Páginas

pergunta:

"Até quando vamos ter que agüentar a apropriação da idéia de 'liberdade de imprensa', de 'liberdade de expressão', pelos proprietários da grande mídia mercantil – os Frias, os Marinhos, os Mesquitas, os Civitas -, que as definem como sua liberdade de dizer o que acham e de designar quem ocupa os espaços escritos, falados e vistos, para reproduzir o mesmo discurso, o pensamento único dos monopólios privados?"

Emir Sader

30.6.09

Violação dos Direitos Humanos em Honduras

O presidente da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos - CCDH da Assembleia Legislativa, deputado Dionilso Marcon (PT), juntamente com sua bancada na Assembleia Legislativa, repudia o recente golpe militar em Honduras que viola os direitos humanos dos cidadãos hondurenhos. Segundo Marcon os golpistas estão realizando prisões políticas encarcerando trabalhadores, especialmente as lideranças do campo e indígenas. Segundo o parlamentar, teme-se que a ditadura instalada provoque um genocídio, uma vez que as Centrais Sindicais, as três Confederações Sindicais de Honduras, o Bloco Popular e as Centrais Campesinas convocaram um Greve Geral por tempo indeterminado.
 
A repressão do regime instalado já provocou mortes de pessoas que manifestavam o repúdio ao golpe que instituiu "toque de recolher" de 48 horas e corte de energia elétrica no período noturno. A imprensa internacional já denúnciou o uso extremo de força contra as manifestações sociais, associado do abuso de força militar.
 
Segundo Marcon, o governo Lula deve articular ações junto a todos os governos que o Brasil tem relação política para exigir a suspensão do Golpe em Honduras, a recondução do presidente democraticamente eleito, Manuel Zelaya, e a imediata libertação de Rafael Alegrón (dirigente campesino de Honduras e membro da Comissão Coordenadora Internacional da Via Campesina); de Juan Baraona (Dirigente do Bloco Popular); de Carlos H Reyes (Dirigente do Bloco Popular); de Andrés Padrón (Movimento pelos Direitos Humanos); de Luther Castillos (dirigente sindical); de César Han (Conselho Cívico de Organizações Populares e Indígenas de Honduras); de Andrés Pavón (Conselho Cívico de Organizações Populares e Indígenas de Honduras); de Marvin Ponce (Conselho Cívico de Organizações Populares e Indígenas de Honduras); de Salvador Zúñiga (Conselho Cívico de Organizações Populares e Indígenas de Honduras); de Berta Cáceres (Conselho Cívico de Organizações Populares e Indígenas de Honduras).

Denuncia: Repreción en Honduras

Denuncia: Represión en Honduras

Documentos audio y radio en http://albatv.org/

En Honduras el dia de hoy Lunes 29 de Junio a eso de las 2:45 p.m. las
Fuerzas Armadas y la Policia Nacional repremio a mas de 50 mil
protestantes que se encontraban frente a Casa de Gobierno defendiendo su
Estado de Derecho y ante el golpe de estado al Presidente Manuel Zelaya
Rosales los protestantes se manifestaban en forma pacifica exigiendo que
regrese nuestro Presidente Zelaya porque no estamos dispuestos a aceptar
ningun gobierno Golpista como es el de Micheleti.

Los soldados nos reprimieron con armas y bombas lagrimogenas lo cual hay
varios heridos del movimiento popular. Este desalojo a dispersado a los
manifestantes. La represion salvaje de las Fuerzas Armadas de Honduras
hacia nosotros/as los manifestantes de aproximadamente unas 50 personas a
eso de las 2:45 de la tarde remetieron contra hombres y mujeres, dejando
un saldo de 75 heridos/as, 3 muertos y 30 ordenes de captura. La
situacion para los dirigentes/as populares esta bastante dificil ya que
este gobierno golpista en represivo e inclemente con los que no aceptamos
dicho gobierno.

Asimismo llamamos a la comunidad Internacional y Nacional a denunciar este
gobierno golpista y represivo contra el pueblo hondureño que su unico
delito fue querer ser Consultado.

Asimismo llamamos a todo el movimiento campesino internacional e
movimientos sociales del mundo a dar su solidaridad haciendo acciones de
repudio en sus diferentes paises, ya que el pueblo hondureño no estamos
dispuestos/as a aceptar este gobierno golpista y llamamos a la sociedad
hondureña a la desobediencia civil.

Denunciamos a esos medios de comunicacion mediaticos de empresarios
hondureños como Televicentro, Emisoras Unidas, Radio America, Radio HRN,
estos medios estan tratando de tapar diciendo al pueblo en general que no
esta pasando nada en el pais, han sacado del aire a radios y canales de
televisores para que el pueblo no se de cuenta de lo que esta suecediendo.

Los Hondureños y Hondureñas reiteramos nuestro compromiso de rescatar
nuestra democracia.

Mañana el pueblo hondureño volvemos a las calles a manifestarnos hasta que
reitengren al Presidente Manuel Zelaya Rosales.

Les solicitamos comunicar estas noticias a toda la comunidad internacional
para que hagamos la presion y se logro el objetivo del clamor del pueblo.

El compañero Rafael Alegria esta en eminente peligro por estar en forma
permanente ante esta crisis, pero por ahora se encuentra bien con el resto
de personal de la Via Campesina.

Seguiremos en comunicacion y en pie de lucha.


Contactos de la Via Campesina in Honduras

El Telefono exclusivo para llamadas internacionales es: 00504 8878-4757

Oficina para la comunicacion internacional : Mabel Marquez,
mabelmarquez07@gmail.com

11 de julho - sábado

____________________________________________________________
Viagem a Santa Maria -
5ª Feira de Economia Solidária do MERCOSUL

.
11 de julho - sábado
saída às 5h30 de Caxias do Sul (em frente a Catedral), e retorno às 18h
.
Custo da passagem: R$ 50,00
(informando nome completo e número do CPF ou RG)

____________________________________________________________

10 de julho, 18h30

____________________________________________________________
Reunião da ACREDISOL / RS
(Associação de Microcrédito Popular e Solidário)
 
10 de julho - sexta-feira
18h30
Igreja Santo Antonio, em Bento Gonçalves
____________________________________________________________
 

Declaración Final de la ALBA

Alianza Bolivariana para los

Pueblos de Nuestra América (ALBA)

 
Proclama del Consejo Presidencial
Extraordinario

 

Managua, República de Nicaragua, 29 de junio de 2009

El domingo 28 de junio en horas de la madrugada, cuando el pueblo hondureño se disponía a ejercer su voluntad democrática en una encuesta con carácter de consulta promovida por el Presidente de la República Manuel Zelaya Rosales para profundizar la democracia participativa, un grupo de uniformados con capuchas que afirmó recibir ordenes del Alto Mando de la Fuerza Armada, asaltó la residencia del Presidente Zelaya para secuestrarlo, desaparecerlo por unas horas y luego expulsarlo violentamente de su Patria.

 

Inmediatamente, el pueblo de Honduras reaccionó como digno heredero del legado de Francisco Morazán, en las calles de las distintas ciudades y pueblos de Honduras. A primeras horas de la mañana, centenares de mesas electorales recibieron a miles de mujeres y hombres que asistieron a ejercer su derecho al voto, y al ser informados del secuestro de su Presidente, se volcaron a las calles para protestar por el golpe de Estado, dando un ejemplo de heroísmo al enfrentar desarmados los fusiles y los tanques.

 

A través de las pantallas de Telesur, se logró romper el silencio nacional e internacional que quiso imponer la dictadura al cerrar el canal del Estado y cortar el suministro eléctrico, buscando esconder y justificar el golpe de Estado ante su pueblo y la comunidad internacional, y demostrando una actitud que recuerda la peor epoca de dictaduras que se vivieron en el siglo veinte en nuestro continente.

 

Como una sola voz, los gobiernos y pueblos del continente reaccionamos condenando el golpe de Estado, dejando claro que en Honduras hay un solo Presidente y un solo Gobierno: el del Presidente Manuel Zelaya Rosales. Asimismo, saludamos las declaraciones de condena que, desde muy temprano, comenzaron a emitir otros gobiernos del mundo.

 

Ante la urgencia de la situación, los gobiernos del Alianza Bolivariana para los Pueblos de Nuestra América (ALBA) convocamos de manera inmediata un Consejo Presidencial de carácter extraordinario, con el objetivo de acordar acciones contundentes para derrotar el golpe de Estado en Honduras, apoyar al heroico pueblo de Morazán y restablecer incondicionalmente al Presidente Manuel Zelaya Rosalesen sus funciones legítimas.

 

Luego de analizadas las circunstancias en que se ha producido este golpe de Estado, ante la gravedad de las violaciones al Derecho Internacional, los convenios multilaterales y los acuerdos de nuestros países con la República de Honduras, y en vista del tajante rechazo que ha manifestado la comunidad internacional frente al gobierno dictatorial que pretende imponerse, los países miembros del ALBA hemos decidido retirar nuestros Embajadores y dejar a su minima expresión nuestra representación diplomática en Tegucigalpa, hasta tanto el gobierno legitimo del Presidente Manuel Zelaya Rosales sea restituido en sus funciones.

 

De igual manera reconocemos como unicos representantes diplomaticos de Honduras en nuestros países el personal designado por el Presidete Zelaya, bajo ningun concepto acreditaremos personal designados por los ursupadores.

 

Igualmente, como miembros plenos de los distintos sistemas de integración del continente, instamos a nuestros países hermanos de UNASUR, SICA, CARICOM, Grupo de Río, ONU y OEA a proceder de igual forma ante los agresores del pueblo hondureño.

 

Por otra parte, hemos acordado declararnos en alerta permanente para acompañar al valiente pueblo de Honduras en las acciones de lucha que han convocado, e invocamos el contenido de los artículos 2 y 3 de la Constitución Política de la República de Honduras:

 

"Art. 2: La Soberania corresponde al Pueblo del cual emanan todos los Poderes del Estado que se ejercen por representación. La Soberania del Pueblo podra tambien ejercerse de manera directa, a traves del Plebiscito y el Referendo. La suplantacion de la Soberania popular y la usurpacion de los poderes constituidos se tipifican como delitos de Traicion a la Patria. La responsabilidad en estos casos es imprescriptible y podrá ser deducida de oficio o a petición de cualquier ciudadano"

 

"Art. 3 Nadie debe obediencia a un gobierno usurpador ni a quienes asuman funciones o empleos públicos por la fuerza de las armas o usando medios o procedimientos que quebranten o desconozcan lo que esta Constitucion y las leyes establecen. Los actos verificados por tales autoridades son nulos. El pueblo tiene derecho a recurrir a la insurrección en defensa del orden constitucional."

 

Así como los principios del Derecho Internacional para respaldar los actos de resistencia y rebelión del pueblo frente a los intentos de dominación. A los maestros, obreros, mujeres, jóvenes, campesinos, indigenas,  empresarios honestos, intelectuales y demás actores de la sociedad hondureña, les aseguramos que juntos conquistaremos la gran victoria frente a los golpistas que pretenden imponerse al bravo pueblo de Francisco Morazán.

 

Invocando el espíritu y el pensamiento de Francisco Morazán, junto a él sentenciamos a los golpistas al proclamar: "Hombres que habéis abusado de los derechos del pueblo por un sórdido y mezquino interés! Con vosotros hablo, enemigos de la independencia y la libertad. Si vuestros hechos, para procurarnos una patria, pueden sufrir un paralelo con los de aquellos centroamericanos que perseguís o habéis expatriado, yo a su nombre os provoco a presentarlos. Ese mismo pueblo que habéis humillado, insultado, envilecido y traicionado tantas veces que os hace hoy los árbitros de sus destinos y nos proscribe por vuestros consejos, ese pueblo será vuestro juez".

 

Deben saber quienes dirigen el golpe de Estado, que les será imposible imponerse y burlar la justicia internacional, a la que tarde o temprano serán sometidos. A los oficiales y soldados de las Fuerzas Armadas de Honduras, les hacemos un llamado a que rectifiquen y pongan sus armas al servicio del pueblo de Honduras y de su Comandante General, el Presidente José Manuel Zelaya Rosales.

 

Los países miembros del ALBA, en consulta con los gobiernos del continente y con diversas instancias que garantizan el cumplimiento del Derecho Internacional, estamos adelantando medidas para que las graves violaciones y los crímenes que se están cometiendo, no queden impunes.

 

El único camino que le queda a los golpistas es deponer su actitud y garantizar de manera inmediata, segura e incondicional, el retorno del Presidente José Manuel Zelaya Rosales a sus funciones constitucionales.

 

La República de Honduras es miembro pleno del ALBA, al igual que de otras instancias de integración regional y organismos multilaterales cuya membresía exige el respeto a la soberanía del pueblo y a la constitución. Al haber sido violentados por los golpistas estos condicionantes fundamentales, los gobiernos del ALBA hemos decidido mantener todos los programas de cooperación que adelantamos con Hunduras a través del Presidente Zelaya.

 

Asimismo, proponemos que se apliquen medidas sancionatorias ejemplarizantes en todos los mecanismos e instancias multilaterales y de integración, que contribuyan a hacer efectiva la restitución inmediata del orden constitucional en Honduras, y otorguen vigencia al principio de acción que nos legara José Martí cuando dijo: "Haga cada uno su parte de deber, y nada podrá vencernos."

 

Los gobiernos del ALBA nos declaramos en sesión permanente de consulta, con todos los gobiernos del continente, para evaluar otras acciones conjuntas que permitan acompañar al pueblo hondureño en el restablecimiento de la legalidad y la restitución del Presidente Manuel Zelaya Rosales.

 

A doscientos años de la gesta histórica que nuestros pueblos desarrollaron a lo largo y ancho de nuestro continente, siguiendo el ejemplo eterno del General de hombres libres Augusto Cesar Sandino, de Francisco Morazan y fieles a la palabra de El Libertador Simon Bolivar, albergamos junto al pueblo del Honduras y a los pueblos del mundo, la seguridad de la victoria, pues "todos los pueblos del mundo que han lidiado por la libertad han exterminado al fin a sus tiranos".

 

Managua 29 de Junio de 2009

Consejo Presidencial de la Alianza Bolivariana para los Pueblos de América

29.6.09

CURSO DE PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS

Estão abertas as Pré -inscrições no Curso de Prevenção ao uso de drogas para educadores de escolas públicas - Edição 2009

 
Professores, coordenadores e gestores de escolas públicas dos anos finais (6º ao 9º ano) ou séries finais (5ª a 8ª) do ensino fundamental e do ensino médio de todo o país têm até 06 de julho para realizar a pré-inscrição no Curso de Prevenção ao Uso de Drogas para Educadores de Escolas Públicas.
 
A capacitação, oferecida pelo Ministério da Educação (MEC) e pela Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (SENAD) do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, na modalidade à distância, terá duração de quatro meses, carga horária de 120h e certificado de Extensão Universitária, emitido pela Universidade de Brasília (UnB).
 
O curso tem como objetivo capacitar educadores de escolas públicas para o desenvolvimento de programas de prevenção do uso de drogas e outros comportamentos de risco no contexto escolar.
Pré-Inscrições pelo site:
 

Mais informações:
Centro de Educação a Distância - CEAD/UnB
Fone: (61) 33496007 - Ramal: 239 
E-mail: prevencao@cead.unb.br

28.6.09

Llamamiento Urgente de los Movimientos Sociales del ALBA

Campaña Continental contra el ALCA
-----------------------------------

Llamamiento Urgente de los Movimientos Sociales del ALBA

El pueblo de Honduras no está solo!!

En estas horas el pueblo de Honduras, y los pueblos de América Latina, estamos librando una batalla fundamental: evitar que se consume el golpe de estado reaccionario contra el presidente constitucional, Manuel Zelaya Rosales, y el pueblo de Honduras.

La conspiración de políticos, militares, jueces, los medios de comunicación, con el apoyo de los Estados Unidos, quiere revertir el paso dado por el gobierno hondureño al integrarse en el ALBA, y evitar la convocatoria que iba a realizarse en el día de hoy a profundizar la democracia a través de una consulta popular, que posibilitara la Reforma de la Constitución.

El secuestro del presidente constitucional, es una acción inaceptable para los pueblos de América Latina y del mundo, y está recibiendo el rechazo incluso de la mayoría de los gobiernos, que desconocen la decisión del grupo conspirador en el Parlamento, de sustituir al presidente de Honduras.

Desde los movimientos sociales que promovemos el ALBA, convocamos a movilizarnos desde ahora, mañana, y los días siguientes, para que ningún gobierno reconozca a los títeres que las fuerzas reaccionarias quieran ungir como dictadores, y para que se devuelva el gobierno a sus autoridades legítimas. Que cese la represión contra el pueblo de Honduras y sus organizaciones. Que se acepte la libre decisión del pueblo hondureño, expresada a través de la consulta popular.

Honduras no está sola. Hoy hay un conjunto de países que están formando una alternativa bolivariana, y hay una comunidad internacional que rechaza el retorno a las dictaduras.

Frente a las Embajadas y Consulados de Honduras, mañana en las calles, movilizados, con acciones que construyan colectivamente el Nunca Más latinoamericano a las políticas fascistas, y el respeto a las demandas de los pueblos.

Si tocan a uno, tocan a todos!!!

Movimientos Sociales del ALBA

Contacto:
alba@movimientos.org
http://movimientos.org/noalca/albasi/

Difusión de la Campaña Continental contra el ALCA:
http://movimientos.org/noalca/
________________________________________
"Sí a la vida, No al ALCA. Otra América es posible."

OEA condena golpe de Estado en Honduras y exige la restitución de Manuel Zelaya

El representante de Honduras en la OEA leyó la resolución. (Foto: teleSUR)
TeleSUR 28/06/09
El Consejo permanente de la Organización de Estados Américanos (OEA) condenó enérgicamente el golpe de Estado ejecutado este domingo en contra del gobierno constitucional de Honduras y exigió la restitución inmediata del presidente Manuel Zelaya. El organismo aclaró que no reconocerá a ningún otro presidente que sea designado en el cargo.

Los representantes americanos resolvieron condenar "enérgicamente el golpe de Estado llevado a cabo en la mañana de hoy (domingo) en contra del Gobierno constitucional de Honduras, y la detención arbitraria y la expulsión del país del Presidente Constitucional José Manuel Zelaya Rosales que produjo una alteración inconstitucional del orden democrático", afirma la declaración de siete puntos leída por el representante de Honduras ante el organismo multilateral, Carlos Sosa Coello.

Asimismo, exigen el retorno "inmediato, seguro e incondicional", del presidente legítimo, Manuel Zelaya a sus funciones constitucionales.

Piden además la liberación de la canciller del país centroamericano, Patricia Rodas y demás políticos apresados y condenan todo acto de violencia.

"Condenar enérgicamente todo acto de violencia y en especial la detención arbitraria denunciada de la Secretaria de Estado de Relaciones Exteriores, Patricia Rodas, otros miembros del Gabinete de Ministros, así como del Alcalde de San Pedro Sula y otras personas afectadas, y exigir que se respete su integridad física y que sean puestos en libertad de inmediato", enfatiza.

La OEA enfatiza también que "no se reconocerá ningún gobierno que surja de esta ruptura inconstitucional".

Decidieron además enviar al secretario general de la institución, José Miguel Insulza, a la cumbre del Sistema de la Integración Centroamericana (SICA), que se celebrará el lunes en la capital de Nicaragua, Managua, para que "lleve adelante todas las consultas que sean necesarias con los Estados Miembros de la Organización".

Por último la OEA resolvió que se convocará a un período extraordinario de sesiones de la Asamblea General que se celebrará el martes 30 de junio de 2009, a fín de que se adopten las decisiones que "se estima apropiadas" conforme a la Carta de la Organización de los Estados Americanos, el derecho internacional y las disposiciones de la Carta Democrática Interamericana.

Manuel Zelaya fue secuestrado por militares encapuchados la madrugada de este domingo en su residencia y llevado a la fuerza a Costa Rica.
A continuación teleSUR reproduce la resolución de la OEA íntegra:
PROYECTO DE RESOLUCION SITUACION ACTUAL EN HONDURAS
EL CONSEJO PERMANENTE DE LA ORGANIZACIÓN DE LOS ESTADOS AMERICANOS

CONSIDERANDO la grave situación que vive la República de Honduras como resultado del golpe de Estado contra el Gobierno del Presidente José Manuel Zelaya Rosales que produjo una alteración inconstitucional del orden democrático que el Consejo Permanente rechaza y repudia.

PREOCUPADO por la ruptura del orden constitucional en la República de Honduras;

REAFIRMANDO la importancia del respeto irrestricto de los derechos humanos y las libertades fundamentales y el principio de la no intervención en los asuntos internos de otros Estados.

REITERANDO los principios establecidos en la Carta de la Organización de los Estados Americanos y la Carta Democrática Interamericana sobre el fortalecimiento y la preservación de la institucionalidad democrática en los Estados Miembros: y

RECORDANDO la resolución CP-Res. 952 (1699-09) de 26 de junio de 2009, relativa a la situación en Honduras,

RESUELVE:

1.Condenar enérgicamente el golpe de Estado llevado a cabo en la mañana de hoy en contra del Gobierno constitucional de Honduras, y la detención arbitraria y la expulsión del país del Presidente Constitucional José Manuel Zelaya Rosales que produjo una alteración inconstitucional del orden democrático

2. Exigir el inmediato seguro e incondicional retorno del Presidente José Manuel Zelaya Rosales a sus funciones constitucionales.

3.Declarar que no se reconocerá ningún gobierno que surja de esta ruptura inconstitucional.

4. Encomendar al Secretario General para que de manera urgente se haga presente en la reunión del Sistema de la Integración Centroamericana (SICA) que se realizará en Managua, Nicaragua, y que, de conformidad con el artículo 20 de la Carta Democrática Interamericana, lleve adelante todas las consultas que sean necesarias con los Estados Miembros de la Organización.

5.Condenar enérgicamente todo acto de violencia y en especial la detención arbitraria denunciada de la Secretaria de Estado de Relaciones Exteriores, Patricia Rodas, otros miembros del Gabinete de Ministros, así como del Alcalde de San Pedro Sula y otras personas afectadas, y exigir que se respete su integridad física y que sean puestos en libertad de inmediato.

6.Convocar un período extraordinario de sesiones de la Asamblea General de la OEA, a celebrarse en la sede de la Organización el martes, 30 de junio de 2009, para que éste adopte las decisiones que estime apropiadas, conforme a la Carta de la Organización de los Estados Americanos, el derecho internacional y las disposiciones de la Carta Democrática Interamericana.

7.Encomendar al Secretario General que remita esta resolución al Secretario General de las Naciones Unidas.

Crece repudio popular a golpe en Honduras y militares imponen toque de queda

El gobierno de facto en Honduras ha decretado toque de queda para evitar manifestaciones populares (Foto: teleSUR) Los ciudadanos también repudian el secuestro de la canciller del país Patrica Rodas quien fue capturada en su lugar de residencia por los militares que este domingo dieron un golpe de Estado en el país. Lea también Congreso juramenta a presidente de facto en Honduras Encuestas de medios argentinos muestran paridad en elecciones legislativas Congreso de Honduras inhabilita a Manuel Zelaya y nombra a Micheletti como presidente Corte Suprema de Honduras emitó orden de secuestro contra Zelaya TeleSUR 28/06/09 Los sectores golpistas que este domingo sacaron de la presidencia, con el uso de la fuerza, al presidente constitucional Manuel Zelaya decretaron el estado de toque de queda con la intención de frenar la acción popular que exige sea restituido el orden legal del país y el retorno de quien denominan "el presidente de los pobres". "Queremos que nos entreguen a Mel", claman los hondureños movilizados en las calles del país haciendo referencia a Manuel Zelaya. La medida de toque de queda se produce minutos después que el Congreso se atribuyera la potestad de juramentar a Roberto Micheletti como presidente, en sustitución del mandatario Manuel Zelaya. Catalogada de ilegal por el pueblo hondureño y rechazada ampliamente por la comunidad internacional, la juramentación estuvo rodeada de los aplausos de miembros del Congreso que negaron la voluntad de los más de 400 mil ciudadanos que promovieron la iniciativa electoral prevista para este domingo. Amable de Jesús Hernández, dirigiente social, confirmó a teleSUR la entrada en vigor del toque de queda y relató que incluso una patrulla militar intentó decomisar las urnas de la consulta popular no vinculante, ante lo cual el pueblo se atrincheró y los uniformados tuvieron que retorceder. "El pueblo se atrincheró, el pueblo está indignado en las calles y no acepta que el presidente haya sido tratado así", dijo desde el municipio Santa Bárbara, en la capital hondureña. Relató que en todo el país el pueblo está saliendo a votar masivamente en la encuesta que había sido propuesta por el derrocado presidente Manuel Zelaya, para incluir una cuarta urna en las elecciones generales del próximo 29 de noviembre, pese a los intentos de los militares golpistas para impedirlo. "Es increible que después de 28 años de vida democrática nuestro pueblo tenga que esconderse para depositar un voto (...) tenga que esconder las urnas", denunció. "Ellos (los militares) quieren a punta de fusil y punta de balas doblegar al pueblo", añadió. Sobre los congresistas que apoyaron este domingo la aprobación del decreto ley que inhabilitó al presidente legítimo Zelaya y elevó como Jefe de Estado de facto al hasta hoy presidente del Legislativo, Roberto Micheletti, Hernández dijo que son "traidores", que se han convertido en enemigos del pueblo y que por ello serán castigado en las urnas en los comicios de noviembre. "Ellos como diputados se han convertido en enemigos (...) (el pueblo) no aceptará nunca al señor Roberto Micheletti como presidente", dijo el líder social. Detalló que debido a la suspensión de los servicios de televisión abierta y eléctrico, se han informado de lo que ha pasado en su país a través de la pantalla de esta casa periodística.

GOLPE EN HONDURAS!!

SE HÁ CONSUMADO EL GOLPE DE ESTADO EN HONDURAS
HAN SECUESTRADO AL PRESIDENTE LEGÍTIMO MANUEL ZELAYA
HAN SECUESTRADO A EMBAJADORES DE CUBA, NICARÁGUA, VENEZUELA Y LA CANCILLERA PATRICIA ROJAS

noticias en www.redportiamerica.com
                          

Todos contra el golpe de Estado en Honduras.
Todos pronunciémonos contra los Gorilas Trogloditas.
Apoyemos cada uno desde su sitio y pongamos cada quien su
humilde esfuerzo para romper el cerco mediático.
Vamos enviar miles de mensajes haciendolas rebotar traves la internet, llamando a la comunidad internacional a poner fin al golpe desde las voces del los pueblos.

" FALE COM O PRESIDENTE LULA DA SILVA" : www.presidencia.gov.br
imprensa@mre.gov.br

____________________________________________________________________
VER EL VIDEO DEL SECUESTRO DEL PRESIDENTE ZELAYA:

TRAS GOLPE DE ESTADOS SACAN A TELEVISORA TELESUR DE LAS EMPRESAS DE CABLE

Tras golpe de Estado sacan a televisora Telesur de las empresas de cable:

http://www.youtube.com/redportiamerica


Secuestran en Honduras a embajadores de Cuba, Nicaragua y Venezuela

Ultima hora: Golpe de estado en Honduras, el presidente Zelaya ratifica que está en Costa Rica y denuncia la ''traición'' de la Fuerza Armada

Golpe de Estado en Honduras, militares secuestran al presidente Zelaya

NO NOS VAMOS CALAR!!!! VAMOS ORGANIZAR ACTIVIDADES  DE PROTESTA EN EL PROXIMO LUNES, MAÑANA EN NUESTROS PAÍSES
--
   ALINE CASTRO
RED POR TI AMERICA
     (cap) BRASIL
www.redportiamerica.com 

Golpe Militar en Honduras - URGENTE

Llamado Urgente

En solidaridad a las organizaciones de la Vía Campesina y al Pueblo de Honduras

Con el objetivo de profundizar la democracia y lograr una mayor participación democrática, desde algunos meses las organizaciones sociales de Honduras junto al Presidente Manuel Zelaya Rosales promovieron realizar una encuesta, este 28 de Junio del 2009.

Con gran sorpresa el dia de hoy a las 05:00 am, las fuerzas armadas ejecutaron un Golpe de Estado al Presidente Zelaya, truncando así, las aspiraciones democráticas de la población que se preparaba para realizar la encuesta popular.

Al conocerse la noticia las organizaciones sociales de Honduras, incluyendo a las de la Vía Campesina han salido a las calles a repudiar este hecho y exigir el regreso del Presidente Zelaya a
sus funciones que la ley le otorga.

El gobierno del presidente Zelaya se ha caracterizado por defender a los obreros y campesinos, es un defensor de la Alternativa Bolivariana de las Américas (alba) y durante su mandato ha promovido acciones que benefician al campesinado hondureño.

Creemos que estos hechos son acciones desesperadas de la oligarquía nacional y la derecha recalcitrante por preservar sus intereses del capital y en especial el de las grandes empresas transnacionales, por lo que hace uso de la fuerza militar y de las instituciones del país como el Parlamento, ministerios, prensa neoliberal y otros.

Ante este repudiable hecho , La Vía Campesina internacional demanda:
1. Reestablecimiento del orden constitucional, sin derramamiento de sangre
2. Llamamos al Ejercito que no reprima a la población de Honduras que exige el retorno de la democracia
3. Que se respete la integridad física de los dirigentes sociales, incluyendo a Rafael Alegría dirigente internacional de la Vía Campesina.
4. Exigimos el retorno del Presidente Zelaya a sus funciones en Honduras
5. Que las autoridades garantices en pleno ejercicio democrático de la consulta popular, encuesta a cualquier forma de expresión libre.
 
Desde la Vía Campesina internacional estaremos pendiente por la suerte de nuestros lideres y organizaciones de la Vía campesina, al igual de lo que pueda ocurrirle al pueblo de Honduras, en estos momentos dificiles.
Además llamamos a las organizaciones campesinas y otros movimientos sociales a protestar frente a las embajadas de Honduras, y a enviar cartas de rechazo al golpe de estado a las embajadas en cada uno de sus países.

Solidarizarnos con nuestras organizaciones campesinas en Honduras.

Comité Internacional de Coordinación (CCI) de la Vía Campesina

Globalicemos la lucha!!  Globalicemos la Esperanza!!
Mali, África 28 de Junio del 2009

**************************************************************************
[ENGLISH]

URGENT CALL

Solidarity with the  Honduran Members of La Vía Campesina and with the People of Honduras

For the past few months the grassroots organizations of Honduras, together with President Manuel Zelaya Rosales, have been promoting and preparing for a national consultation of public opinion on possible constitutional reforms, to be carried out on June 28, 2009.
At 5 am this morning the armed forces of Honduras executed a surprise Coup d'Etat against President Zelaya, thus abruptly interrupting the democratic aspirations of the Honduran people, who were preparing to carry out the popular consultation/opinion poll.
Upon hearing the news, the grassroots organizations of Honduras, including those belonging to La Vía Campesina, have taken to the streets to repudiate the Coup and to demand the return of the democratically-elected President to his office and to all the powers that the law invests him with.

The government of President Zelaya has defended the rights of working people and peasant farmers,
has joined the Bolivarian Alternative for the Americas (ALBA), and in general has implemented policies that have been positive for Honduran peasant and family farmers.

The events of the past hours are the desperate acts of the wealthy oligarchy and the retrograde Right-wing to preserve their interests and those of international and national capital, and in particular they serve the interests of giant transnational corporations.  To these ends they are making use of the armed forces and other public institutions, including the parliament, state ministries, the Neoliberal news media, and others, Faced with these reprehensible acts, La Via Campesina International demands:

1. The immediate reestablishment of Constitutional order, without bloodshed.
2. We call on the armed forces to refrain from repressing the people of Honduras, who are demanding a return to democracy.
3. That the physical integrity of social leaders be respected, including that of Rafael Alegria, leader of La Via Campesina International.
4. We demand the immediate return of President Zelaya to his functions as President.
5. That the authorities guarantee the right of the population to the full exercise of democracy through the popular consultation, and through any other form of free expression.
In the La Via Campesina we will be closely monitoring the safety of our member organizations and leaders in Honduras, and that of the people of Honduras, during these difficult moments.

We call on all peasant and family farm organizations, and other social movements, to protest and to present public letters of repudiation against the Coup at the Embassies of Honduras in every country.

We stand in solidarity with our sister peasant organizations in Honduras.

Globalize the Struggle!!  Globalize Hope!!

International Coordination Committee of La Via Campesina
Mali, Africa, June 28, 2009

26.6.09

Brasil: Crise mundial: as garantias de direitos sociais e o capitalismo

Nos últimos meses, grandes custos sociais arcados pelos trabalhadores, alvos de demissões em massa e da flexibilização dos direitos trabalhistas, são justificados para sanar a perda de lucro e do poder concorrencial de empresas. É justo a sociedade pagar a conta para salvar o sistema?

Jorge Luiz Souto Maior

(13/05/2009)

Muito se tem dito sobre a crise econômica e suas possíveis repercussões na realidade social brasileira. À esta altura, uma abordagem crítica mais contundente é necessária por causa da constatação de que muitos se valem da crise como mero argumento para continuar jogando o jogo da vantagem a qualquer custo, desvinculando-se de qualquer projeto de sociedade mais democrática.

Para iniciar essa análise, devemos lembrar que a crise é nossa velha conhecida. Ela esteve presente em quase todos os momentos de nossa história. Em termos de relações de trabalho, o argumento da "crise econômica", como forma de justificar uma reiterada reivindicação de redução das garantias jurídicas de natureza social (direitos trabalhistas e previdenciários), acompanha o debate trabalhista desde sempre. Se alguém disser que "agora, no entanto, é pra valer", deve assumir que antes era tudo uma grande mentira... E, se assim for dito, que força moral se terá para fazer acreditar no argumento da crise atual?

Não se pode olvidar também que, mesmo quando o Brasil vivenciou, de 1964 a 1973, o que se convencionou chamar de "milagre brasileiro", o crescimento econômico foi obtido às custas do empobrecimento da maioria da população, já que uma de suas características era a concentração de renda. Em 1970, os 50% mais pobres da população ficavam com apenas 13,1% da renda total e os mais ricos (1% da população) embolsavam 17,8%" [1].

No começo da presente crise pouco se falou na relevância da diminuição do valor do trabalho. A partir de outubro de 2008, iniciou-se um movimento organizado para requerer uma flexibilização das leis trabalhistas do país como forma de combater a crise financeira. Empresas começaram a anunciar dispensas coletivas de trabalhadores, criando um clima de pânico para, em seguida, pressionar sindicatos a cederem quanto às suas reivindicações e buscar junto ao governo a concessão de benefícios fiscais.

Entre janeiro de 2008 e janeiro de 2009, as vendas do varejo nacional acumularam alta de 8,7%.

Essa corrida que passa por cima dos direitos trabalhistas é totalmente injustificável por, pelo menos, três motivos.

Primeiro, porque o custo do trabalho não está na origem da crise econômica como atestam as últimas análises. Nada autoriza a dizer que a sua redução seja fator determinante para que a crise seja suplantada.

Segundo, porque já se pode verificar o quanto se apresentou precipitada e oportunista tal atitude. Em fevereiro de 2009, um aumento do nível de emprego formal foi registrado sobretudo nos setores de serviços, construção civil, agricultura e administração pública [2]. A própria Companhia Vale do Rio Doce iniciou esse movimento irresponsável, quando anunciou dispensas coletivas de trabalhadores. No entanto, no quarto trimestre de 2008 obteve um lucro líquido de R$10,449 bilhões, que representa um aumento de 136,8% em relação ao mesmo período do ano anterior, quando o lucro líquido foi de R$ 4,411 bilhões. A Bovespa, em março, acusou alta de 11% [3]. Em maio, já apresenta alta acumulada de 36,87% desde o início de 2009 [4]. A venda de automóveis, em razão da redução do IPI, sofreu um aumento de 11% [5]. As vendas do comércio varejista subiram 1,4% em janeiro com relação a dezembro do ano passado, segundo noticiou o IBGE. Entre janeiro de 2008 e janeiro de 2009, as vendas do varejo nacional acumularam alta de 8,7%. A Embraer dispensou 4,2 mil empregados. Ela é investigada pelo Ministério do Trabalho acusada de ter fornecido bônus de R$50 milhões a 12 diretores e de ter efetuado a contratação de 200 empregados terceirizados. Os fatos são negados pela empresa. O incontestável é que ela encerrou o primeiro trimestre de 2009 com lucro líquido de R$ 38,3 milhões e receita líquida de R$ 2,667 bilhões [6].

A forma oportunista como algumas empresas se posicionam diante da crise atual, desconsiderando o interesse de toda a comunidade, deve ser questionada

Em terceiro lugar, mesmo que a crise fosse o que se apresentava, é grave a ausência de uma compreensão histórica revelada pelo desprezo aos direitos trabalhistas. Ora, os argumentos de dificuldade econômica das empresas foram uma constante no período de formação da Revolução Industrial e se reproduziram por mais de cem anos até que, em 1914, sem qualquer possibilidade concreta de elaboração de um novo arranjo social, o mundo capitalista entrou em colapso.

À época, eram feitas alegações de que as empresas seriam obrigadas a fechar se fossem obrigadas a dar aumento de salário ou estabelecer melhores condições aos trabalhadores e de que seria melhor um trabalho qualquer a nenhum. Dizia-se ainda que seria preciso primeiro propiciar o sucesso econômico das empresas de forma sólida para somente depois pensar em uma possível e progressiva distribuição da riqueza produzida e que a livre iniciativa não poderia ser obstada pela interferência do Estado. Acreditava-se também que era mais saudável para as crianças de cinco a dez anos se dedicarem à disciplina do trabalho durante oito ou mais horas por dia do que ficarem nas ruas desocupadas.

Ao final da Primeira Guerra Mundial, em 1919, com a criação da Organização Internacional do Trabalho (OIT), reconheceu-se que "havendo condições de trabalho que impliquem para um grande número de pessoas a injustiça, a miséria e privações, gera um tal descontentamento que a paz e harmonia universal são postas em perigo..." [7]. A organização ainda enfatiza que "uma paz universal e durável só pode ser fundada sobre a base da justiça social".

A forma oportunista como algumas empresas se posicionam diante da crise atual, desconsiderando o interesse de toda a comunidade, acuando sindicatos a fim de auferir a redução de direitos trabalhistas e pressionando o Estado para recebimento de incentivos fiscais, deve ser questionada, porque abala consideravelmente a crença na formação de uma sociedade capitalista desenvolvida a partir de um pacto de solidariedade.

Ora, muitas empresas "modernas" falam de sua responsabilidade social, do seu dever de cuidar do meio ambiente, de ajudar pobres e necessitados, mas quando se veem diante de uma possível redução de seus lucros, não têm o menor escrúpulo de defender abertamente o seu direito de conduzir trabalhadores ao desemprego sem lhes apresentar uma justifica plausível.

Num contexto internacional, cumpre denunciar a postura de algumas multinacionais que pregam aos países "periféricos" um código de conduta, baseado na precarização das condições de trabalho para favorecer a manutenção dos ganhos que direcionam para o financiamento dos custos sociais em seus países de origem. Esse mecanismo é fator decisivo para eliminar qualquer espírito de solidariedade proletária em nível internacional.

O debate deve extrapolar o conflito entre trabalhadores e empresa e atingir o espectro mais amplo do arranjo socioeconômico.

É hora de tirar as máscaras, de se apresentarem os fatos como eles são, pois, do contrário, continuaremos sendo ludibriados por debates propositalmente pautados fora da discussão necessária, que nos leva à seguinte questão: O capitalismo tem jeito? Se a crise é do modelo capitalista não se pode deixá-lo fora da discussão.

O capitalismo se baseia na concorrência. Se o primeiro é desregrado, consequentemente, o segundo não encontra limites. A obtenção de lucro impulsiona a ação na busca de um lucro sempre maior. Os investimentos especulativos, por trazerem lucros fáceis, são naturalmente insaciáveis.

Em um mundo marcado pelo avanço tecnológico, as repercussões especulativas e os lucros pela produção se concretizam muito rapidamente. Não há tempo para reflexão e, até mesmo, para elaborar projetos a longo prazo. Assim, os riscos são potencializados e a sociedade tende ao colapso sobretudo pela perda de valores éticos e morais, afinal, não é só de sucesso econômico que se move a humanidade. É conveniente registrar que só a satisfação espiritual não basta, pois sem justiça social não há sociedade democrática.

Estas são reflexões necessárias para o presente momento. Não é mais possível apenas tentar salvar os ganhos dos trabalhadores diante das investidas de alguns segmentos empresariais. O debate deve extrapolar o conflito entre trabalhadores e empresa e atingir o espectro mais amplo do arranjo socioeconômico. Neste prisma, se os preceitos do Direito Social são entendidos como empecilhos ao desenvolvimento econômico por gerarem um custo que obsta a necessária inserção na concorrência internacional, a questão não se resolve simplesmente acatando a redução das garantias sociais.

Diante de uma constatação dessa ordem, então, será preciso reconhecer a inutilidade do Direito Social para a concretização da tarefa a que se propôs realizar, isto é, a de humanizar o capitalismo e de permitir que se produza justiça social dentro desse modelo de sociedade. Em seguida, será necessário assumir a inevitabilidade do caráter autodestrutivo do capitalismo, inviável como projeto de sociedade, uma vez que a desregulação pura e simples do mercado já deu mostras de ser incapaz de desenvolver a sociedade em bases sustentáveis. A prova disso é a própria crise econômica, realidade já vivenciada em outros países.

Duas são as alternativas que se apresentam para o momento e que devem ser tomadas com urgência:

a) ou fazer valer de forma eficaz, irredutível e inderrogável os direitos sociais, preservando a dignidade humana e, ao mesmo tempo, mantendo a esperança da efetivação de um capitalismo socialmente responsável. Isso exige uma série de medidas:

- Os trabalhadores não devem pagar a conta em tempos de crise;

- Uma "ética nos negócios" deve ser implantada, baseada no respeito à dignidade da pessoa humana, na democratização da empresa (permitindo co-gestão por parte dos trabalhadores, além de participação popular e institucional) e em uma distribuição real de lucros e na formulação de projetos a longo prazo;

- Não aceitação da terceirização de trabalhadores, que transforma pessoas em coisas de comércio;

- Não transformar homens em Pessoas Jurídicas para se servir de seus serviços pessoais de forma não-eventual;

- Não se valer de cooperativas, de contratos de estágio e de outras formas de trabalho com o objetivo de fraudar a aplicação da legislação trabalhista;

- Não impulsionar um sistema cruel de rotatividade da mão-de-obra;

- Não assediar moralmente os trabalhadores sobretudo mediante a ameaça do desemprego;

- Não utilizar mecanismos de subcontratação, transferindo para empresas descapitalizadas parte de sua produção, pois isso abala a efetividade dos direitos dos trabalhadores;

- Não institucionalizar um sistema de banco de horas com o único propósito de prorrogar a obrigação quanto ao efetivo pago às horas extras com o adicional constitucionalmente previsto;

- Não deixar de cumprir obrigações legalmente previstas, com a intenção de forjar acordos perante a Justiça do Trabalho com quitação de todos os direitos. Neste item, cabe mencionar o registro da CTPS (Carteira de Trabalho e Previdência Social) do trabalhador, a dinâmica de horas extras e o seu pagamento, a preocupação com o desenvolvimento sustentável etc

- Nesta primeira alternativa, que considera a viabilidade do capitalismo, a solução dos problemas da crise não se resume à cômoda aceitação da intervenção do Estado na lógica de mercado. É preciso que o sentido ético se insira na ordem produtiva. Por exemplo, não servem as iniciativas de incentivo à produção ou à construção civil, se os produtos e obras se realizarem por intermédio de mecanismos de supressão dos direitos dos trabalhadores. Além de isso significar um desrespeito à ordem jurídica, representa também uma forma de agressão ao ser humano, quebrando toda possibilidade de pacto social. Para implementação desse projeto, já inscrito na Constituição brasileira, exercem papel decisivo a parcela consciente do empresariado nacional, além do Estado e do mercado consumidor por meio de uma atitude à base de sanções e prêmios.

b) ou iniciar a elaboração de um projeto de outro modelo de sociedade a partir dos postulados socialistas de divisão igualitária dos bens de produção e da riqueza auferida. Afinal, se dentro da lógica capitalista não for viável concretizar os preceitos supra, relativos aos direitos humanos inderrogáveis e previstos em declarações, tratados internacionais e em nossa própria Constituição, por que continuar seguindo esse modelo que reduz as garantias sociais, aprofundando as desigualdades e o retrocesso no nível da condição humana?

...................................................................

[1] Rubens Vaz da Costa, apud, José Jobson de A. Arruda & Nelson Piletti, Toda a História: história geral e história do Brasil, Ed. Ática, 2002, p. 436.

[2] Cf. http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u536582.shtml.

[3] Cf. reportagem da Folha de São Paulo, p. B-3, de 24/03/09.

[4] http://eptv.globo.com/economia/economia_interna.aspx?257170

[5] Cf. noticia a rádio CBN: http://cbn.globoradio.globo.com/editorias/economia/2009/03/13/COM-ALTA-DE-11-VENDA-DE-VEICULOS-PUXA-EXPANSAO-DO-COMERCIO-EM-JANEIRO.htm.

[6] http://ultimosegundo.ig.com.br/economia/2009/04/30/embraer+encerra+trimestre+com+lucro+liquido+menor+de+r+383+mi+5856931.html

[7] Preâmbulo da Constituição da OIT

Emir Sader: crise não marcará fim do capitalismo

Política 21/06/2009 Copyleft

Para Emir, é preciso analisar a crise atual "sem analogia mecânica" com, por exemplo, a crise capitalista de 1929. "Já chegaram a dizer até que agora vem guerra. Guerra entre quem?". A seu ver, a crise deve ser entendida nos marcos da trajetória do capitalismo no século 20. Como contrapartida, a crise trouxe novos parâmetros para o debate: "A História voltou a ficar aberta – se é que já chegou a fechar. As alternativas para a esquerda estão mais abertas que antes", defendeu durante seminário promovido por PT, PC do B, Fundação Maurício Grabois, Fundação Perseu Abramo e Corint.

"É verdade que a hegemonia americana se enfraquece. Mas não aparece no horizonte nenhum país candidato a potência que possa substituir os Estados Unidos", disse Sader às cerca de 250 pessoas presentes no Hotel Braston, em São Paulo, no seminário promovido por PT, PCdoB, Fundação Maurício Grabois, Fundação Perseu Abramo e Corint. Como contrapartida, ele afirmou que a crise trouxe novos parâmetros para o debate: "A História voltou a ficar aberta – se é que já chegou a fechar. As alternativas para a esquerda estão mais abertas que antes." Emir ponderou que qualquer interpretação da crise deve levar em conta os princípios do marxismo – que "não são dogmas nem axiomas". Um dos princípios mais relevantes – por refletir um drama atual do marxismo – é a ideia de que "sem teoria revolucionaria não há prática revolucionária". "A primeira geração de marxistas – Marx, Engels, Lênin, Gramsci, Rosa Luxemburgo – era de pensadores revolucionários que também eram ativistas revolucionários", lembra Emir. "Hoje a ruptura provoca a tendência de a intelectualidade girar sobre si mesma e os partidos serem muito pragmáticos." Contexto da crise

Para Emir, é preciso analisar a crise atual "sem analogia mecânica" com, por exemplo, a crise capitalista de 1929. "Já chegaram a dizer até que agora vem guerra. Guerra entre quem?". A seu ver, a crise deve ser entendida nos marcos da trajetória do capitalismo no século 20. Da Segunda Guerra Mundial até a década de 1970, o sistema viveu um longo ciclo de prosperidade – o "período de ouro", conforme a definição do historiador anglo-egípcio Erich Hobsbawn. "Houve um grande crescimento industrial até na periferia do capitalismo – no Brasil, no México, na Argentina", lembra Emir. O ciclo seguinte, no entanto, é de recessão econômica – mas a queda do socialismo fortalece os Estados Unidos. "Quem ganha reconta a história, narra os fatos – e a vitória ideológica do capitalismo foi de proporções vitais." O socialismo sai da agenda, perde em atualidade. Países como China e Cuba passam a uma "situação de defensiva histórica". Além disso, o neoliberalismo fragmentou a sociedade, jogou os trabalhadores no trabalho informal, dificultou a resistência. "A derrota do socialismo serve, afinal, para desqualificar a política." A financeirização

Com o anúncio da "vitória da economia liberal", os novos embates em pauta se davam em temas como "democracia e totalitarismo", "ocidente versus terrorismo". Já na economia, "consolida-se a passagem do Estado de bem-estar social para a fase neoliberal, de desregulamentação". É a fase da financeirização radical – ou, nas palavras de Emir Sader, "um câncer incrustado dentro do capitalismo". "Marx dizia que o capitalismo é o sistema que faz crescer as forças produtivas como nenhum outro – seu problema era não distribuir a riqueza. O que ocorre, sob a hegemonia financeira, é a transferência de recursos do setor produtivo para o setor especulativo, que não produz bens nem serviços", explica Emir. Na América Latina, segundo o professor, a "euforia neoliberal não trouxe vantagens econômicas. As três maiores economias mostraram fragilidade – o México quebrou em 1994, o Brasil em 1999 e a Argentina em 2002 e 2003". Para Emir Sader, a atual crise do capitalismo emerge em meio a "um período de relativa estabilidade, com uma única grande potência. Existe uma turbulência prolongada sem resolução previsível, mas qualquer resolução será de alternativas dentro do capitalismo, sem ruptura". Daí sua conclusão de que "o capitalismo não termina com a crise – porque ele não cai por si mesmo, tem de ser derrubado –, nem tampouco o neoliberalismo acabou". Nessas condições, o Estado age tal qual um "médico acionado quando o capitalismo sofre doenças". Reflexos

A crise abre cenários distintos nas várias partes do mundo. Barack Obama assume a Casa Branca para enfrentar não só a crise econômica – mas também os impasses de duas guerras abertas e não-resolvidas. Com uma vantagem, brinca Emir: "É praticamente o único país com iniciação política no mundo: ele faz a guerra e também inicia as negociações de paz". Na geopolítica, o tom do discurso muda – com Cuba e Irã, por exemplo. Por outro lado, Emir Sader sustenta que "a crise revela a falência da Europa como conglomerado autônomo. Em tese, se era para ter uma moeda alternativa agora, seria o euro". Mas, ao contrário, as ideias da direita voltam com força no Velho Mundo, e o continente se comporta como um "aliado subordinado dos Estados Unidos". Num mundo dominado pelo "monopólio das armas, do dinheiro e das palavras", há brutais "guerras humanitárias" seguidas de intervenções políticas. É um "braço imperialista renovado na época unipolar". Por isso, afirma Emir, iniciativas como a Unasul (União de Nações Sul-Americanas) são importantes. O "novo tempo" da América Latina possibilitou que a resolução do conflito entre Colômbia e Equador tenha ocorrido "no nosso âmbito", sem o arbítrio dos Estados Unidos ou da ONU. O continente reage. "É extraordinário ver que o primeiro país a romper formalmente com Israel foi a Bolívia, num gesto de solidariedade baseada em seus próprios princípios." Saídas

Para a economia brasileira, a crise é um teste. "Estamos pagando um preço caro", afirma Emir. Além de queda da demanda externa e, consequentemente, da exportação, houve um refluxo dos créditos. Na opinião do professor, o governo precisa "encampar a luta contra o monopólio da hegemonia neoliberal", diversificar ainda mais o comércio internacional e aumentar o peso do mercado interno, taxando o capital externo. "Lula manteve a hegemonia do capital financeiro e a autonomia do Banco Central, ainda que tenha retomado o papel do desenvolvimento. Sem abandonar a conciliação, a aliança de classes, sem deixar de ser parêntesis do modelo internacional, o governo Lula não será alternativa de um novo modelo", criticou Emir. A seu ver, é preciso resistir ainda à precarização e à alienação do trabalho, voltando também a estimular a sindicalização. "Mesmo o Fórum Social Mundial nunca vai avançar muito se tiver só o tema da cidadania e não tratar do trabalho". Sobre a nefasta atuação da mídia na América Latina, Emir Sader opina que há "um único jornal bom" – o diário mexicano La Jornada, que tem oito edições regionais. "O Página 12, da Argentina, é bom, mas é um jornal pequeno.". O Brasil, por sua vez, padece de um governo que, na área de comunicação, "não fez quase nada – apenas diversificou um pouco a distribuição de publicidade". A TV Brasil, na sua opinião, "é um fracasso". "Teremos as heranças das transformações que o Lula fez e das que ele não fez", sintetiza Emir. Além de "quebrar a hegemonia do capital financeiro", o Brasil, "país mais desigual do continente mais desigual", tem adotar "um modelo de desenvolvimento agrário que prescinda do agronegócio". Outra prioridade, segundo Emir, é "construir uma opinião pública alternativa – pela internet, com os blogs, mas também democratizando a comunicação, a TV, o lazer". A maior dificuldade, diz ele, "é convencer as massas de que nossa utopia é a justiça social". Seria uma resposta ao "individualismo brutal", que leva as pessoas a pensarem apenas numa coisa: "O que vai acontecer comigo?".

Fonte: Fundação Maurício Grabois

http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=16042

Diário da Palestina



Diário da Palestina (1): a resistência cultural

Direto de Ramallah, Palestina

Uma ocupação colonial não é apenas uma ocupação militar. Ela precisa tentar impedir a sobrevivência da cultura, da memória do povo ocupado. Mais ainda se se trata da ocupação de um povo com uma das mais antigas histórias e mais ricas culturas.

Como era impossível que a Capital da Cultura Árabe pudesse ser Bagdá, pela ocupação das tropas norte-americanas, foi decidido que Jerusalem (que eles chamam de Al-Quds) fosse a Capital da Cultura Árabe de 2009. As comemorações têm sido vítimas das mais violentas e odiosas repressões das tropas israelenses de ocupação. Organizar lindas atividades em torno da cultura árabe passaram a ser um imenso desafio para o Comitê Palestino de Organização, por dificuldades de recursos, de convidar pessoas – poetas, músicos, cantores, artistas do mundo árabe e de outras regiões do mundo - para vir a uma região cercada e ocupada, que deveriam realizar-se nas ruas e praças de Jerusalém.

O ato de apresentação do logotipo dos eventos, programada para ser dar no Teatro Nacional de Jerusalém, em abril do ano passado, foi proibida por Israel, declarado ilegal e reprimido brutalmente por forças militares para tentar impedir sua realização. Foram presos três dos membros do grupo organizador.

Apesar de todas as dificuldades, deu-se inicio às comemorações no dia 21 de março deste ano, com atividades populares nas ruas de Jerusalém, que terminaram com uma noite de fala em Bethlehem. Israel enviou tropas contra crianças que carregavam balões com as cores da bandeira palestina – vermelhas, brancas, verdes e pretas. As tropas de ocupação atacaram os jovens que iam realizar danças tradicionais palestinas, com suas roupas típicas, produzindo cenas de pânico e desespero.

Como reação, todas as escolas, universidades, centros culturais, prefeituras de dentro ou de fora da Palestina, decidiram assumir a celebração organizando atividades sobre a bandeira e o logotipo de Jerusalém Capital da Cultura Árabe de 2009. Centenas de eventos aconteceram em muitos países como mostra de solidariedade e de protesto contra a repressão israelense. Fica claro, cada vez mais, que não se trata da ocupação e da ação militar contra "forças terroristas", como alegam os ocupantes, mas contra a resistência da cultura palestina.

Os palestinos adotaram o lema: "Jerusalém nos une e não deve dividir-nos", reforçando a necessidade de união de todos os palestinos para derrotar a ocupação e pela conquista do direito de um Estado palestino, reconhecido pelas Nações Unidas, mas impedida pelos EUA e por Israel.

"Uma vez liberada, Jerusalém não será apenas a inquestionável capital da cultura árabe, mas será a cidade da diversidade cultural e religiosa, da tolerância e do respeito pelos outros. Uma cidade aberta para a paz cujos tesouros históricos e religiosos serão desfrutados por todos, do leste e do oeste. O único muro que a cercará será o muro histórico de sua Cidade Velha e suas 12 portas, incluindo a Porta de Ouro, que uma vez aberta, levará todos os povos do bem para o céu."

As palavras são de Ragiq Husseini, presidente do Conselho Administrativo do Comitê Nacional pela Celebração de Jerusalém como Capital da Cultura Arabe em 2009. Estar aqui, chegar a Ramallah revela, com toda força, como este é um território ocupado, cruzado por muros que dividem aos próprios palestinos, povoado de tropas e de carros militares, submetendo a este heróico povo à ocupação, à opressão, à humilhação, na mais grave situação de violação dos direitos humanos – políticos, sociais, econômicos, culturais – no mundo de hoje.

Postado por Emir Sader - 24/06/2009 às 05:46




Diário da Palestina (2): ocupação, colonialismo e apartheid

Direto de Ramallah, Palestina

Uma coisa é ouvir falar, ler, falar de ocupação. Outra é ver o que significa. Ramallah, uma cidade pacífica, sem violência, sem problemas de segurança, onde se pode andar por qualquer bairro a qualquer hora do dia ou da noite, uma cidade sem população de rua, sem crianças abandonadas.

A ocupação israelense significa a brutalidade de cortar a cidade com muros, que separam palestinos de palestinos. Há uma grande avenida que o muro corta um lado do outro da rua. Os muros separam, segregam, colocam entre palestinos e palestinos os controles, comandados por soldados israelenses armados até os dentes, que exercem sistematicamente seu poder armado, com arbitrariedade e discriminação. Não na lógica nos muros, é um exercício conscientemente arbitrário, para demonstrar – como faz o torturador diante da sua vitima – que o ocupante pode fazer o que bem entender, sem qualquer lógica, só como exercício do poder armado de que dispõe.

Muros para lacerar na carne o orgulho, a auto-estima, para tentar desmoralizar aos palestinos, levá-los ao dilema entre a passividade, a resignação, ou o desespero das ações armadas. Esta seria a atitude espontânea de qualquer ser humano, diante das humilhações a que são submetidos os palestinos, diante da demonstração brutal de força. Parece que os ocupantes querem provocar reações violentas, que justificariam novas ofensivas violentas.

Os palestinos gastam várias horas por dia nas filas dos controles. Para ir de Ramallah a Jerusalém pode-se tomar 10 minutos ou três horas, na dependência do arbítrio das tropas de ocupação. Os palestinos tem que elaborar guias de sobrevivência para sobreviver com os 630 pontos de controle na Palestina atualmente.

Trata-se de uma ocupação ilegal, injusta, de discriminação racial, do tipo do apartheid sul-africano. Os israelenses querem impedir aos palestinos de ter um Estado como foi reconhecido a Israel no fim da Segunda Guerra Mundial. Julgar-se um "povo escolhido" – também isto eles tem em comum com os norte-americanos. Como disse Edward Said, os palestinos são as "as vítimas das vítimas". Os israelenses se consideram vitimas, mas passaram a ser verdugos, colonialistas, imperialistas, racistas.

Ver os muros, sua violência, sua brutalidade, a frieza da sua desumanidade, diante das casas humildes, das oliveiras – tantas casas e oliveiras destruídas para a construção dos muros – dos palestinos, permite sentir no mais profundo de cada um os dois mundos que se contrapõe aqui. A neutralidade, a passividade, se tornam impossíveis, cúmplices, diante de tanta injustiça e violência.

Um Estado terrorista, um Exército do terror, tropas de ocupação coloniais, ações imperiais – essa a ocupação israelense do que deveria ser território palestino. Do que deverá ser território de uma Palestina livre, democrática e soberna.

Postado por Emir Sader - 24/06/2009 às 12:55



Diário da Palestina (3): Por que Israel não aceita um Estado palestino

Israel e EUA vão em direções opostas? Enquanto Obama tenta resgatar uma imagem internacional muito desgastada, de que faz parte a retomada de negociações sobre a Palestina, Netanyahu vai na direção oposta. Enquanto seu partido não reconhece, nem formalmente, o direito ao Estado palestino, pressionado por Obama, apresentou uma impossível proposta, mais uma armadilha do que algo que apontasse para a retomada de negociações com os palestinos.

Para quem constata, aqui, na Palestina, a ocupação militar, os muros, os assentamentos, protegidos militarmente, é ridícula a proposta do primeiro ministro de Israel de um Estado Palestino desmilitarizado. Porque trazer a paz à Palestina é, antes de tudo, a retirada imediata e incondicional, das tropas israelenses de ocupação dos territórios palestinos. Isso é desmilitarizar.

Por outro lado, não apenas não desmontar, como seguir instalando assentamentos judeus no coração da Palestina – não apenas no campo, mas no centro de cidades como Ramallah -, é sabotar concretamente qualquer solução política pacífica à questão palestina. Dizer que deseja negociações com a Palestina, mas ao mesmo tempo afirmar e seguir instalando assentamentos, é dizer, pela via dos fatos, que Israel quer perpetuar a ocupação genocida dos territórios palestinos.

Israel nega à Palestina o mesmo direito que ele tem: o de ter um Estado soberano, apesar das decisões reiteradas da ONU, que garantem a a existência de dois Estados, um israelense, o outro palestino, com os mesmos direitos. Com territórios contínuos, com soberania, com direito de regresso dos imigrantes. Por que Israel não aceita a existência de um Estado Palestino? Por que Israel passou de vítima a verdugo?

O argumento usual era o de que os palestinos eram uma ameaça para a sobrevivência de Israel. Mas desde que a Autoridade Palestina, através de Arafath, passou a reconhecer o direito à existência do Estado de Israel, esse argumento desapareceu. Alega Israel que os palestinos são "terroristas", mas todas as reações à ocupação militar, às agressões cotidianas e as humilhações cotidianas contra os palestinos, em seus próprios territórios, configuram, claramente, um regime de terror contra o povo palestino.

Nestes dias aqui, na Palestina, pudemos constatar a queima de plantações de trigo dos palestinos, feitas por colonos judeus dos assentamentos. A aprovação de mais 250 milhões de dólares por parte do governo israelense, para seguir os assentamentos. Casas palestinas continuam a ser derrubadas, para a construção de novos assentamentos. A expulsão arbitrária de palestinos de Jerusalém, a derrubada de casas e oliveiras, o assedio constante, para incitar o abandono da cidade santa.

Mas, além disso, ao inviabilizar – pelo cerco militar, pela ocupação, pelas incursões genocidas das suas tropas, por ataques genocidas, como o realizado recentemente contra Gaza – o desenvolvimento econômico, Israel estabelece uma situação de super-exploração dos palestinos. Incita os palestinos ou a emigrar para outros países ou a submeter-se a ser superexplorados pelos israelenses. Os absurdos muros tem menos uma lógica de defesa militar e muito mais de inviabilização econômica da Palestina.

Além de que a ocupação militar serve também para a apropriação dos recursos naturais da Palestina. Como exemplo, Israel utiliza 6 vezes mais água do que os palestinos, embora explore os mananciais situados na Palestina.

Mas o objetivo maior da ocupação é a tentativa de assassinar a identidade do povo palestino, de liquidar sua memória histórica, de liquidar a auto-estima dos palestinos, de desmoralizá-los, de dispersá-los pelo mundo afora, fomentando a diáspora e bloqueando o retorno dos palestinos aos seus territórios.

Se Obama quer, de fato, pressionar Israel para que reabra negociações reais, o primeiro que deveria fazer seria não mais exercer o direito de veto na ONU em todas as resoluções de condenação de Israel. Além de ameaçar e verdadeiramente suspender o imenso apoio militar que seu país dá a Israel, para que seu país ocupe os territórios dos palestinos.

Quando Israel possui um governo que nega o direito dos palestinos disporem de um Estado, aprovado pelas Nações Unidas, possui um ministro de relações exteriores que deseja a expulsão dos palestinos de Israel, até mesmo o ataque nuclear para destruir aos palestinos – fica claro que a solução política da questão palestina tem que apontar para Telaviv e não para os palestinos.

Postado por Emir Sader - 26/06/2009 às 06:06

Cancion con todos

Salgo a caminar
Por la cintura cosmica del sur
Piso en la region
Mas vegetal del viento y de la luz
Siento al caminar
Toda la piel de america en mi piel
Y anda en mi sangre un rio
Que libera en mi voz su caudal.

Sol de alto peru
Rostro bolivia estaño y soledad
Un verde brasil
Besa mi chile cobre y mineral
Subo desde el sur
Hacia la entraña america y total
Pura raiz de un grito
Destinado a crecer y a estallar.

Todas las voces todas
Todas las manos todas
Toda la sangre puede
Ser cancion en el viento
Canta conmigo canta
Hermano americano
Libera tu esperanza
Con un grito en la voz