Páginas

pergunta:

"Até quando vamos ter que agüentar a apropriação da idéia de 'liberdade de imprensa', de 'liberdade de expressão', pelos proprietários da grande mídia mercantil – os Frias, os Marinhos, os Mesquitas, os Civitas -, que as definem como sua liberdade de dizer o que acham e de designar quem ocupa os espaços escritos, falados e vistos, para reproduzir o mesmo discurso, o pensamento único dos monopólios privados?"

Emir Sader

19.5.17

SENHOR ETERNIDADE - Ao Antônio Cândido

SENHOR ETERNIDADE

Ao Antônio Cândido



Por Ademar Bogo



Antonio, um vôo continuado

Por ter nas costas as asas do passado.

Elas sustentam a velha tradição

Das longas viagens da literatura

Sem ela não poderia haver cultura

E nem tampouco, civilização.


Antonio não é um escritor

Um crítico, poeta ou trovador.

É um recipiente guardador

Da memória literária nacional.

Se outro deve há com tal imensidade

Empata em grandeza e brilhantismo

Pois, não há luz com maior iluminismo

Que aquela elevada ao grau da universalidade.


Antonio é início e conclusão:

Dois pólos unidos em uma só vida

Em si a literatura é reunida

Como uma história de múltiplos autores.

Se a literatura hoje brilha com suas cores

Deve este feito à navalha de sua crítica

Que corta, mas não mata, fortifica

Gerando frutos com novos sabores.


Antônio é uma flor de nome masculino;

Florida nas margens do destino

Da literatura brasileira.

Mas a flor morre para virar semente

Para marcar o tempo no presente

E germinar pela vida inteira.


Por isso, Antonio, um nome universal

Deixa de ser individual

Para tornar-se consciência coletiva.

As gerações vindouras serão as comitivas

Que marcharão com literalidade.

Assim, Antônio, sempre será Antônio

Ou simplesmente, Senhor Eternidade.


Nenhum comentário:

Cancion con todos

Salgo a caminar
Por la cintura cosmica del sur
Piso en la region
Mas vegetal del viento y de la luz
Siento al caminar
Toda la piel de america en mi piel
Y anda en mi sangre un rio
Que libera en mi voz su caudal.

Sol de alto peru
Rostro bolivia estaño y soledad
Un verde brasil
Besa mi chile cobre y mineral
Subo desde el sur
Hacia la entraña america y total
Pura raiz de un grito
Destinado a crecer y a estallar.

Todas las voces todas
Todas las manos todas
Toda la sangre puede
Ser cancion en el viento
Canta conmigo canta
Hermano americano
Libera tu esperanza
Con un grito en la voz