "gênero" e "orientação sexual", impedindo assim que vastos setores do conhecimento produzido na sociologia e na psicologia cheguem ao ensino. O objetivo é evitar qualquer questionamento da percepção naturalizada dos papéis sexuais. É por isso que, quase 70 anos depois, Simone de Beauvoir ainda causa arrepios.

Na mesma linha, o PL 2731/2015, de Eros Biondini (PTB/MG), quer incluir, no Plano Nacional de Educação, uma proibição à "utilização de qualquer tipo de ideologia na educação nacional, em especial o uso da ideologia de gênero, orientação sexual, identidade de gênero e seus derivados, sob qualquer pretexto". Para além do absurdo do texto (uma "ideologia" é "utilizada" na "educação nacional"?), o PL é significativo pelas punições previstas. O profissional de educação que descumprir a norma, isto é, que tematizar a desigualdade de gênero ou a homofobia, ou mesmo que apresente qualquer raciocínio crítico que seja rotulado como "ideológico", perderá o cargo e estará sujeito às punições previstas, no Estatuto da Criança e do Adolescente, àqueles que submetem "criança ou adolescente sob sua autoridade, guarda ou vigilância a vexame ou constrangimento ilegal": seis meses a dois anos de prisão.

O projeto mais ambicioso, porém, é o PL 867/2015, novamente de Izalci Lucas, que é representante da ala do PSDB mais despreparada intelectualmente e retrógrada politicamente. Seu objetivo é incluir, nas diretrizes e bases da educação nacional, um programa intitulado "Escola sem Partido". De fato, o deputado simplesmente apõe seu nome à iniciativa do "movimento" de mesmo nome. Assim, a educação deve ser baseada na "neutralidade política" e a escola não pode desenvolver nenhuma atividade que possa "estar em conflito com as convicções religiosas ou morais dos pais ou responsáveis pelos estudantes". Embora escolas confessionais privadas possam exercer seu proselitismo, desde que contem com a anuência dos pais. O artigo 5º prevê que serão afixados cartazes nas escolas para que os estudantes saibam que podem denunciar seus professores. O programa se aplica ao material didático e a todos os níveis de ensino, incluindo o superior.

Os dois pilares são, portanto, a soberania da família, que se sobrepõe ao direito do estudante de obter elementos para produzir de forma autônoma sua visão de mundo, e uma ideia de "neutralidade" que se baseia na ficção de um conhecimento que não é situado socialmente. Um relato da história do Brasil ou do mundo que se limite a nomes ou datas, como no ensino do regime militar, pode parecer "neutro", por não assumir expressamente juízos de valor. Mas, ao negar ao aluno as condições de situar os processos históricos e de compreender os interesses em conflito, cumpre um inegável papel conservador.

Se a "neutralidade" não existe, uma vez que toda produção de conhecimento parte de um lugar social específico, qual é o contrário da doutrinação? É o pensamento crítico, aquele que permite que os estudantes sejam não objetos, mas sujeitos da aprendizagem, refletindo sobre os conteúdos e construindo suas próprias percepções, no diálogo com professores e colegas. É esse pensamento crítico que assusta os promotores da "Escola sem Partido". Seu discurso ensaiado não disfarça o fato de que são eles que desejam uma escola doutrinária, que imponha aos estudantes um pensamento fechado – o conformismo – e os impeça de pensar com as próprias cabeças e, pensando, quem sabe inventar um mundo novo.

***

Luis Felipe Miguel é professor do Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília, onde edita a Revista Brasileira de Ciência Política e coordena o Grupo de Pesquisa sobre Democracia e Desigualdades – Demodê, que mantém o Blog do Demodê, onde escreve regularmente. Autor, entre outros, de Democracia e representação: territórias em disputa (Editora Unesp, 2014), e, junto com Flávia Biroli, de Feminismo e política: uma introdução (Boitempo, 2014). Ambos colaboram com o Blog da Boitempo mensalmente às sextas.

http://blogdaboitempo.com.br/2015/10/29/a-criminalizacao-do-pensamento-critico/


Sartori vai para a pura chantagem

 29/out/2015, 8h20min

Sartori vai para a pura chantagem

Por Antônio Escosteguy Castro

Pela quinta vez em um mês, o Governo Sartori não conseguiu aprovar na Assembleia Legislativa o projeto que reduz as RPVs, destinado a poupar cerca de 1 bilhão de reais por ano num calote às dívidas judiciais do estado. Não foi por falta de esforço. A base governista chegou até ao desgaste de absolver o Deputado Baseggio da cassação do mandato para assegurar o apoio do PDT. Mesmo assim, não adiantou.

A fragilidade do governo deriva da completa ausência de um programa de enfrentamento da crise. Pouco ou quase nada foi feito até o aumento do ICMS e muito pouco ou quase nada foi feito depois do aumento do ICMS. Ninguém sente firmeza no Governo Sartori e como consequência sua base parlamentar reluta em aprovar mais uma medida altamente impopular. Afinal, todo mundo tem uma tia, um irmão ou um amigo que é credor do estado e ficará sem receber.

A reação do governo do estado a mais um fracasso foi apelar para a total chantagem à sociedade. Primeiro, anunciou que os salários voltariam a atrasar em outubro, buscando reeditar o movimento que deu certo para a aprovação do aumento do ICMS. O efeito do anúncio desta vez, porém, não foi o mesmo. E o governo, então, decidiu elevar o tom e ameaçou cortar o repasse dos demais poderes, afirmando que não vai pagar o 13º salário do Judiciário e do Legislativo. O objetivo da manobra é claro: colocar a pressão nos deputados a partir dos próprios funcionários da Assembleia e quebrar o apoio do Judiciário à rejeição do projeto que reduz as RPVs.

Uma política de total e aberta chantagem só pode se realizar com o completo apoio do Grupo RBS e seus veículos. E o poderoso, endividado e investigado grupo gaúcho tem cumprido seu papel. Seus jornais, rádios e televisões passam o dia inteiro trombeteando o caos das finanças estaduais e os esforços de Sartori em por a ordem na casa. Sob investigação na Operação Zelotes e ameaçado com uma dívida de centenas de milhões de reais, o Grupo RBS, frente à cada vez mais minguada possibilidade do impeachment de Dilma, tem migrado mais solidamente para o apoio à Sartori, apostando num processo de privatização das estradas e das empresas estatais que sobraram do Governo Brito como forma de resolver ou minorar seus problemas financeiros.

Mas Sartori não é Brito. Verdade que o Sartorão da Massa é mais simpaticão que o Brito. Mas fica nisto. Antonio Brito tinha um projeto claro de governo e mobilizava amplos setores da sociedade em direção ao que apresentava como sendo a modernidade. Além disto, Brito teve o alívio da dívida , momentâneo mas real, em seu mandato e Sartori, de forma equivocada, rejeitou negociar com a União, apostando na judicialização e na queda de Dilma.

A inconsistência do Governo Sartori , sua falta de objetivos e propostas claras, dificulta a apresentação de medidas tão ousadas como a privatização da CEEE ou a abertura da CORSAN para as PPPs na água e esgoto. A lentidão do governo em mover-se, ademais, ainda faz duvidar que tais medidas, mesmo se eventualmente aprovadas, consigam ser implementadas dentro do atual mandato.

O governo, mais uma vez, está paralisado, esperando que a operação chantagem faça efeito e que o projeto das RPVs venha, afinal, a ser aprovado. Mas mesmo que o seja, e daí? O que vem a seguir? Infelizmente, não consigo encerrar a coluna de outra forma: Pobre Rio Grande.

.oOo.

Antônio Escosteguy Castro é advogado.


http://www.sul21.com.br/jornal/sartori-vai-para-a-pura-chantagem/

Documentário retrata luta de Betinho por um Brasil mais justo

CINEMA

Documentário retrata luta de Betinho por um Brasil mais justo

'Betinho – A Esperança Equilibrista', de Victor Lopes, conta a trajetória pessoal e de ativismo de Herbert de Souza, que completaria 80 anos em novembro. Filme estreia na quinta (29)
por Xandra Stefanel, especial para RBA publicado 28/10/2015 19:00, última modificação 28/10/2015 19:28
DIVULGAÇÃO
Betinho

'Comecei a escutar aquela música pelo telefone e me dei conta que era o hino da anista e que eu era parte dele'

"O que aconteceu comigo ao longo da vida foi uma sucessão infinita de sortes. Eu não era para estar vivo quando eu nasci porque hemofílico não sobrevivia. Depois eu sobrevivi a uma tuberculose, quando tuberculose era aids ou câncer, a lepra dos anos 1950. Eu sobrevivi à clandestinidade. Estou sobrevivendo a aids. E sempre na risca." Este depoimento de Herbert de Souza faz parte do documentário Betinho – A Esperança Equilibrista, de Victor Lopes, que estreia nesta quinta-feira (29) nas salas de cinema.

O filme traz a trajetória do sociólogo e evidencia o que milhares de pessoas já sabem, mas que é importante salientar: o Brasil teve muita sorte por ter tido Betinho, um filho que não fugiu de nenhuma luta. Morto em 1997 em decorrência de complicações ligadas ao HIV, seus 62 anos de vida foram suficientes para começar a mudar a história do país. Ele completaria 80 anos em 3 de novembro.

Além de ter lutado contra a hemofilia, a tuberculose e a aids, ele travou outras batalhas. Seu passaporte para o engajamento social e político foi o envolvimento com a Ação Católica. Com o golpe militar, caiu na clandestinidade, exilou-se, teve de ir para Uruguai, Chile, Panamá e Canadá para não ser morto pela ditadura brasileira. Resistiu à saudade, ao frio e à distância do país que amava por não poder voltar. O sofrimento era parte de sua vigília contra a morte que lhe perseguia desde que nasceu. Mas nem por isso, ele deixou de fazer sua parte, de pensar no próximo e em seu país.

No documentário, toda a história é narrada pelo próprio Betinho por meio de entrevistas de arquivo, além de depoimentos de parentes, amigos e companheiros de batalhas. Uma das pessoas entrevistadas é a primeira mulher, Irles Carvalho, com quem ele teve de se casar por procuração, já que estava no Uruguai. Com ela, teve Daniel Souza: "Eu nasci já no golpe, já na clandestinidade. Naquela época todo mundo tinha nome falso, não podia ficar no mesmo lugar, tinha de estar o tempo todo mudando. Meus pais trabalhavam não na luta armada, mas militavam na questão da alfabetização, ou seja, era muito mais na conscientização do que efetivamente numa luta armada. Eu acredito que o relacionamento nessa situação não deve ter sido fácil. O casamento, na verdade, não durou muito", lembra Daniel.

A segunda mulher, Maria Nakano, também dá depoimentos emocionados sobre o grande amor de sua vida e parceiro nos combates contra a ditadura: a dura despedida antes de Betinho ir para o Chile em seu primeiro exílio "oficial", o reencontro, a descoberta das verdadeiras identidades de cada um, o apuro que passaram quando veio o golpe de Pinochet, entre outros. O que o diretor Victor Lopes faz no filme é mesclar harmoniosamente o universo íntimo de um calmo guerreiro com os fronts nos quais o personagem duelou pela democracia, contra a corrupção, a miséria e a fome.

Um dos momentos mais emocionantes do documentário é sua volta ao Brasil, imagens marcantes da anistia. O reencontro com o irmão, o cartunista Henfil, e com muitos amigos que Betinho nem imaginava mais ver, é embalado pela canção O Bêbado e A Equilibrista, de João Bosco e Aldir Blanc, na voz de centenas de pessoas que o esperavam no aeroporto. "Eu acompanhava a anistia por meio do Henfil. O Henfil fazia uma luta nacional pela anistia por meio das cartas que ele escrevia pra mãe e me colocava como a razão pela qual ele lutava pela anistia, porque ele queria que eu voltasse. (…) Foi o Henfil que me telefonou e disse escuta aí. E aí eu comecei a escutar aquela música pelo telefone, que falava sobre o bêbado, a equilibrista e não sei o que… E num determinado pedaço, entra a Elis cantando: 'O Brasil que sonha com a volta do irmão do Henfil'. Aí foi que eu me dei conta que estava diante do hino da anistia e que eu era parte deste hino", declara Betinho.

Ação da Cidadania

De volta ao país, Betinho teve saúde o suficiente para ajudar outras milhares de vidas que lutavam contra a fome e a miséria. Criou o Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase) e a Campanha Ação da Cidadania contra a Fome, a Miséria e pela Vida, na qual reuniu artistas, publicitários, empresários, a sociedade civil e impulsionou governos a fazer o que tinha de ser feito para combater a fome.

Além disso, ele fez uma intensa campanha pelo acesso aos tratamentos contra a aids e para que mais ninguém fosse contaminado ao fazer transfusão de sangue, como aconteceu com ele. O que ele faz é "transformar a coisa do sangue e exigir regulamentação, porque o sangue era comercializado neste país. E daí, a Constituição reconhece a doação e o controle pelo Estado na qualidade do sangue, porque até aí, não tinha", lembra o sociólogo Cândido Grzybowski, diretor do Ibase.

As toneladas de alimentos arrecadadas pela Ação da Cidadania evidenciam que a fragilidade de sua saúde não era impedimento na sua luta. "Foi ali que o Brasil inverteu a sua prioridade em relação a fome. Deixou de tratar aquilo como um fato da natureza, inevitável, contra o qual não podíamos fazer nada e colocou isso na agenda pública do país. Ali que se rompeu uma inércia que levou a gente a sair do mapa da fome", afirma Átila Roque, diretor da Anistia Internacional Brasil.

Betinho – A Esperança Equilibrista é um retrato delicado e emocionante de um homem que sonhava com um Brasil mais justo para todos os brasileiros. Suas ações, algumas transformadas em políticas públicas ao longo dos anos, nunca serão esquecidas. O trunfo do filme é reunir suas memórias e imortalizar a sede de mudanças que Herbert de Souza tinha. É uma obra para ver na tela grande e também ter em DVD, ao qual possamos recorrer nos momentos de crise, aqueles que nos dão a impressão de que o medo está vencendo a esperança. Para Betinho, a esperança sempre venceu.

Betinho – A Esperança Equilibrista
Direção e roteiro: Victor Lopes
Produção executiva e direção de produção: Angela Zoé
Diretor de fotografia: Luis Abramo
Som direto: Renato Calaça
Montagem: Pedro Asbeg e Victor Lopes
Edição de som e mixagem: Damião Lopes
Produção de finalização: Tiago Arakilian
Música: Marcos Souza
Pesquisa: Isabel Garçoni, Ana Redig e Julia Zylbersztajn
Design: Jair de Souza Design
Distribuição: Elo Company

http://www.redebrasilatual.com.br/entretenimento/2015/10/documentario-retrata-luta-de-betinho-por-um-brasil-mais-justo-para-todos-6883.html

Conferência que discutiu a Carta Encíclica do Papa Francisco 'Laudato Si’

Conferência apresentada no dia 16/09/2015, que discutiu a Carta Encíclica do Papa Francisco 'Laudato Si' sobre o cuidado da casa comum, pelos professores: Prof. MS Lucas Henrique Luz – UNISINOS, Prof. Dr. José Roque Junges – UNISINOS e Prof. Dr. Laércio Pilz – UNISINOS.

A atividade proporcionou uma apresentação acadêmica da Carta Encíclica Laudato Si' - Sobre o cuidado da casa comum, em vista da compreensão de sua relevância e contribuição ao atual debate sobre os grandes desafios da crise ambiental hoje. Além disso, oportunizou o debate sobre compromissos e responsabilidades da Universidade no enfrentamento dos desafios ambientais atuais.

Carta Encíclica do Papa Francisco 'Laudato Si' sobre o cuidado da casa comum: https://www.youtube.com/watch?time_continue=90&v=xieAbE-c07U

Confira também a edição 469 da Revista IHU On-Line que trata sobre o mesmo tema: http://www.ihuonline.unisinos.br/index.php?secao=469

Dolina y una reflexión sobre la izquierda que llama a votar en blanco

POLITICA // BALOTAJE

Dolina y una reflexión sobre la izquierda que llama a votar en blanco

20:43 | El conductor y escritor, Alejandro Dolina, le habló a aquellos que defienden el voto en blanco porque 'Scioli y Macri son lo mismo'. "Los libros parecen iguales hasta que los leés", dijo.

De la Redacción de Diario Registrado // Miercoles 28 de octubre de 2015 | 20:43


dolina


En su programa en radio Continental, La Venganza Será Terrible, Alejandro Dolina habló del balotaje y se refirió especialmente a la postura de la izquierda, que llama a no votar a ninguno de los candidatos.

 

"Encontrar que todos son iguales es más bien un problema de quién juzga. Cuanto más iguales los ves quiere decir que menos inteligencia tenés", fustigó Dolina.

 

"La izquierda clásica tiene una obligación en encontrar matices en lo que es el neoliberalismo, la clase media y un candidato tibio", dijo.

 

"El gran defecto de Macri no es que es igual a Massa, es otro quizás", dijo.

 

"La izquierda está en una posición ideal para ser crítico en esta, y se pierde la posibilidad al decir que son todos iguales", agregó.

 

"Todos los libros que están en esta biblioteca son iguales, porque no los leí. Para mí que no los leí lo son, pero no es así", graficó.


http://www.diarioregistrado.com/politica/132950-dolina-y-una-reflexion-sobre-la-izquierda-que-llama-a-votar-en-blanco.html


28.10.15

Legado del kirchnerismo en Argentina

678 - NESTOR KIRCHNER: 1950-SIEMPRE - 27-10-15
INFORME: 678 - NESTOR KIRCHNER 1950-SIEMPRE - 27-10-15
A cinco años del fallecimiento del expresidente, aún en Argentina siguen vigentes sus logros en inversiones sociales, seguridad social, educación, mejoras laborales y relaciones internacionales de integración y cooperación. 
  Este 27 de octubre Latinoamérica conmemora un año más de la desaparición física de Néstor Kirchner, quien se destacó por haber emancipado a una nación que venía del colapso financiero, por el llamado "corralito" de los años 90. Se destacó por su papel integracionista en América del Sur y el rescate de la memoria histórica de su país.    Néstor Carlos Kirchner Ostoic nació en Río Gallegos, capital de la provincia de Santa Cruz (Patagonia), el 25 de febrero de 1950.



Desde joven se integró a la Juventud Peronista y obtuvo su licenciatura en Derecho en la Universidad Nacional de La Plata en 1976.    Un año antes contrajo nupcias con la actual presidenta de Argentina, Cristina Fernández, también militante peronista y a quien conoció en la mencionada casa de estudios.    Ambos se mudaron a Rio Gallegos, capital de la Provincia Santa Cruz, donde ejercieron la profesión. 
...

Carrera política    Kirchner resultó electo como gobernador de la provincia de Santa Cruz el 8 de septiembre de 1991, con el 61 por ciento de los votos, siendo reelegido en 1995 con un porcentaje similar (66,5 por ciento).

Desde el año 2000 lideró La Corriente Peronista, que buscaba una alternativa al modelo neoliberal impuesto por Carlos Menem y Fernando De la Rúa.    El 27 de abril de 2003, el Frente para la Victoria (FPV) encabezado por la fórmula Kichner-Scioli, quedó de segundo (22 por ciento) en la primera vuelta frente a la alianza Frente por la Lealtad-UCD de Menem (24 por ciento).    El 25 de mayo de 2003, Kirchner se juramentó ante el Congreso de Argentina para convertirse en Presidente de la República, con Menem fuera de la contienda luego de haber presentado su renuncia. 
...    Recuperación económica    A pesar de la maniobra política de Menem y la derecha argentina de capitular en la segunda vuelta para restarle legitimidad, Kirchner supo responder con acciones.    Bajo su gestión, Argentina logró mantener un crecimiento sostenido promedio del 8,5 por ciento anual, el período más largo de crecimiento de los últimos 100años.    Redujo la tasa de desempleo a menos de un dígito por primera vez en 13 años,  pasando del 20,4 por ciento al asumir el poder a 8,4 por ciento en el 2007.

Néstor Kirchner, el hombre que transformó Argentina: https://www.youtube.com/watch?v=a0856mO3c8E


La correcta política económica de Néstor Kirchner se debió en parte a su equipo de trabajo, compuesto por políticos jóvenes y alejados de las antiguas estructuras que se habían arrodillado a las recetas neoliberales del Fondo Monetario Internacional (FMI).    Esto se evidenció por la salida de Argentina del default y la restructuración de su deuda que para el 2003 ascendía a 178 mil millones de dólares,  lo que representaba un 130 por ciento del Producto Interno Bruto. En 2007 ese porcentaje bajó a casi la mitad (74 por ciento).    Kirchner subió el salario mínimo de 360 a 980 dólares ; incrementó las asignaciones familiares en un 150 por ciento y las jubilaciones en un 360 por ciento; reduciendo así la pobreza del 55 al 26 por ciento, en apenas cuatro años de Gobierno.
...    No al ALCA    El Área de Libre Comercio de las Américas (ALCA) fue el nombre oficial de la nefasta iniciativa de libre comercio de Estados Unidos para los países latinoamericanos y caribeños.    Con esto, el Gobierno del expresidente George W. Bush buscaba arropar a las economías del sur del Río Bravo, en un nuevo intento de reconquista que hubiese conllevado a la desindustrialización de las economías regionales.    Entre el  4 y 5 de noviembre del 2005, en la ciudad de Mar del Plata, Argentina, se reunieron los presidentes y jefes de Estado en la IV Cumbre de las Américas.      Kirchner, junto al Comandante Hugo Chávez y el líder brasileño Inácio Lula Da Silva, rechazó la propuesta neocolonial del ALCA, que al finalizar el evento quedó sepultada por amplia mayoría.

Mar del Plata, la tumba del ALCA: https://www.youtube.com/watch?v=r3YwZq3LNXw


"Recuerdo a Néstor gigante, aquel hombre se agigantó ante nosotros allá, en Mar del Plata. Delante de Bush yo recuerdo una frase que dijo. "Aquí no vengan a patotearnos"  le dijo Néstor a Bush", relató Chávez tiempo después de la derrota del ALCA.     Asimismo, el mandatario argentino fue uno de los más férreos defensores del Mercado Común del Sur (Mercosur), como mecanismo de integración suramericano.   "El Mercosur y la integración latinoamericana deben ser parte de un verdadero proyecto político regional. Para nosotros, en ese marco, el fortalecimiento del Mercosur constituye un paso estratégico (...)", aseveró Kichner el 17 de diciembre de 2004 desde Brasil. 
...    Derechos humanos    "La defensa de los derechos humanos ocupa un lugar central en la nueva agenda de la República Argentina. Somos hijos de las Madres y Abuelas de Plaza de Mayo", afirmó Kirchner en la Asamblea General de la Organización de las Naciones Unidas (ONU) el 25 de septiembre de 2003.    El Gobierno de Kirchner impulsó la renovación de la Corte Suprema de Justicia, criticada por su sumisión al status quo y las antiguas estructuras de la dictadura militar argentina.


El 24 de marzo de 2004, el expresidente ordenó descolgar los cuadros de los dictadores Jorge Videla y Reynaldo Bignone del Colegio Militar, así como otros represores del pueblo argentino.     En junio de 2005, la nueva Corte declaró inconstitucionales las leyes de Punto Final y Obediencia Debida, aprobadas en 1986 y 1987, permitiendo así la reactivación de las causas judiciales que involucran a centenares de militares represores, para que sean juzgados por los crímenes cometidos bajo el régimen dictatorial.

Argentina conmemora Día de la Memoria por la Verdad y la Justicia: https://www.youtube.com/watch?v=u1b8poYubsg


Apenas un año después se dictó la primera sentencia con la derogación de las citadas leyes, que condenó a 25 años ded prisión al represor Julio Simón por delitos de lesa humanidad.    Otra medida tomada por Kichner fue el ceder las instalaciones de la Escuela de Mecánica de la Armada (ESMA), el principal centro de detención ilegal y torturar, para construir un Museo de la Memoria.


Kirchner culminó su mandato el 10 de diciembre de 2007, entregando el poder a la presidenta Cristina Fernández.

El líder argentino fungió como diputado por la provincia de Buenos Aires al ser electo en las legislativas del 28 de junio de 2009.    Falleció repentinamente de un paro cardiorespiratorio en su residencia de Los Sauces, Calafate, provincia de Santa Cruz. 
...    Más sobre Néstor Kirchner    Durante la última dictadura militar (1976-1983) fue puesto en prisión en dos oportunidades.    Nació del matrimonio de Néstor Carlos, descendiente de inmigrantes alemanes y funcionario de Correos, y de María Ostoic, proveniente de una familia de origen croata instalada en Punta Arenas (Chile).    A finales de 1983 fue designado presidente de la Caja de Previsión Social de Río Gallegos, en donde permaneció hasta julio de 1984.    El 6 septiembre de 1987, ganó las elecciones municipales como candidato peronista, desempeñando el cargo de intendente municipal de la ciudad de Río Gallegos hasta 1991.    En 1994, fue miembro de la Convención Constituyente que reformó la Constitución Argentina.    Presidente del Partido Justicialista en dos oportunidades: del 25 de abril del 2008 al 29 de junio de 2009; y del 11 de noviembre de 2009 al 27 de octubre de 2010.    En mayo de 2010 fue designado secretario general de Unión de Naciones Suramericanas (Unasur). El 5 de diciembre, como homenaje a su aporte a la integración latinoamericana, fue develada una estatua en la sede del bloque regional en Quito, capital de Ecuador. 

Argentina celebra estatua de Néstor Kirchner en sede de UNASUR: https://www.youtube.com/watch?time_continue=2&v=gwYcrgdqgrI



Cancion con todos

Salgo a caminar
Por la cintura cosmica del sur
Piso en la region
Mas vegetal del viento y de la luz
Siento al caminar
Toda la piel de america en mi piel
Y anda en mi sangre un rio
Que libera en mi voz su caudal.

Sol de alto peru
Rostro bolivia estaño y soledad
Un verde brasil
Besa mi chile cobre y mineral
Subo desde el sur
Hacia la entraña america y total
Pura raiz de un grito
Destinado a crecer y a estallar.

Todas las voces todas
Todas las manos todas
Toda la sangre puede
Ser cancion en el viento
Canta conmigo canta
Hermano americano
Libera tu esperanza
Con un grito en la voz