Páginas

pergunta:

"Até quando vamos ter que agüentar a apropriação da idéia de 'liberdade de imprensa', de 'liberdade de expressão', pelos proprietários da grande mídia mercantil – os Frias, os Marinhos, os Mesquitas, os Civitas -, que as definem como sua liberdade de dizer o que acham e de designar quem ocupa os espaços escritos, falados e vistos, para reproduzir o mesmo discurso, o pensamento único dos monopólios privados?"

Emir Sader

11.3.17

DOCUMENTOS DETALHAM PERSEGUIÇÃO E RELATOS DE TORTURA ‘A DILMA ROUSSEFF NA DITADURA

DOCUMENTOS DETALHAM PERSEGUIÇÃO E RELATOS DE TORTURA 'A DILMA ROUSSEFF NA DITADURA

Ministério da Aeronáutica

4ª Zona Aérea

Quartel General

Divisão de Segurança

Título – Elementos foragidos integrantes dos grupos Corrente e Colina

09ABRIL1970

Difusão: Unidade Aérea Paraeq MT

Difusão Anterior – II Ex – 6º DN –DPF /SP – DOPS

Encaminhamento Nº 96/SNI/ASP/ de 16/02/1970

Encaminhamento Nº 85/QG-4

09ABRIL1970

http://pt.scribd.com/doc/96592140

Os documentos em anexo mostram parte da perseguição sofrida por Dilma Rousseff, militante da Resistência 'a ditadura civil-militar.

Em depoimento ao Conselho dos Direitos Humanos de Minas Gerais feito em 2001, Dilma relatou detalhes de sessões de tortura às quais foi submetida na prisão em Juiz de Fora (MG), quando presa política, na década de 1970.

A literatura sobre a militância política da presidente registra fartamente informações sobre a passagem de Dilma pelos calabouços da ditadura no Rio e em São Paulo. No depoimento ao CDHMG, ela lembra que foi colocada no pau de arara, tomou choques elétricos, apanhou de palmatória e foi submetida a socos.

"Minha arcada girou para o lado, me causando problemas até hoje, problemas no osso do suporte do dente. Me deram um soco e o dente se deslocou e apodreceu", relatou, segundo o documento. Ela conta ainda que os torturadores ameaçaram agredi-la no rosto, dizendo que, depois deformada, "ninguém ia querê-la". As sequelas no maxilar só teriam sido corrigidas depois que ela assumiu cargos no governo Lula, em 2002, por meio de cirurgias.

Com 24 anos, Dilma foi levada para Juiz de Fora em 1972, onde teria ficado por cerca de dois meses. Os militares suspeitavam que ela teria ajudado o ex-companheiro no Comando de Libertação Nacional (Colina), Ângelo Pezzuti, em um suposto plano de fuga de penitenciária em Ribeirão das Neves (MG). Eles haviam flagrado bilhetes entre Stela (um dos codinomes da presidente) e Cabral (Ângelo).

"O estresse é feroz, inimaginável. Descobri, pela primeira vez, que estava sozinha. Encarei a morte e a solidão. Lembro-me do medo quando minha pele tremeu. Tem um lado que marca a gente pelo resto da vida", descreveu a presidente.

Dilma relatou que, em Minas, passou sozinha a maior parte do tempo no cárcere. Segundo ela, a solidão fazia parte da tortura. Ela se lembra de que a mãe ia visitá-la algumas vezes, mas nunca em seus piores momentos. "As marcas da tortura sou eu. Fazem parte de mim", contou a presidente.

admin-ajax (1)1admin-ajax (1)2admin-ajax2

 

http://www.documentosrevelados.com.br/depoimentos-torturas-denuncias-ditadura/documentos-detalham-perseguicao-e-relatos-de-tortura-a-dilma-rousseff-na-ditadura/

Nenhum comentário:

Cancion con todos

Salgo a caminar
Por la cintura cosmica del sur
Piso en la region
Mas vegetal del viento y de la luz
Siento al caminar
Toda la piel de america en mi piel
Y anda en mi sangre un rio
Que libera en mi voz su caudal.

Sol de alto peru
Rostro bolivia estaño y soledad
Un verde brasil
Besa mi chile cobre y mineral
Subo desde el sur
Hacia la entraña america y total
Pura raiz de un grito
Destinado a crecer y a estallar.

Todas las voces todas
Todas las manos todas
Toda la sangre puede
Ser cancion en el viento
Canta conmigo canta
Hermano americano
Libera tu esperanza
Con un grito en la voz